Ciclo menstrual e treino: como adaptar o exercício de acordo com o momento

Ginecologista revela que é possível manter a motivação mesmo com as alterações hormonais provocadas pelo ciclo menstrual

Ciclo menstrual provoca alterações hormonais no corpo
Ciclo menstrual provoca alterações hormonais no corpo - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 06/04/2022 às 11:00
Atualizado às 11:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Hoje, dia 06 de abril, é o Dia Mundial da Atividade Física. Uma data criada para alertar as pessoas sobre os riscos que o sedentarismo pode provocar para a saúde e o bem-estar. Afinal, a prática regular de exercícios é capaz não apenas de queimar o excesso de gordura corporal e aumentar o nível de massa muscular do organismo, como também pode fortalecer o sistema imunológico, a saúde mental e diversos outros fatores fundamentais para uma vida saudável.

No entanto, especificamente no caso de algumas mulheres, a disposição para realizar atividades físicas pode ser comprometida de acordo com o ciclo menstrual. Isso acontece por causa de algumas alterações hormonais que tendem a interferir diretamente na vida fitness.

“Ao longo de cada uma das fases que compõem o ciclo menstrual, a mulher apresenta flutuações nos níveis hormonais que podem gerar um impacto físico e mental, fazendo com que se sinta mais ou menos disposta para realizar certas atividades dependendo do período do mês. O que é especialmente verdade quando o assunto é a prática de atividades físicas”, explica o ginecologista e obstetra, Dr. Fernando Prado, membro da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM).

Segundo o especialista, no entanto, para as mulheres que sofrem com as mudanças frequentes do ciclo menstrual, existem alguns ajustes de treino que podem facilitar a vida fitness, mesmo durante os momentos mais críticos. Confira como adaptar a atividade física de acordo com o momento:

Pré menstrual. Sintomas como irritabilidade, cansaço, dor de cabeça, desânimo, retenção de líquidos e prisão de ventre são comuns nessa fase, o que faz com que a mulher se sinta desmotivada para praticar as atividades físicas. Mas,o recomendado é realizar exercícios mais tranquilos, como ioga ou pilates, justamente para ajudar na recuperação do organismo e na melhora do bem-estar”, aconselha o médico.

Menstrual. Por essa fase ser caracterizada por baixos níveis de progesterona e estrogênio, a mulher pode apresentar sintomas como cansaço, cólicas e, consequentemente, indisposição física. Logo, recomenda-se a realização de exercícios mais leves e com carga reduzida, que, inclusive, contribuem para diminuir o desconforto abdominal”, afirma o Dr. Prado.

Pós menstrual. Fase onde ocorre um aumento da liberação de estrogênio e noradrenalina. “Esses hormônios melhoram a motivação e o desempenho durante as atividades físicas, sendo interessante, então, aproveitar essa fase para realizar exercícios físicos mais intensos, principalmente envolvendo treinos de força e resistência aeróbica, como a corrida e a musculação”, diz.

Período fértil.“É nesse período em que a mulher tem mais chances de engravidar e, por isso, a produção de progesterona aumenta e a de estrogênio é reduzida, o que pode reduzir a força e a concentração, mas a disposição e a energia se mantêm. Logo, é possível seguir com os exercícios praticados durante o período pós-menstrual, somente com redução na carga e intensidade”, explica o ginecologista.

Por fim, vale lembrar que essas são apenas recomendações genéricas e que podem sofrer alterações de acordo com a individualidade de cada um. Ou seja, o seu caso pode ser diferente da condição enfrentada pela maioria das mulheres. Por isso, ao menor sinal de desconforto ou problemas para seguir com as atividades físicas durante o ciclo menstrual, o mais recomendado é procurar uma avaliação de um profissional devidamente capacitado.

O ginecologista pode ser um grande auxílio nesse processo, ajudando a identificar qualquer alteração importante no ciclo e dando recomendações específicas para o seu caso. Por isso, procure realizar consultas regulares ao médico”, finaliza o Dr. Prado.

Leia também