Disco menstrual: 10 mitos e verdades sobre o acessório sustentável

Obstetriz explica que pode ser usado durante relações sexuais com penetração durante a menstruação

Aposte no disco menstrual!
Aposte no disco menstrual! - Reprodução / Instagram @inciclo @eco.beautys

por Beatryz Gaia
Publicado em 17/09/2021 às 13:00
Atualizado às 13:00

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Mesmo sabendo que a saúde intima feminina ainda é cercada de diversos tabus, a população está cada vez mais aberta a discussão sobre menstruação, princialmente sobre a sua sustentabilidade. Entre coletores e calcinhas de pano, outro acessório que está fazendo o maior sucesso (e gerando menos lixo) é o disco menstrual.

Ele é uma espécie de coletor no formato de disco que oferece algumas vantagens em relação à versão tradicional. Mas, no geral, esses acessórios visam gerar menos lixo em decorrência do uso de absorventes descartáveis.

Poucos sabem, mas durante sua vida, a pessoa pode acumular cerca de 200 quilos de lixo somente em absorventes descartáveis. Noventa por cento desse material é plástico e demora mais de 400 anos para se decompor, segundo o Instituto Akatu.

Sendo assim, para entender melhor como o disco funciona no organismo, com ajuda de Mariana Betioli, obstetriz e fundadora da Inciclo, vamos desvendar 10 mitos e verdades sobre o item. Confira:

1- O disco menstrual permite sexo com penetração

VERDADE - Esse assessório oferece os mesmos benefícios do coletor menstrual. Com ele, é possível dormir, ir à praia, entrar no mar e fazer atividades físicas sem se preocupar com vazamentos. Porém, o diferencial é que o coletor menstrual é inserido na entrada do canal vaginal; já o disco menstrual fica posicionado mais ao fundo, encaixado no colo do útero.

Segundo Mariana, já que o canal vaginal está ‘livre’ com o disco menstrual, ele permite relações sexuais com penetração. "Na hora da transa, nem a pessoa e o parceiro ou parceira vão sentir que o disco está sendo utilizado”, afirma.

2- O disco menstrual alarga o canal vaginal

MITO - Poucos sabem, mas canal vaginal é extremamente elástico. Aliás, a vagina é toda enrugada por dentro justamente para poder se expandir. Dessa forma, um objeto como o disco menstrual não teria capacidade de alargá-lo.

“A vagina se expande durante o sexo, durante o parto e sempre que colocamos qualquer objeto dentro dela, mas ela sempre volta ao tamanho original”, explica Mariana.

3- Pode usá-lo por até 12 horas

VERDADE - O item sustentável pode ser usado por até 12 horas e coletar até 40ml de sangue. De acordo com Mariana, não é só durante a relação sexual que você pode usar o disco menstrual. Pode usar durante todo o seu ciclo!

4- O item pode ficar preso na vagina

MITO - Essa é uma dúvida muito comum, mas não precisa se desesperar! Algumas pessoas pensam que o disco pode sumir ou ficar "navegando" pelo seu corpo, o que é mentira.

Mariana explica que, quando estamos excitadas, o canal "aumenta", ou seja, ele se estende, mas depois volta ao normal. “Em média, o canal vaginal possui entre 7 e 10 cm, quando a mulher não está excitada. Por isso, dá para alcançar com os dedos qualquer objeto de uso interno”, aponta.

5- O material do disco aumenta o risco de alergias

MITO - Existem discos menstruais de diversos materiais, mas é muito importante dar uma pesquisada e escolher produtos de boa procedência. O ideal é que o item seja fabricado com silicone hipoalergênico, indicados para mulheres com tendência a desenvolver alergias.

“Absorventes internos, se utilizados por muito tempo, podem ocasionar a Síndrome do Choque Tóxico, então devem ser trocados com frequência", clarifica. "Quando inseridos no canal vaginal, ainda acabam sugando não só o sangue, mas também toda a umidade da vagina, desregulando o pH e favorecendo a proliferação de fungos e bactérias indesejadas. Já os externos podem causar alergias e irritações", aclara Mariana.

No entanto, a obstetriz esclarece que esse modelo descartável de absorventes internos abafam a região íntima e o sangue que fica em contato com a vulva começa a entrar em decomposição, o que aumenta o risco de infecções.

6- É possível usar disco menstrual e DIU em simultâneo

VERDADE - Sim, é possível usar o absorvente sustentável mesmo que tenha o método anticoncepcional DIU. De acordo com Mariana, o DIU fica posicionado no útero, enquanto o disco fica em volta do colo do útero. "Basta prestar atenção e ter cuidado na hora de tirar o disco menstrual para ver se não está puxando os fios do DIU junto”, enfatiza.

7- Disco menstrual pode dar cólica

MITO - As cólicas menstruais estão relacionadas com as contrações do útero e a especialista ressalta que o disco menstrual não tem esse poder. De acordo com Mariana, a cólica é uma contração do útero para expelir o sangue menstrual, então o fato de estar com o disco ou mesmo com o coletor, não vai interferir.

8- Não é preciso tirar o disco para urinar

VERDADE - Como o disco menstrual fica no canal vaginal, ele não impede a passagem de xixi pela uretra. 

9- O disco menstrual é uma opção mais econômica aos absorventes

VERDADE - Pensa em economizar? Aposte no disco menstrual! Além de ser mais sustentável, é uma opção bem mais econômica, visto que o item vai durar por anos. “Se, à primeira vista, o seu preço médio de 85 reais chega a assustar, é só botar na ponta do lápis para perceber que o disco vale a pena", explica a obstetriz.

De acordo com Mariana, em média, as mulheres gastam quase 10 mil reais em absorventes descartáveis. Usando o disco menstrual, a economia é de 125 reais logo no primeiro ano.

10- Disco ajuda a mulher a compreender melhor o seu ciclo 

VERDADE - Segundo Mariana, a menstruação acompanha as mulheres desde muito novas, e contar com uma alternativa eficaz, que as ajudem a fazer as pazes com o ciclo menstrual, faz com que essa fase do mês seja muito mais agradável.

"Quando a mulher usa o disco menstrual acaba conhecendo melhor a sua anatomia e também passa a perceber melhor seus desejos e sua libido, já que a relação sexual durante a menstruação pode ser mais espontânea”, finaliza Mariana.

Fonte: Mariana Betioli, obstetriz e fundadora da Inciclo.

Leia também