Cigarro eletrônico x cigarro comum: existe opção segura? Entenda

No Dia Mundial sem Tabaco, crescimento do uso de cigarro eletrônico preocupa especialistas

Cigarro eletrônico pode ser perigoso
Cigarro eletrônico pode ser perigoso - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 31/05/2022 às 10:00
Atualizado às 10:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Atualmente, praticamente todos sabem que cigarrofaz mal para a saúde e pode prejudicar, inclusive, o bem-estar das pessoas ao redor, que inalam a fumaça de maneira involuntária. Danos severos para os pulmões, doenças cardiovasculares, impotência sexual e câncer são algumas das consequências do uso contínuo do cigarro. Para saber disso, basta olhar as embalagens dos produtos. O aviso está lá, para quem quiser ver.

Mas, por muito tempo, as coisas foram bem diferentes. Logo quando as empresas conseguiram viabilizar uma maneira de produzir grandes quantidades de cigarros, cresceu também a publicidade em torno do produto. Com isso, o cigarro virou uma moda entre os mais jovens. Era bonito fumar.

Hoje em dia, essa cultura perdeu muita força, já que as campanhas de conscientização contra o uso de cigarro também evoluíram com o tempo. Fumar cigarro deixou de ser uma garantia de status social. Mas, nesse meio tempo, muitas pessoas acabaram se viciando e sofrendo graves consequências.

Porém, em meio à toda essa mudança cultural, surgiu um novo produto: o cigarro eletrônico. Diferente do convencional, ele não tem um cheiro desagradável, nem faz aquela sujeira toda. Pelo contrário, simples e prático, os pods e vapes possuem, inclusive, aroma de frutas e perfumes agradáveis. Algo que, automaticamente, gera uma desassociação com o cigarro convencional e todos os riscos em volta dele.

Mas, afinal, o cigarro eletrônico é realmente mais seguro que o convencional?

Apesar de ser proibido no Brasil, o cigarro eletrônico costuma ser facilmente encontrado. Quem frequenta bares, shows e festas, quase sempre se depara com alguém usando o produto. Por não dependerem de combustão, eles deixam de ofertar substâncias nocivas para o organismo. Alguns deles, dependendo do fabricante e do modelo, não possuem nem a nicotina. Mas, outros problemas podem aparecer.

As substâncias liberadas pelo cigarro eletrônico até podem ser diferentes daquelas que o cigarro comum emite, mas, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), elas também podem provocar enfisema pulmonar, câncer e problemas do coração.

“Diferentemente do cigarro convencional, que demora às vezes 20 ou 30 anos para manifestar doenças no usuário, o cigarro eletrônico, que prometia segurança, foi capaz de matar jovens rapidamente” explica a Dra. Jaqueline Scholz, médica especialista da SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) em ações contra o tabagismo.

Segundo a especialista, o cigarro eletrônico pode induzir o corpo a respostas inflamatórias perigosas. “Muitas vezes, quando a inflamação acontece na parede do endotélio, que recobre as artérias, ele pode ser lesionado e deflagrar eventos cardiovasculares agudos, como infarto e síndrome coronariana aguda”, diz.

“As substâncias presentes na fumaça do vape, se acumulam nas superfícies dos dentes e aderem ao esmalte, resultando no escurecimento da coloração que não sai na escovação. Isso tudo sem falar que a nicotina estimula a produção de melanina, que é responsável pelo surgimento das manchas escuras nas gengivas.” complementa a cirurgiã dentista e especialista em halitose, Dra. Bruna Conde.

Outras consequências graves que o cigarro eletrônico pode provocar, são as alterações neurológicas. Principalmente aqueles que possuem nicotina em sua fórmula. “O uso diário de cigarros eletrônicos baseados em cápsulas altera estados inflamatórios em vários órgãos do nosso organismo. Incluindo o cérebro, que ficará danificado ao querer recompensa com cigarros eletrônicos com várias substâncias aromatizantes agradáveis, associados a nicotina”, explica o Dr. Wanderley Cerqueira de Lima, neurocirurgião e neurologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Portanto, a recomendação geral dos especialistas é de que o uso do cigarro eletrônico, ou convencional, seja desincentivado. Os riscos para a saúde geral do organismo são imensos e não existe nenhum tipo de benefício.

Leia também