Fertilização in vitro de Nanda Costa e Lan Lanh; entenda

Especialistas em reprodução humana assistida esclarecem dúvidas sobre esse tipo de tratamento

No último domingo (27/6) a atriz Nanda Costa (34 anos) anunciou que está grávida de gêmeas.
No último domingo (27/6) a atriz Nanda Costa (34 anos) anunciou que está grávida de gêmeas. - @nandacosta

por Julia Natulini
Publicado em 28/06/2021 às 18:18
Atualizado às 13:00

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

A ciência e a medicina reprodutiva estão ajudando cada vez mais mulheres independentes e casais homoafetivos a realizarem o sonho de ter um filho. Após congelar óvulos, procedimento que preserva a fertilidade de mulheres entre 30 e 35 anos, que ainda não sabem se querem engravidar.

No último domingo (27/6) a atriz Nanda Costa (34 anos) anunciou que está grávida de gêmeas, ao lado de sua parceira, Lan Lanh (53 anos), elas optaram pela fertilização in vitro para a gestação.

Segundo a Dra. Camila Sampaio, especialista em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida, a inseminação artificial é um tratamento de baixa complexidade, onde o embrião é formado dentro do corpo da mulher, portanto o encontro do óvulo e do espermatozoide acontece nas trompas, ou seja, é realizado a colocação desses espermas por meio de um cateter fino no interior do útero durante o período fértil da mulher.

“Já a fertilização in vitro, que é o caso da Nanda Costa e Lan Lanh, uma das parceiras faz uso de medicamentos para a estimulação ovariana e ultrassonografias para monitorar o crescimento folicular, ou seja, a produção de óvulos e então o sêmen de um doador é transferido para o útero para continuar seu caminho da fecundação do óvulo. Nesse caso, a chance de engravidar varia de 15% a 18% em cada procedimento.

Se o casal homoafetivo for do sexo masculino os óvulos devem ser doados e implantados em uma mulher que cederá o útero, seguindo as mesmas regras estabelecidas pelo CFM (Conselho Federal de Medicina).”, explica.

Com o intuito de entender quanto tempo demora para conseguir a gravidez, o SD conversou com outros especialistas. 

Segundo a Dra. Paula Fettback, ginecologista, doutora em obstetrícia e ginecologia pela Faculdade de Medicina da USP,  "desde a primeira consulta até o início do tratamento em si, geralmente demora em torno de dois a três meses, uma vez que precisa solicitar e analisar todos os exames específicos, além de utilizar vitaminas e eventuais medicações antes do início do processo em que é feita a indução da ovulação (injeções hormonais para estimular a formação de óvulos).

“No mesmo dia que os óvulos são coletados, é realizado no laboratório a fertilização in vitro propriamente dita, ou seja, injetando em cada óvulo viável o espermatozoide. Então, os embriões se desenvolvem em laboratório por cinco a seis dias e chegam na fase que podem ser transferidos ao útero da mãe receptora.

"Caso a mãe que receberá ou os embriões estejam preparando já o útero após os 5 a 6 dias da coleta, mas na maioria das vezes congelamos os embriões e o transferimos ao útero após o preparo do endométrio em média 18 a 20 dias da menstruação. Após 10 dias da transferência o resultado do BHCG  (exame de sangue capaz de identificar se há a gravidez e de quanto tempo está)”, ressalta a Dra. Paula Fettback, ginecologista. 

O Dr. Matheus Roque, especialista em reprodução humana comenta que as chances da fertilização in vitro darem certo também está ligada è idade da mãe. "Apesar da receptividade do endométrio da mulher e a qualidade do embrião produzido serem fatores importantes, a idade da paciente é determinante para o sucesso da fertilização de gametas".

Por essa razão, o procedimento é indicado também para os casos de idade avançada. 

Fonte: PLoS ONE
Fonte: PLoS ONE


Além disso, muitos pensam que após o tratamento para engravidar a chance de nascer gêmeos são maiores. Mas, será que isso faz sentido?

O Dr. Matheus Roque,  especialista em reprodução humana explica que o índice de gestação gemelar é bem mais alto com técnicas de reprodução assistida (cerca de 25% do que com a reprodução natural (menos de 1%).

“Isso ocorre porque é comum tanto a indução hormonal da ovulação fazer com que a mulher libere mais de um óvulo e todos eles serem fecundados, quanto serem colocados mais de um embrião no útero durante o tratamento de FIV e mais de um deles se implantar e progredir adequadamente”, finaliza o médico.  

Dia do Orgulho LGBTQIA+
Nesse mês em que é celebrado o Dia Internacional do Orgulho LGBTQIA+, Ludmilla contou a revista Vogue que está planejando ainda sem data definida, uma gravidez compartilhada (um óvulo da cantora no útero da parceira) com Bruuna Gonçalves, sua esposa).

Instagram:@ludmilla 


Em uma viagem para Curaçao, ilha do Caribe, as duas renovaram os votos do casamento e estão decididas a aumentar a família. "Só queremos viver a nossa escolha, o nosso amor e ser felizes", disse a funkeira. Para saber mais sobre essa intimidade da cantora Ludmilla confira no Famosos e Celebridades.

Consultorias: Camila Sampaio Nicolau, especialista em Infertilidade Conjugal e Reprodução Assistida, Dra. Paula Fettback, ginecologista, especialista em fertilidade e o Dr. Matheus Roque, especialista em reprodução humana.  

Leia também