Pipoca de micro-ondas pode provocar Alzheimer? Especialistas comentam estudo

Pesquisa da USP identificou relação entre o alimento e substância ligada à doença. Entenda os efeitos da pipoca de micro-ondas

Saiba os verdadeiros riscos de comer pipoca de micro-ondas
Saiba os verdadeiros riscos de comer pipoca de micro-ondas - Rawpixel

por Felipe Bomfim
Publicado em 08/04/2022 às 12:00
Atualizado às 12:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP (Universidade de São Paulo) indicou que o consumo de pipoca de micro-ondas pode provocar Alzheimer. O estudo analisou o cérebro de 12 ratos que se dividiram em dois grupos: um tomou apenas placebo e o outro ingeriu diacetil – substância responsável por dar gosto amanteigado à pipoca de micro-ondas.

“Das 48 proteínas cerebrais que avaliamos após a exposição dos animais ao produto, 46 sofreram algum tipo de desregulação ou modificação em sua estrutura por conta do consumo prolongado do composto. Durante as análises, nós identificamos o aumento da concentração de proteínas beta-amiloides”, contou Lucas Ximenes, doutorando do IQSC e autor da pesquisa, ao Jornal da USP.

O grande problema é que as proteínas beta-amiloides, normalmente, são encontradas em pacientes com Alzheimer. Algo que gerou muita preocupação sobre os riscos que a pipoca de micro-ondas pode gerar para o organismo de quem a consome. No entanto, antes de mais nada, é necessário ter cautela.

Diacetil não é utilizado apenas na pipoca de micro-ondas

“Em primeiro lugar é muito importante frisar que o problema não está na pipoca e sim no abuso do composto chamado diacetil, que é o responsável por dar aroma e aquele gosto amanteigado na guloseima. Essa substância não é utilizada apenas nas pipocas de micro-ondas ou naquela que comemos no cinema. Ela é usada na indústria alimentícia de forma ampla, pois serve como conservante de vários alimentos. Além de ser o ingrediente que dá a cor e sabor”, explica o médico nutrólogo, Dr. Fernando Cerqueira, membro da Sociedade Brasileira para Estudos da Fisiologia (Sobraf).

De acordo com o especialista, o diacetil também pode ser encontrado em outros alimentos comuns do dia a dia, como iogurtes, leite e café. O problema da pipoca de micro-ondas é que, nela, a concentração da substância costuma ser maior.

“Não devemos demonizar a pipoca. É necessário ter em mente que o estudo é recente, mas vem de uma instituição séria. Então, precisamos manter a atenção. O que podemos fazer é o que sempre recomendo: não exagerar no consumo do produto e ingerir esporadicamente. É gostoso uma pipoca amanteigada? Claro que é, mas sem exageros. É esse exagero que pode causar danos sérios, tanto para o cérebro quanto para o corpo em geral”, completa o nutrólogo.

Entenda o Alzheimer

Apesar do diacetil ser facilmente encontrado na pipoca de micro-ondas e ter relação com o aumento de proteínas ligadas ao Alzheimer, o consumo moderado de alimentos com essa substância não tende a oferecer grandes riscos. Portanto, se você consome o produto esporadicamente, não existem motivos para pânico. O importante é não exagerar.

“A demência não surge de uma hora para outra e não é de evolução rápida como muitas pessoas pensam. Antes de um paciente ter sintomas e sinais da demência ou Alzheimer, ele apresenta alterações nos neurônios”, explica o Dr. Wanderley Cerqueira de Lima, neurocirurgião e neurologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Para o especialista, além de não exagerar no consumo de pipoca de micro-ondas e de outros alimentos industrializados que possuem diacetil, também é importante manter alguns hábitos para evitar o desenvolvimento de doenças como o Alzheimer. São eles:

  • Ter uma vida saudável;
  • Uma dieta regular;
  • Controlar a pressão e o colesterol;
  • Fazer atividade física;
  • Viver sem exageros.

“É o essencial para evitar demências. Isso inclui menos fumo, menos bebida alcóolica e menos produtos industrializados que contém muitos conservantes. O problema não é a pipoca de micro-ondas, que a população consome esporadicamente, e sim o exagero e o consumo sem limites”, finaliza o neurologista.

Nem toda pipoca de micro-ondas tem diacetil

No mercado brasileiro, existem várias marcas que produzem e vendem pipoca de micro-ondas. A Yoki, uma das principais marcas, informou que não utiliza diacetil na composição de seus produtos. Veja, abaixo, a nota enviada pela empresa:

A Yoki, marca líder no segmento de pipoca de micro-ondas no Brasil, informa que não utiliza diacetil na composição de suas pipocas micro-ondas. A Yoki investe em estudos e pesquisas, fabricando e promovendo alimentos seguros para que seus consumidores possam usufruir ao máximo de seus produtos, sem preocupações.

Leia também