Tire todas suas dúvidas sobre a primeira menstruação

Segundo especialistas, "é normal os ciclos serem irregulares no início devido à imaturidade do eixo hormonal"

"O coletor menstrual é uma espécie de copinho de silicone que, como o nome indica, coleta o sangue durante o ciclo menstrual"
"O coletor menstrual é uma espécie de copinho de silicone que, como o nome indica, coleta o sangue durante o ciclo menstrual" - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 18/08/2021 às 15:35
Atualizado às 15:55

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Quando o assunto é corpo feminino muitos ainda encaram como tabu, como a primeira menstruação, que é um fenômeno natural do organismo que precisa ser encarado de maneira natural, com diálogos para esclarecer as dúvidas e deixar a vergonha de lado, pois é essencial saber sobre os ciclos menstruais para a saúde das mulheres

Com o objetivo de encarar esse fato que ocorre com todas as mulheres, confira 10 dicas que o portal Alto Astral separou e podem ser um apoio tanto para as mães como para as  filhas que estão prestes a passar por essa fase. 

1- A menstruação acompanha outros sinais da puberdade

A menarca (a primeira menstruação) geralmente ocorre entre os 10 e 14 anos. Segundo Mariana Betioli, obstetriz e criadora da Inciclo, a primeira menstruação vem um pouco depois de alguns outros sinais de puberdade percebidos no corpo da menina, como desenvolvimento das mamas, surgimento dos pelos e a presença de secreção vaginal.

2- Secreções são normais

Aliás, essa secreção é bem comum e normal. A vagina é um local úmido que produz secreção. É fisiológico e saudável. "Ela pode mudar de aspecto em algumas situações, como, por exemplo, durante as diversas fases do ciclo menstrual. Mas é necessário prestar atenção na cor da secreção e alguns outros sintomas para poder identificar quando algo não vai bem”, aponta Mariana.

De acordo com Gustavo Barison, médico ginecologista, por conta dos efeitos hormonais, a mulher passa por mudanças na flora vaginal, na pilificação [crescimento de pelos] e tônus da genitália, que consistem na diferenciação sexual secundária característica do período da puberdade. Por isso, é comum essa mudança na secreção vaginal e a apresentação de lubrificação fisiológica, que é decorrente do período puberal.

3- Existem opções além dos absorventes

Você já deve saber que o produto mais famoso para conter o sangue menstrual são os absorventes externos. Mas, nos últimos anos, o mercado de higiene menstrual trouxe novas opções mais funcionais, ecológicas, econômicas e até mesmo mais indicadas para a saúde íntima das adolescentes, como o coletor menstrual, absorventes reutilizáveis e as calcinhas absorventes.

4- Calcinhas menstruais são confortáveis e práticas

Se a sua filha sente que não se adapta bem ao absorvente, que pode mesmo causar certa irritação na pele, as calcinhas menstruais podem ser uma opção confortável. “É uma alternativa que vem se destacando por sua praticidade. Ao mesmo tempo que remonta aos tecidos usados pelas mulheres de outros tempos, a modernidade do material com que a peça é fabricada faz com que o sangue não vaze”, aponta Mariana.

As calcinhas são geralmente fabricadas com tecidos tecnológicos de alta absorção. Eles se intercalam estrategicamente para garantir que o sangue não passe para o outro lado, o que oferece muito mais segurança. “É um material macio, que faz com que a peça fique bem fininha e moldada ao corpo, sem apertar, sem deformar e nem marcar”, explica a obstetriz.

5- Coletor não vai tirar a “virgindade”

O coletor menstrual é uma espécie de copinho de silicone que, como o nome indica, coleta o sangue durante o ciclo menstrual. Considerado um produto seguro para as mulheres, ele pode ser usado desde a primeira menstruação. Porém, uma dúvida comum entre as pessoas que desejam testar o coletor é a questão da virgindade. Mas fique tranquila! De acordo com Mariana, é possível utilizar o copinho mesmo sem nunca ter tido relação sexual.

De acordo com a obstetriz, "o conceito de virgindade é relativo e precisa ser analisado com cautela. Homens e mulheres deixam de ser virgens quando acontece a primeira relação sexual”, afirma. O hímen é uma fina pele que fica na entrada do canal vaginal e, por essa razão, tem tudo a ver com essa discussão já que pode ser rompido durante a penetração. Mas se manter o hímen intacto é uma prioridade, a especialista não aconselha o uso antes da primeira transa.

6- No começo, os ciclos são irregulares

Ser pega de surpresa por uma menstruação atrasada ou antes da hora também é comum. De acordo com Gustavo, é normal os ciclos serem irregulares no início devido à imaturidade do eixo hormonal.

"Estes ciclos são chamados de anovulatórios, ou seja, a mulher apresenta falhas na ovulação, pois a produção hormonal está incipiente", afirma. "Os sinais comuns incluem o sangramento irregular, meses sem apresentar menstruação e meses com maior fluxo, porém ao longo do tempo estes vão se regulando", explica o médico.

7- Conheça a tão falada tensão pré-menstrual (TPM)

A TPM, ou Transtorno Pré-Menstrual, consiste em um conjunto de sintomas e sinais clínicos que giram em torno do período pré-menstrual da mulher. Segundo o ginecologista, estes sintomas são decorrentes da liberação da catecolamina (hormônio) e das citosinas inflamatórias (proteína), além dos efeitos hormonais decorrentes da proximidade do ciclo menstrual. "Estes podem gerar desconfortos na vida da mulher como cólicas, mal-estar e alterações hormonais que são comuns nesta fase pré-menstrual", esclarece.

Mas não é motivo para desespero. A partir do momento que a garota conhece o seu corpo e os sinais que ele dá, ela também começa a entender o que funciona para aliviar o incomodo ou não.

8- As cólicas fazem parte do processo

As cólicas são as partes chatas do ciclo menstrual. Mas, se não são muito intensas, fazem parte do processo. “As dores que sentimos vem da contração do útero para expelir o sangue. A tendência é que esse incômodo se alivie com o passar dos anos”, diz a fundadora da Inciclo.

Além disso, de acordo com Gustavo, as cólicas costumam ser comuns nas primeiras menstruações, uma vez que o eixo hormonal ainda é considerado precoce ou imaturo. "Por isso, muitas vezes, a paciente pode apresentar ciclos irregulares e contrações uterinas irregulares que podem causar a dor", explica.

9- “Virar mocinha” não significa tornar-se adulta rapidamente

Toda menina, quando tem sua primeira menstruação, ouve a clássica frase: “virou mocinha”. Mais do que o processo físico, a primeira menstruação envolve um entendimento psicológico do próprio corpo e das mudanças que o sangramento traz.

Dessa forma, a menina não precisa deixar de fazer o que gosta ou mudar seu estilo só por começar a menstruar. “Claro que vamos mudar ao longo de toda a adolescência, afinal, ela é um período de passagem da infância para a vida adulta. Mas a menstruação é só um evento dentre todo esse período. Cada coisa no seu tempo”, acrescenta Mariana.

10- Visite uma ginecologista

Após menstruar pela primeira vez, é interessante ia a ginecologista para tirar todas as dúvidas sobre o assunto. Nessa consulta, a médica costuma fazer perguntas sobre a menstruação, dar orientações sobre higiene íntima, explicar o ciclo menstrual e sexualidade. “E se ela quiser entrar sozinha no consultório, mesmo que sua mãe ou algum responsável a tenha acompanhado até o local, saiba que é um direito dela”, finaliza Mariana.

Fontes: Mariana Betioli, obstetriz e criadora da Inciclo; Gustavo Anderman Silva Barison, ginecologista do Hospital Santa Catarina e portal Alto Astral.

Leia também