Dia Nacional do Diabetes: Confira os sintomas da doença

O endocrinologista, Dr. Thulio Coelho fala sobre os riscos da Covid-19 para os diabéticos

Segundo o endocrinologista geralmente pacientes com o Diabetes possuem a glicemia entre 100-120 mg/dl
Segundo o endocrinologista geralmente pacientes com o Diabetes possuem a glicemia entre 100-120 mg/dl - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 26/06/2021 às 10:00
Atualizado às 11:44

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Dia 26/6 é celebrado o Dia Nacional do Diabetes, doença que ocorre devido ao aumento da glicemia (taxa de glicose) no sangue e causa uma série de malefícios à saúde. Para esclarecer o assunto o SD conversou com o Dr. Thulio Coelho, endocrinologista da clínica Viva La Vie. 

"O paciente pode sentir alterações da retina, provocando diminuição da acuidade visual e em alguns casos causa cegueira, alteração da função renal devido à microlesões, lesões em neurônios periféricos e consequentemente diminuição da sensibilidade dos pés e aumento de risco de infecção graves", explica.

Muitas pessoas têm dúvidas se existe cura para a doença e segundo o médico isso varia de acordo com o tipo de diabetes. “A mais comum é o diabetes tipo 2 que se manifesta devido à diminuição da entrada de açúcar nas células e nesse caso o pâncreas não é afetado. Esse tipo de diabetes representa cerca de 90% dos pacientes.

Já o mellitus tipo 1 a cura é possível, uma vez que o tratamento feito corretamente por meio de medicamentos hipoglicemiantes orais em conjunto com a prática de atividade física regular e alimentação balanceada pode controlar a doença.

Quais as diferenças entre o diabetes mellitus tipo 1 e 2 ?

A principal diferença entre os dois tipos de diabetes se resume a causa da doença, uma vez que o tipo 1 tem origem autoimune, ou seja, os anticorpos da própria pessoa são capazes de agredir as células produtoras de insulina. Na maioria dos casos se manifesta na infância ou adolescência. O tipo 2 se desenvolve devido à uma influência genética por conta da obesidade e sedentarismo que representa 90% dos casos por conta das alterações no estilo de vida. 

Além disso, estamos numa luta contra à Covid-19 e no caso dos pacientes pré-diabéticos ou diabéticos a diminuição da imunidade se dá na maioria das vezes de maneira silenciosa. Esses indivíduos que geralmente possuem a glicemia entre 100-120 mg/dl têm a imunidade afetada e no caso de infecções virais os riscos de piora do quadro clínico é muito maior comparada a pessoas saudáveis”, explica.

O Dr. Thulio Coelho, ressalta ainda que não há necessidade de tomar nenhum medicamento ou suplemento para evitar a pré-diabetes, mas praticar exercícios físicos de maneira regular, pelo menos 3 vezes na semana e uma dieta com redução de alimentos industrializados, processados e açúcares refinados.   

Consultoria: Dr. Thulio Coelho, endocrinologista da clínica Vive La Vie.

Leia também