Parosmia: quanto dura a perda de olfato pós-Covid-19 e como tratar

Otorrino explica o que acontece com o nariz de quem desenvolve o problema após infecção por coronavírus. Entenda a parosmia

Parosmia tem tratamento
Parosmia tem tratamento - Shutterstock

por Redação SD
Publicado em 02/02/2022 às 14:00
Atualizado às 14:00

Facebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

A parosmia é uma disfunção que dificulta a identificação correta dos cheiros. Ou seja, o paciente com esse distúrbio pode se confundir ou até mesmo perder o olfato por um determinado tempo.

De acordo com o médico otorrinolaringologista, Dr. Márcio Nakanishi, esse problema era pouco frequente antes da pandemia. No entanto, como a parosmia é uma das principais sequelas de Covid-19, ela acabou tornando-se comum. "No nosso sistema olfatório existem receptores chamados de ACE 2, e o Covid tem uma chave, as espículas, que se encaixam exatamente na fechadura do epitélio respiratório. Por isso o vírus entra tão facilmente na via respiratória", explica o otorrino.

Quanto tempo dura a perda de olfato pós-Covid-19

Segundo o especialista, não existe nenhuma maneira de evitar ou prevenir a parosmia em pessoas infectadas pelo coronavírus. O problema também pode ocorrer simultaneamente com os sintomas da Covid-19, ou aparecer como uma sequela da doença, meses depois.

A duração dessa condição pode variar de acordo com cada paciente e permanecer por alguns dias ou até por seis meses. “É importante que o paciente procure um médico para que ele dê as orientações corretas e faça um bom acompanhamento do quadro", aconselha o Dr. Nakanishi.

Tratamento pode acelerar recuperação

Apesar de ser uma condição passageira, onde o próprio corpo se regenera e recupera o olfato sozinho, a parosmia tem tratamento. Dessa maneira, quem sofre com o problema pode conseguir se reestabelecer mais rapidamente. Basta procurar um médico especialista, devidamente capacitado.

"A primeira etapa consiste em um treinamento olfatório, onde usamos essências e estimulamos a recuperação do olfato. Na segunda fase reduzimos a inflamação e depois ofertamos nutrientes e vitaminas que vão regenerar o neuroepitélio olfatório. Existem uma série de medicações que podemos usar”, finaliza o Dr. Nakanishi.

Vale ressaltar que apostar em técnicas caseiras ou na automedicação tende a ser uma atitude perigosa, que pode atrasar a recuperação ou até mesmo agravar a parosmia. Por isso, para as pessoas que sofrem do problema – por causa da Covid-19 ou por qualquer outro motivo – a recomendação é procurar auxílio médico, para acelerar a regeneração do sistema olfatório com segurança.

Leia também