Caso André Marques: entenda a reação do corpo após uma picada de inseto

É importante prestar atenção se afetou a pele, sistema respiratório, gastrointestinal e cardiovascular ou até mesmo a febre

O apresentador do reality mostrou o tamanho do inseto em seu Instagram e disse que estava com muita dor
O apresentador do reality mostrou o tamanho do inseto em seu Instagram e disse que estava com muita dor - Reprodução/Globoplay e Instagram André Marques

por Julia Natulini
Publicado em 19/05/2021 às 17:01
Atualizado às 19:23

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

O apresentador André Marques, do programa ‘No Limite’, foi picado por uma vespa durante as gravações do reality no litoral do Ceará e revelou que sentiu muitas dores após o incidente.

Para entender como o corpo reage a uma picada de marimbondo, a Dra. Isabela Faiad Leiva, dermatologista da clínica Landecker, explicou para o Saúde em Dia sobre o assunto.

Segundo a médica, as picadas podem ocasionar quatro tipos de reações, como as locais, locais extensas, sistêmicas ou anafiláticas -- que estão relacionadas a reações imunológicas e tóxicas. “As reações locais menores estão relacionadas às propriedades farmacológicas do veneno. Esse tipo de reação se manifesta com vermelhidão e edema local, e na maior parte dos casos se resolve em horas. Já as reações graves variam de acordo com a idade do indivíduo, pré-existência de doenças cardiovasculares e também tem a ver com a quantidade de veneno que o inseto atingir", explica.

O apresentador do reality mostrou o tamanho do inseto em seu Instagram e disse que estava com muita dor.  “No caso do André Marques é importante prestar atenção se afetou a pele, sistema respiratório, gastrointestinal e cardiovascular ou até mesmo a febre, que se inicia em poucos instantes após a picada. Se depois de horas e dias a pessoa não sentir alteração alguma, é porque está tudo bem”, ressalta a Dr. Isabela Falad Leiva.

A dermatologista esclarece ainda que para as reações locais, quando o ferrão ainda estiver presente, deve ser removido cuidadosamente, sem comprimir a região com o objetivo de evitar a injeção adicional do veneno. Em seguida, a região deve ser lavada com água e antisséptico. Normalmente, após esses cuidados os sinais e sintomas desaparecem espontaneamente.

Consultoria: Dra. Isabela Faiad Leiva, dermatologista da clínica Landecker

Leia também