Melasma: Doença crônica causada pela exposição solar tem tratamento

É possível controlar as manchas escuras na pele por meio da fotoproteção e aplicações de luzes

Mesmo nos dias nublados ou com chuva é essencial o uso do filtro solar
Mesmo nos dias nublados ou com chuva é essencial o uso do filtro solar - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 27/05/2021 às 13:03
Atualizado às 13:03

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Você já ouviu falar no melasma? É uma doença crônica que provoca manchas escuras na pele, principalmente no rosto, mas pode afetar os braços, pescoço e colo. Na maioria dos casos ela atinge mais mulheres do que os homens e está relacionada à diversos fatores, como o uso de anticoncepcionais, gravidez e principalmente à exposição solar.

Para entender melhor sobre o assunto, o SD conversou com a Dra. Daniela Hueb.

Segundo a médica, os raios ultravioleta estimulam a atividade dos melanócitos, ou seja, células especializadas na produção de melanina, pigmento que confere cor à pele e a melanose gera o acúmulo de melanina nos tecidos. 

“As pesquisas mostram que a radiação ultravioleta produz uma “luz invisível”, que o olho humano não consegue captar, mas que pode provocar alterações na produção de melanina. Raios X, micro-ondas, infravermelho, raios gama produzem igualmente um tipo de luz e ela pode causar aumento na pigmentação característica do melasma e alterar as fibras de colágeno nas pessoas predispostas”.

Essa luz é uma forma de radiação eletromagnética relacionada com a percepção das cores, que os seres humanos conseguem distinguir a olho nu. Outros exemplos desse tipo de radiação é a luz emitida pela tela do computador, tablet, celular e da TV e também pelos raios laser ou pelas lâmpadas fluorescentes.

Como prevenir?
A maior prevenção para o melasma é a proteção solar. As medidas de proteção devem ser realizadas diariamente, mesmo que o dia esteja nublado ou chuvoso. Por esse motivo, é essencial o uso de protetor solar, além de chapéus, bonés, óculos escuros, sombrinhas e guara-sóis. “Qualquer medida que evite a exposição solar  em excesso da região do rosto ou pescoço deve ser feita”, explica

Tem cura?
Não existe cura. Os tratamentos variam, mas sempre compreendem orientações de proteção contra raios ultravioleta e à luz visível, que deve ser redobrada quando se inicia o tratamento. “As terapias disponíveis são o uso de medicamentos e procedimentos para o clareamento".

"Os mais realizados são os peelings, fotoproteção e aplicações de luzes ou lasers”, finaliza a Dra. Daniela Hueb.

É importante destacar que o tratamento do melasma é capaz de prevenir  um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte.

Consultoria: Dra. Daniela Hueb - CRM 96027 - SP

Leia também