É possível engravidar menstruada? Obstetriz esclarece 7 dúvidas sobre o assunto

Debate sobre saúde íntima feminina cresceu, mas ainda é cercado de tabus. Descubra se é possível engravidar menstruada e muito mais

Afina, é possível engravidar menstruada?
Afina, é possível engravidar menstruada? - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 16/03/2022 às 14:00
Atualizado às 14:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

É possível engravidar menstruada? Transar nesse período oferece algum tipo de risco para a saúde? Tem como conter o sangue? Essas e outras perguntas sobre saúde íntima feminina são comuns e, provavelmente, já passaram pela sua cabeça. Apesar disso, os questionamentos ligados a esse tema sempre foram cercados por inúmeros tabus e até mesmo proibições.

É fato, no entanto, que o debate sobre sexo e saúde da mulher cresceu nos últimos tempos. Mas, ainda está longe de ofertar uma quantidade satisfatória e relevante de informações e esclarecimentos. Por isso, a obstetriz Mariana Betioli nos respondeu sobre sete dúvidas comuns que rodeiam o assunto. Confira:

1 – Posso fazer sexo durante a menstruação?

Sim. “Mesmo que o debate sobre sexualidade e feminismo tenha ganhado força, o assunto ‘sexo na menstruação’ ainda é considerado polêmico por muita gente. Mas, a escolha sempre tem que ser individual”, afirma a profissional.

2 – É possível engravidar menstruada?

A chance é baixa, mas não é inexistente. “É importante tomar cuidado, principalmente mulheres que apresentam o ciclo menstrual irregular ou mais curto, pois a chance de engravidar aumenta. Isso porque os espermatozoides podem permanecer vivos no corpo da mulher por até cinco dias. Portanto, se ela tem um ciclo mais curto, a ovulação pode acontecer poucos dias após menstruar e, em caso de relação sexual sem proteção durante a menstruação, os espermatozoides ainda podem estar vivos em seu organismo quando o óvulo for liberado”, conta Mariana.

3 – Transar nesse período oferece algum tipo de risco para a saúde?

“Como a mulher está sangrando, há um risco um pouco maior de infecção durante relações sexuais sem proteção”, alerta a especialista. Por isso, a recomendação é usar camisinha para aproveitar o momento com mais segurança, tranquilidade e leveza.

4 – Tem como conter o sangue?

De acordo com Mariana, uma alternativa para conter o sangue da menstruação durante uma relação sexual é utilizar o disco menstrual. “Ele é reutilizável, dura por até três anos e é feito de silicone hipoalergênico, assim como o coletor que todos conhecem. A diferença é que o disco menstrual fica posicionado mais ao fundo, encaixado no colo do útero. Assim, deixa o canal vaginal livre para a penetração e não interfere na lubrificação. Na hora da transa, nem a pessoa e o parceiro ou parceira vão sentir que o disco está sendo utilizado”, revela.

5 – A libido aumenta durante a menstruação?

“É bem possível, já que o clitóris fica mais sensível, há mais lubrificação e os hormônios sexuais estão nas alturas, o que também facilita o orgasmo. Os hormônios estrogênio e testosterona estão baixos no dia em que a menstruação começa, mas começam a aumentar por volta do segundo ou terceiro dia. Por isso, a libido pode aumentar nesse período”, destaca a especialista.

6 – Transar menstruada causa mais cólica?

“A cólica acontece quando o útero se contrai para expelir o sangue menstrual e, curiosamente, durante o orgasmo o útero também se contrai, mas depois relaxa totalmente. O que faz melhorar a cólica é esse efeito relaxante e analgésico do orgasmo somado ao aumento de fluxo sanguíneo na região pélvica e a liberação de hormônios de prazer”, aponta a obstetriz. Portanto, um orgasmo gerado durante o sexo pode, inclusive, aliviar os sintomas da cólica.

7 – É anti-higiênico transar durante a menstruação?

“Isso é um processo de desconstrução. Quando entendemos que o sangue que sai do nosso útero é um sangue limpo e puro, sem cheiro e cheio de vida, começamos a fazer as pazes com o nosso ciclo. Isso só contribui para que possamos viver a nossa sexualidade de forma plena”, finaliza Mariana.

Fonte: Mariana Betioli, obstetriz e fundadora da Inciclo

Leia também