Equilíbrio hormonal: 4 dicas para regular os hormônios

Especialista esclarece dúvidas sobre o equilíbrio hormonal e dá dicas imprescindíveis para manter os hormônios, e todo o organismo, sempre em harmonia

Equilíbrio hormonal: 4 dicas para regular os hormônios
Equilíbrio hormonal: 4 dicas para regular os hormônios - Shutterstock

por Milena Vogado
Publicado em 02/06/2022 às 10:00
Atualizado às 10:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Os hormônios são substâncias químicas super importantes para o controle e bom funcionamento do organismo. Eles são produzidos pelas glândulas do sistema endócrino e lançados na corrente sanguínea, cada um com uma tarefa específica em diferentes partes do nosso corpo. Por isso é tão importante eles estarem regulados, em pleno funcionamento.

O Dr. Fernando Cerqueira, médico formado pela UninCor com especialização em Nutrologia pela ABRAN, esclarece as principais dúvidas sobre os hormônios e dá dicas para mantê-los sempre regulados. Confira!

Quais os principais hormônios e para que servem

Como destaca o Dr. Fernando, os hormônios são essenciais e importantes para regular nosso corpo. Isso porque eles impactam em tudo: no crescimento e desenvolvimento geral do corpo, no sono, nos níveis de humor e estresse, na temperatura corporal, no metabolismo e por consequência no apetite, nos ciclos reprodutivos e na vida sexual, e até mesmo na frequência cardíaca.

O nutrólogo listou os principais hormônios do corpo humano:

  • Hormônio do crescimento (GH): como o próprio nome diz, é responsável pelo crescimento do nosso corpo à medida que promove o desenvolvimento da massa muscular e do alongamento dos ossos.
  • Antidiurético (ADH): controla a excreção de água no corpo, administrando a pressão sanguínea e o volume de urina armazenado na bexiga.
  • Tiroxina (T4): atua em conjunto com a tri-iodotironina (T3) e desempenha importantes funções, como regulação do metabolismo e batimentos cardíacos, desenvolvimento e crescimento do corpo, além da manutenção do peso corporal.
  • Adrenalina: atua no sistema nervoso com a finalidade de preparar nosso corpo para momentos de tensão e estresse.
  • Insulina: é responsável por controlar a taxa de glicemia no sangue, aumentando a captação de glicose pelas células e inibindo a utilização de ácidos graxos.
  • Progesterona: é o hormônio sexual feminino e possui relação direta com a menstruação, fecundação, transporte e implantação do óvulo fertilizado, além de preparar o corpo para receber uma gestação.
  • Testosterona: presente em homens e mulheres, a testosterona é responsável pelo desenvolvimento de características como voz grossa, crescimento de pelos, músculos etc. Além das características sexuais dos homens.

Sinais de desequilíbrio hormonal

“Existem muitos sinais e  sintomas de desequilíbrio hormonal que dependem de quais glândulas e hormônios estão com sua função desregulada”, afirma o especialista. De acordo com o Dr. Fernando, os mais comuns geralmente incluem:

  • Ganho ou perda de peso inexplicável
  • Sudorese inexplicável ou excessiva
  • Dificuldade para dormir
  • Alterações na sensibilidade ao frio e calor
  • Pele muito seca ou erupções cutâneas
  • Alterações na pressão arterial
  • Alterações na frequência cardíaca
  • Ossos frágeis
  • Alterações na concentração de açúcar no sangue
  • Irritabilidade e ansiedade
  • Fadiga inexplicável e a longo prazo
  • Aumento da sede
  • Depressão
  • Dores de cabeça

O desequilíbrio hormonal pode acontecer com mais frequência em algumas fases como a puberdade, durante a menstruação, a gravidez e também a menopausa, como explica o nutrólogo. “Mas algumas pessoas podem ter desequilíbrios hormonais frequentes que podem ser causados por fatores externos, como o uso de medicações, estresse, alimentação desregulada, sedentarismo,  fumo, obesidade e também por problemas no sistema endócrino”, acrescenta.

De acordo com o Dr. Fernando, o desequilíbrio hormonal pode alertar que a produção de um ou mais hormônios está fraca. Ou então significa que eles não estão chegando corretamente à corrente sanguínea, de forma que o sangue os leve às células receptoras para que o organismo funcione da maneira certa.

Na falta de um hormônio ou quando ele não está funcionando como deveria, como é o caso da menopausa, há a possibilidade de reposição hormonal, como indica o especialista. “Mas essa é uma decisão entre médico e paciente. A reposição envolve uma busca detalhada do histórico médico do paciente e  apenas o médico munido de exames pode indicar ou não os hormônios sintéticos”, completa.

O Dr. Fernando destaca que por isso é tão importante procurar um médico de confiança e realizar exames clínicos pelo menos uma vez por ano para que um monitoramento dos hormônios seja feito e, assim, a saúde esteja sempre em dia. “Lidar com hormônio é coisa séria e só um profissional experiente pode orientar o paciente”, destaca.

4 dicas para equilibrar os hormônios

O nutrólogo finaliza com quatro dicas muito eficientes no equilíbrio hormonal:

  1. Fazer atividade física
  2. Ter uma boa noite de sono
  3. Diminuir o consumo de açúcar e carboidratos
  4. Administrar o estresse

Fonte: Fernando Cerqueira, médico formado pela UninCor com especialização em Nutrologia pela ABRAN

Leia também