Dia Mundial do Diabetes: milhões de pessoas não sabem que possuem a doença

Descubra como identificar e prevenir o problema que, se não for tratado corretamente, pode matar

Diabetes pode ser doença silenciosa e traiçoeira
Diabetes pode ser doença silenciosa e traiçoeira - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 14/11/2021 às 06:00
Atualizado às 06:00

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Hoje, dia 14 de novembro, é o Dia Mundial do Diabetes, uma data simbólica para alertar e conscientizar a população sobre os riscos e consequências da doença. De acordo com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia (SBEM), o problema é crônico e pode se manifestar de duas maneiras diferentes: deficiências na produção de insulina e interferências na ação da substância produzida pelo organismo.

“Existe o diabetes de substrato imunológico, chamado diabetes tipo 1. Que é o que mais frequentemente encontramos em crianças e adolescentes e, às vezes, em adultos jovens. É uma doença no sistema imunológico, onde há, desde o início, um déficit de produção de insulina. E tem o diabetes tipo 2, o mais comum. Não é uma doença que se inicia por deficiência de produção de insulina, mas por uma falha de ação dessa insulina”, conta o Dr. Abrão Cury, cardiologista do Hcor, Hospital do Coração.

O que talvez alguns não saibam é que, o diabetes tipo 2, em grande parte dos casos, pode ser evitado com hábitos saudáveis. O consumo excessivo de alimentos com alto índice glicêmico, aliado ao sedentarismo, são os principais causadores da doença.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), de 2019 para cá houve um aumento de 16% dos casos de diabetes no mundo. Isso significa que, em menos de três anos, mais de 70 milhões de pessoas desenvolveram a doença. No Brasil, a entidade acredita que podem existir até 16 milhões de indivíduos doentes. Já a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), estima que pelo menos 12,5 milhões de brasileiros têm diabetes.

Em entrevista concedida para a Agência Brasil, a médica endocrinologista da Universidade Federal de São Paulo, Gláucia Carneiro, informou que cerca 50% dessas pessoas sequer sabem que possuem diabetes, pois ainda não foram diagnosticadas. Outro problema grave é que, uma parcela significativa das pessoas que já detectaram o problema, não realiza todos os cuidados necessários para controlar a doença.

"Informação e conhecimento devem ser considerados os dois pilares mais importantes para a redução da incidência e/ou adesão ao tratamento por parte dos pacientes. Assim conseguiremos melhorar programas de prevenção, bem como tratar de forma adequada os pacientes já diagnosticados. Além de mapear outros pacientes ainda sem diagnóstico, reduzindo drasticamente o número de complicações", afirma o Dr. Márcio Krakauer, endocrinologista do núcleo de tecnologia da SBD.

Os números são preocupantes e, por isso, a importância da conscientização é cada vez maior. Segundo a Federação Internacional de Diabetes, a doença será responsável pela morte de, aproximadamente, 6,7 milhões de pessoas apenas em 2021.

"O salto foi tão grande nesse período de 2019 para cá, que já estamos próximos ao número de diabéticos esperado para 2030 e ainda estamos em 2021”, afirma a Dra. Tarissa Petry, endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Como descobrir se você possui diabetes

A melhor maneira de reverter esse quadro é apostar na prevenção do diabetes. Para isso, é preciso apostar em hábitos saudáveis, com a redução do consumo de alimentos industrializados e com alto índice glicêmico, como açúcar e farinha de trigo. “Uma alimentação rica em proteínas saudáveis – salmão, sardinha, fontes de ácidos graxos ômega-3 e ovos -podem reduzir o risco de doenças cardíacas, inflamação e melhorar a sensibilidade à insulina”, comenta a nutricionista Adriana Stavro.

No entanto, também é fundamental prestar atenção nos sintomas da doença, para evitar que a detecção do diabetes seja tardia. O diagnóstico precoce é fundamental para evitar complicações e potencializar o tratamento.

"O paciente pode sentir alterações da retina, provocando diminuição da acuidade visual e, em alguns casos, cegueira. Alteração da função renal devido à microlesões, lesões em neurônios periféricos e, consequentemente, diminuição da sensibilidade dos pés e aumento de risco de infecção graves", explica o endocrinologista, Dr. Thulio Coelho.

Confira os principais sintomas do diabetes, de acordo com o Ministério da Saúde:

Sintomas do diabetes tipo 1:

  • Fome frequente;
  • Sede constante;
  • Vontade de urinar diversas vezes ao dia;
  • Perda de peso;
  • Fraqueza;
  • Fadiga;
  • Mudanças de humor;
  • Náusea e vômito.

Sintomas do diabetes tipo 2:

  • Fome frequente;
  • Sede constante;
  • Formigamento nos pés e mãos;
  • Vontade de urinar diversas vezes;
  • Infecções frequentes na bexiga, rins, pele e infecções de pele;
  • Feridas que demoram para cicatrizar;
  • Visão embaçada.

Ao identificar qualquer um desses sintomas, a recomendação é procurar auxílio médico o quanto antes. Quando identificado desde o início, o diabetes pode ser controlado sem grandes prejuízos para a qualidade de vida do paciente.

Leia também