Esclerose: o que é, tipos e sintomas

A doença não possui relação com as causas de demências, podendo se manifestar em diferentes partes do corpo

Os principais tipos de esclerose e seus sintomas
Os principais tipos de esclerose e seus sintomas - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 30/03/2021 às 12:33
Atualizado às 12:33

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Ibope, cerca de 70% da população brasileira não sabe realmente o que é esclerose, associando um dos tipos, a esclerose múltipla (EM), ao envelhecimento. 

“Esclerose é um termo médico utilizado para definir aumento de tecido conjuntivo e endurecimento do órgão. Já as demências se manifestam por declínio cognitivo, levando a alterações de memória e comportamentais.”, diferencia o neurologista Drusus Perez.

Esclarecimentos sobre a esclerose 

Confira alguns tópicos sobre as características gerais daquilo que entende-se na literatura médica por esclerose:

O que é: o termo em si significa o endurecimento de algum órgão e vem do grego “skleros”, que significa duro. Entre as causas gerais desse problema estão a idade avançada, inflamações e doenças autoimunes, que podem levar a perda de elasticidade do tecido e causar alguma forma de esclerose.

Principais tipos: entre as mais conhecidas estão a esclerose múltipla (EM), a esclerose lateral amiotrófica (ELA), a esclerose sistêmica e a esclerose tuberosa.

A esclerose múltipla é uma doença autoimune, crônica e progressiva. Ou seja,  células do sistema de defesa atacam o sistema nervoso, causando lesões no cérebro e na medula.

Os sintomas mais comuns envolvem cansaço extremo, fraqueza nos membros inferiores e superiores, incontinência urinária e fecal e dificuldade de concentração. Em casos avançados, o paciente pode sofrer com problemas motores e dificuldade de fala. 

A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa, onde os neurônios responsáveis pelos movimentos dos músculos são destruídos, causando, de forma progressiva, a paralisia de braços, pernas e rosto. 

Considerada uma doença autoimune, a esclerose sistêmica causa endurecimento da pele, articulações e vasos sanguíneos. Os sinais mais clássicos da doença são  dificuldade para respirar, dormência nos dedos dos pés e das mãos e dor nas articulações.

A esclerose tuberosa, por sua vez,  é uma doença genética que causa o aparecimento de tumores benignos pelo corpo, podendo afetar rins, coração e cérebro. por exemplo. Os sintomas estão relacionados ao aparecimento dos tumores e podem ser variados, como  arritmia, inchaço nas mãos e pés, falta de ar e dor no peito, além de manchas na pele. 

Grupo de risco

Se comparado às causas de demência, as formas de esclerose costumam acometer indivíduos mais jovens - e a maioria não tem ligação ao envelhecimento. No caso da esclerose múltipla, por exemplo, é mais comum na faixa dos 20 a 40 anos e acomete mais mulheres do que homens.

Como diagnosticar?

Somo as formas de esclerose variam entre si, a avaliação médica é diferente. O risco é, em alguns casos, como na EM e na ELA, em que os pacientes levam cerca de oito meses entre o início dos sintomas e o diagnóstico, perder tempo no tratamento, fator importante para retardar a doença. 

“Atualmente, as escleroses ainda não possuem cura, apenas medidas e medicações de controle, mas há estudos avançando nesse sentido”, destaca a médica da família Cristiane Gussi.

Consultoria: Cristiane Gussi, médica da família; Drusus Perez, neurologista.