Olimpíadas aumentam o interesse do brasileiro pela prática de esportes; entenda

Especialistas falam sobre os cuidados necessários antes de começar a fazer algum exercício físico

Após o ouro de Ítalo Ferreira (surfe) e Rayssa Leal (skate) aumentou o interesse por esportes radicais
Após o ouro de Ítalo Ferreira (surfe) e Rayssa Leal (skate) aumentou o interesse por esportes radicais - Instagram: @italoferreira e @rayssalealsk8

por Julia Natulini
Publicado em 04/08/2021 às 09:48
Atualizado às 10:30

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Com os olhos o dia todo na TV acompanhando a performance dos atletas medalhistas do Brasil nas Olimpíadas de 2021, os brasileiros vêm demonstrando grande interesse na prática de esportes, o que pode ser observado pelo engajamento do assunto nas redes sociais.

A OLX registrou que a busca por pranchas de surfe aumentou em 40% após o ouro de Ítalo Ferreira. Já a conquista da medalha de prata pela jovem Rayssa Leal, no skate, aumentou o interesse por esportes radicais. Segundo dados publicados pelo GetNinjas, as buscas por aulas de skate aumentaram 165% em julho, em comparação com o mês anterior. 

Que praticar esporte é saudável, todo mundo sabe. Mas em um cenário de pandemia, no qual as pessoas foram obrigadas a reduzir as idas às academias, aos parques e às quadras de esportes, é necessário considerar a importância de se fazer check-ups e avaliações pré-esportivas para evitar problemas sérios. 

Segundo a Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista do Esporte e professora do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro (Unisa), “é essencial a avaliação geral da saúde antes de iniciar qualquer atividade física, e o ideal é que ela seja feita por um médico que tenha familiaridade com essa prática.

Além de avaliar o estado do indivíduo, isto é se ele está apto ou não a realizar determinado esporte, procuramos sempre alguma doença que pode levar a morte súbita desencadeada pela atividade física”.

Em casos de pessoas que nunca praticaram exercícios, o corpo automaticamente aumenta o trabalho, frequência cardíaca e pressão do organismo para de fato, compensar esse esforço. “Por essa razão, é solicitado exame físico com histórico detalhado do paciente, pois cada caso terá uma investigação.

O check up deve ser realizado uma vez ao ano com retorno antecipado caso tenha algum sintoma, como tonturas, palpitações e dores no peito”, destaca a Dra. Nicolle Queiroz. Exercícios recomendados para iniciantes:

É importante manter uma boa saúde vascular, logo, exercícios, como correr, pular corda ou até mesmo tentar malhar em casa já é um bom começo para o corpo esquentar e se acostumar. Para os mais experientes, com a falta de pesos, o ideal é buscar exercícios que possam ser feitos com o peso corporal, buscando fazer o movimento até a ‘falha’.

De acordo com a Dra. Marcella Garcez, nutróloga, “no caso das flexões de braço e agachamentos, pode ser variado o estímulo, utilizando técnicas de ‘tempo’ e isometria, mantendo o músculo acionado por mais tempo”.

Em vez de simplesmente agachar e voltar ao normal, tentar segurar nessa posição por 20, 30, 45 segundos ou 1 minuto por ser mais eficiente. “Após o término do exercício também há a necessidade da ingestão de carboidratos para a reposição de glicogênio muscular e hepático”, diz a médica.

Os vegetais também são importantes, porque contêm vitaminas e minerais, que ajudam na recuperação do organismo depois dos exercícios. Lembre-se também de ter um bom descanso. “Dormir as 8 horas por dia é indispensável. Além de ajudar a manter a massa magra e regenerar as fibras musculares, o organismo precisa desse descanso reparador para a manutenção das respostas imunes”, finaliza a Dra. Marcella.

Consultorias: Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista do Esporte e professora do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro, e Dra. Marcella Garcez, nutróloga, mestre em Ciências da Saúde pela PUC-PR.  

Leia também