Gripe: entenda por que essa doença é mais comum no inverno

Segundo especialista "as crianças são as mais afetadas nessa época do ano devido a imunidade"

"Por conta da maior circulação dos vírus e bactérias, os pequenos tendem a sofrer mais com a doença no frio"
"Por conta da maior circulação dos vírus e bactérias, os pequenos tendem a sofrer mais com a doença no frio" - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 26/07/2021 às 13:03
Atualizado às 13:56

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

É comum no inverno as pessoas sofrerem com a gripe e sentirem sintomas como mal-estar, dores de cabeça e no corpo, febre, falta de ar, fraqueza muscular e cansaço. Durante essa época do ano, é essencial se proteger contra essa doença, inclusive para evitar que piore e se transforme em alguma infecção respiratória. 

De acordo com o Dr.  Antônio Ganme, infectologista e coordenador da UTI da Rede D’Or, quando a gripe não é tratada pode se transformar em pneumonia, pois acumula secreção na via respiratória, ou seja, ela se torna um meio para as bactérias.

“Pelo menos uma vez no ano as pessoas se queixam da gripe, principalmente no frio, pelo fato de se aglomerarem mais em ambientes mal ventilados, fecharem as janelas dos transportes coletivos, restaurantes e até mesmo em casa, com isso facilita a transmissão do vírus nesses locais”, destaca o infectologista. 

Já para outro especiaslita, o Dr. Alexandre Okamori, alergologista pediátrico da Rede de Hospitais São Camilo, as crianças são as mais afetadas durante o inverno, devido ao sistema imunológico estar em desenvolvimento.

Mas, segundo ele, não há no inverno uma característica específica que prejudique o sistema imunológico em si. "O que ocorre, é uma maior circulação dos vírus e bactérias, que acabam afetando principalmente os pequenos, com baixa imunidade".

"Algumas infecções virais também são responsáveis por causar um período transitório de déficit na imunidade, isto é uma porta de entrada para as infecções bacterianas", esclarece.

Confira dicas para manter a imunidade em dia nessa época do ano

- Adeque a alimentação da criança 

Uma alimentação balanceada, que tem como base alimentos naturais como frutas, legumes, verduras e carnes magras é fundamental para uma vida saudável, em qualquer idade.

Garanta o consumo de todas as vitaminas e nutrientes necessários para o desenvolvimento infantil.

- Incentive a prática de atividades físicas 

A prática de exercícios, sempre adequada à faixa etária da criança, também ajuda na prevenção de doenças. As atividades físicas, em geral, ajudam a regular o sono e o apetite dos pequenos, além de favorecerem as condições respiratórias.

- Não atrase ou abra mão de vacinas 

Manter a carteira vacinal em dia é fundamental para melhorar a imunidade da criança e reduzir a ocorrência de diferentes tipos de doenças.

O uso dos medicamentos certos para o tratamento de gripes e resfriados, como os antigripais líquidos, é uma outra medida importante para reduzir a ocorrência destas doenças, somando-se às vacinas.

E, no dia a dia, é possível melhorar a rotina para evitar infecções virais e bacterianas?

Semelhantes aos cuidados com a transmissão da Covid-19, para o caso de gripes e outras síndromes gripais as recomendações dos especialistas são categóricas:

- Apostar em ambientes bem arejados e com circulação de ar, independente das temperaturas;

- Evitar aglomerações;

- Lavar as mãos.

Já no que diz respeito aos alérgicos, vale ainda limpar bem o ambiente e lavar roupas que estejam muito tempo guardadas antes de colocá-las para uso, evitando contato com a poeira.

“Por essa razão, é essencial tomar a vacina contra a gripe uma vez no ano, ainda no outono que antecede a estação do ano mais propensa a doença. Os grupos prioritários são os idosos (já tem uma deficiência imunológica) e crianças principalmente antes dos três anos, que tem o sistema imunológico ainda imaturo”, finaliza o Dr. Antônio Ganme, infectologista.

Consultorias: Dr. Antônio Ganme, infectologista e coordenador da UTI da Rede D’Or e
Dr. Alexandre Okamori, alergologista pediátrico da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.

Leia também