Papanicolau, colposcopia e vulvoscopia; entenda a diferença

Ginecologista diz que esses exames servem para diagnosticar precocemente câncer de colo de útero, vagina e vulva

"Papanicolau, colposcopia e vulvoscopia são exames complementares"
"Papanicolau, colposcopia e vulvoscopia são exames complementares" - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 11/08/2021 às 10:28
Atualizado às 11:55

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Cuidar da saúde da mulher envolve realizar alguns exames de rotina para saber se há alguma alteração e como é possível cuidar. Segundo o Dr. Alexandre Luiz Seo, ginecologista e obstetra, da Vibe Saúde, "o papanicolau, colposcopia e vulvoscopia têm o objetivo de realizar o rastreamento e diagnóstico precoce do câncer de colo uterino, vagina e vulva, enquanto o ultrassom transvaginal é responsável por observar as alterações em órgãos femininos como útero, trompas e ovários. 

"Esses exames são complementares. O papanicolau colhe células do colo do útero e da vagina, por meio de um raspado da mucosa, para análise em laboratório e a colposcopia identifica as áreas suspeitas no colo uterino, vagina e vulva, por meio de um aparelho com lente de aumento, como forma de direcionar a área a ser biopsiada.

Enquanto a ultrassonografia transvaginal é um exame de imagem feito com um equipamento via vaginal acoplado ao aparelho de ultrassom que permite a avaliação dos órgãos pélvicos quanto ao formato, volume e presença de tumores sólidos e cistos”, explica o especialista.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), órgão vinculado ao Ministério da Saúde, a recomendação do exame de Papanicolau é que seja realizado anualmente em mulheres a partir dos 25 anos, desde que já tenham iniciado atividade sexual. 

“Após as duas primeiras coletas, sendo uma por ano, se não houver alteração, as próximas provas podem ser feitas de três em três em anos. Sugere-se que o rastreamento seja feito dessa forma até os 64 anos, desde que os últimos resultados não tenham acusado sinais suspeitos”.

“Caso positivo, a periodicidade deve ser discutida com o médico. Nos casos da colposcopia/vulvoscopia e ultrassom transvaginal não há recomendação de realizar esses exames de forma rotineira, devendo ser solicitado pelo médico assistente conforme necessidade, caso a caso”, complementa o especialista.

Além disso, os exames de papanicolau e colposcopia/vulvoscopia servem para diagnosticar precocemente câncer de colo de útero, vagina e vulva. “Eles são capazes de identificar a presença de infecções, como candidíase, vaginose bacteriana e tricomoníase, causadas por fungos, bactérias e protozoários, respectivamente, e também para encontrar lesões que indiquem a presença do HPV, vírus cuja infecção está relacionada com casos de câncer de colo de útero.

O ultrassom transvaginal serve para investigar algumas doenças, como miomas uterinos, cistos ovarianos, doenças do endométrio (parte interna do útero que descama durante a menstruação), mal formações, câncer de útero e ovário, entre outros. Ele é utilizado para avaliar o início da gestação”, destaca o ginecologista.  

O médico ressalta ainda que o exame de papanicolau pode ser realizado em pacientes virgens, utilizando material adequado, porém não é recomendado devido à dificuldade na coleta que pode comprometer o resultado deste exame.

“Os exames de colposcopia e ultrassonografia transvaginal não são realizados nesta situação, uma vez que a paciente precisa ser submetida ao exame via vaginal. Nestes casos, como alternativa são indicados o ultrassom pélvico/abdominal”, finaliza o Dr. Alexandre Luiz Seo. 

Consultoria: Dr. Alexandre Alexandre Luiz Seo, médico ginecologista e obstetra da Vibe Saúde, formado pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC/FUABC). 

Leia também