Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Desonestidade: entenda como age o cérebro de pessoas desonestas

Neurocientista revela o funcionamento do cérebro de pessoas desonestas. Segundo o especialista, a desonestidade apenas cresce com o tempo

Desonestidade: entenda como age cérebro de pessoas desonestas
Desonestidade: entenda como age cérebro de pessoas desonestas - Foto: Shutterstock

Você conhece alguém que usa da mentira para se sobressair de situações ou até para prejudicar outras pessoas? Bom, essas pessoas estão espalhadas em todos os lugares do mundo. A novidade é que esse comportamento que envolve a desonestidade nem sempre é apenas uma questão de caráter.

Razões por trás da desonestidade

De acordo com o PhD em Neurociências e Mestre em Psicologia, Fabiano de Abreu Agrela, a pessoa desonesta pode ser assim por uma questão de caráter ou por causa de um problema mental. “De certa forma, são pessoas que se tornam arrogantes pela própria desonestidade, para tentar balancear o prejuízo do peso de não ser honesto. Pois o certo e o errado está bem definido em nossa cultura e sociedade. Logo, o que destoa, torna-se um peso”, explica.

Segundo Fabiano, a arrogância está associada à inveja e à prepotência. Por isso, ver a honestidade de alguém, fere aos que não conseguiram conquistas através dessa maneira. “É como uma competição narcísica em que, a falta de capacidade de conseguir fazer o certo, faz odiar os que conseguem”, acrescenta.

O especialista afirma ainda que experimentos de imagens cerebrais conduzidos por Tali Sharot na University College London mostram que o cérebro se adapta ao comportamento desonesto. Os participantes mostraram atividade reduzida em seu sistema límbico à medida que contavam mais mentiras, apoiando a ideia de que cada mentira torna a mentira mais fácil.

Pessoas desonestas tendem a piorar cada vez mais

Neurocientificamente falando, a desonestidade aumenta com o tempo, explica o especialista. “Há muita atividade em regiões do cérebro associadas às emoções – a amígdala em particular. Com o tempo, quanto mais desonesto, essa região diminui a sua atividade. Mas isso não é bom, pois significa que o cérebro se moldou a essas circunstâncias. O cérebro tem a capacidade de se adaptar e tornar os estímulos menos intensos. Infelizmente, a adaptação torna mais fácil fazer algo ruim”, esclarece.

Conforme Fabiano, essa alteração também afeta a região frontotemporal fazendo com que o indivíduo distorça a razão a seu favor. Ou seja, segundo o professor, essa pessoa começa a não se importar com a mentira.

Advertisement

Você também vai gostar

Doenças

Mais de 65 milhões de pessoas possuem catarata em todo o mundo, a maioria idosos, e a única forma de tratar a condição é...

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias