Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Qualquer quantidade de álcool faz mal ao cérebro, mostra estudo

Estudo da Universidade de Oxford mostrou que não importa a quantidade e nem o tipo, em qualquer medida o álcool faz mal à saúde do cérebro

Qualquer quantidade de álcool faz mal ao cérebro, mostra estudo
Qualquer quantidade de álcool faz mal ao cérebro, mostra estudo - Foto: Shutterstock

Beber com moderação pode reduzir o número de acidentes de trânsito e outros problemas relacionados à embriaguez, mas não diminui o impacto do álcool na saúde. É o que mostra um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra. 

Os cientistas estudaram a relação entre o consumo auto-relatado de álcool de cerca de 25 mil pessoas no Reino Unido e suas varreduras cerebrais. Trata-se de um estudo observacional, que ainda não foi revisado por pares.

A pesquisa mostrou que o consumo de álcool tinha um efeito na massa cinzenta do cérebro – regiões cerebrais que constituem “partes importantes onde a informação é processada”, explica a autora principal Anya Topiwala, pesquisadora clínica sênior de Oxford. 

“Quanto mais as pessoas bebiam, menor era o volume de sua massa cinzenta.“O volume do cérebro diminui com a idade e mais severamente com a demência. O volume do cérebro diminuído também prediz pior desempenho nos testes de memória”, disse Topiwala à CNN.

O álcool demonstrou apenas uma pequena contribuição para isso (0,8%). No entanto, esse impacto é maior do que outros fatores de risco evitáveis – ao contrário do envelhecimento, por exemplo.

Qualquer tipo de álcool é prejudicial

Os pesquisadores também investigaram se certos padrões de consumo de álcool, tipos de bebida e outras condições de saúde fizeram diferença nos resultados. Foi assim que eles descobriram que não havia um nível “seguro” de bebida – o que significa que consumir qualquer quantidade de álcool era pior que não beber. Eles também não encontraram evidências de que o tipo de bebida influenciou nos danos causados ao cérebro.

No entanto, certas características, como pressão alta, obesidade ou consumo excessivo de álcool, podem colocar as pessoas em maior risco, acrescentaram os pesquisadores. “Tantas pessoas bebem ‘moderadamente’ e pensam que isso é inofensivo ou mesmo protetor”, disse Topiwala à CNN por e-mail. 

A pesquisadora destacou que a descoberta pode ajudar a prevenir danos cerebrais, o que é relevante para a saúde pública. Principalmente porque a ciência ainda não encontrou uma cura para as doenças neurodegenerativas.

Outros danos causados no organismo

Não é novidade que o consumo de álcool faz mal à saúde. Especialistas e autoridades médicas de todo o mundo alertam sobre os riscos da ingestão exagerada de bebidas alcoólicas – que agora sabemos que não precisa de muito para fazer mal. De acordo com profissionais de diferentes áreas da saúde, há pelo menos sete maneiras de o álcool impactar no funcionamento do organismo:

  1. Redução do metabolismo;
  2. Problemas de pele;
  3. Ressecamento, quebra e queda dos fios capilares;
  4. Infertilidade feminina;
  5. Problemas intestinais;
  6. Problemas circulatórios;
  7. Doenças orais.
Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias

Doenças

Casos de AVC e infarto aumentam entre 20% e 30% respectivamente durante o clima frio. Veja como se proteger no inverno