Baixas temperaturas aumentam riscos para o coração e dores no corpo; entenda

Especialistas alertam sobre doenças que podem ser causadas pelo inverno rigoroso que chegou no Brasil

Segundo a Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista, "atenção com o coração deve ser redobrada no inverno"
Segundo a Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista, "atenção com o coração deve ser redobrada no inverno" - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 29/07/2021 às 09:48
Atualizado às 14:20

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

Com temperaturas baixas no Brasil, principalmente nas regiões Sul e Sudeste, chegando a nevar em algumas cidades gaúchas, é preciso ficar atento a saúde no inverno, uma vez que o frio acelera o coração e provoca dores nas articulações. Segundo a American Heart Association, os riscos de surgirem doenças cardiovasculares aumentam de 20% a 25% nessa estação.

Os termomêtros registraram 4ºC em São Paulo nesta manhã de quinta-feira (29/7), ou seja,  a tendência é que as pessoas se prepararem para enfrentar o frio. Justamente nesse momento, que aproveitam para usar os pijamas de flanela guardados no armário, providenciam cobertores quentinhos, e o armário ganha espaço para os casacos, malhas e gorros.

Do dia para a noite, o inverno chega, as mãos e pés congelam e automaticamente causa a sensação de tremores no corpo, nariz gelado, mas é importante não esquecer de cuidar do coração, além de ficar atento as dores que tendem a se manifestar. 

Para manter o corpo aquecido, o organismo provoca a contração das artérias. Segundo a Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista, coordenadora do programa de residência médica em clínica médica da Universidade Santo Amaro, a vasoconstrição reduz o fluxo sanguíneo e aumenta a pressão arterial.

O que faz com que o coração realize um esforço maior nos dias mais frios para manter o equilíbrio térmico. Podendo sobrecarregar este órgão e até mesmo levando ao infarto do miocárdio.

Além disso, o “endurecimento” das artérias faz aumentarem também as chances de ter um AVC (acidente vascular cerebral).

Atenção redobrada no inverno

A Dra. Nicolle alerta para a prática de exercícios físicos no inverno que devem sim continuar na rotina. Logo, não deixe a preguiça dominar você e foque para não perder o ritmo e ter que recuparar tudo na estação seguinte. 

“Beber bastante líquido, evitar comidas gordurosas e calóricas auxiliam nos cuidados com o coração nesta época do ano”, afirma a cardiologista.

De olho nos sinais

Fique atento aos sinais do seu corpo. É essenciais procure pelo médico caso sinta dor ou aperto no peito, falta de ar, dor de cabeça e formigamento em braços e pernas. Além disso, pelo fato do organismo ficar mais sensível nessa estação do ano, aumenta os riscos de gripe, resfriados, doenças respiratórias, e potencializa dores musculares.

De acordo com o Dr. Carlos Gorios, ortopedista do Hospital Geral de Carapicuíba (HGC), essas alterações no corpo se manifestam devido à baixa temperatura ambiente, capaz de provocar uma contração dos músculos, a famosa rigidez muscular.

"Isso se dá de maneira involuntária, por meio do Sistema Nervoso Central (SNC), causando uma contração dos vasos sanguíneos, na tentativa de manter o calor do nosso corpo e o equilíbrio térmico do nosso organismo", explica o especialista.

O especialista destaca ainda que para que órgãos como cérebro, pulmão e coração funcionem adequadamente, a temperatura corpórea deve se manter em torno de 36 e 37ºC. Quando ela está muito abaixo desta média, há rigidez muscular e um possível desconforto nas atividades do dia a dia.

O frio também atua nas articulações. A maioria das juntas que existem no organismo produz o líquido sinovial, que serve para lubrificá-las. No entanto, durante os períodos mais frios, há um aumento da viscosidade desse líquido, causando dor e rigidez articular. "Por essa razão, pessoas que já possuem problemas nas articulações, como artrite e osteoartrose, sofrem mais durante o inverno", ressalta o Dr.Carlos.

O ortopedista afirma que os danos causados pelo frio podem afetar todas as idades. Porém, os idosos tendem a sofrer mais com o mal, além de pessoas que já apresentam problemas de articulação.

"Nestes casos, a visita a um especialista é fundamental, para que o frio não prejudique a qualidade de vida do paciente. O médico fará um acompanhamento do caso, indicando as melhores opções de tratamento", explica o ortopedista.

Maneiras de prevenção

Uma forma prática e saudável de reduzir o impacto do frio nas articulações é manter o corpo sempre ativo. Hábitos como exercícios físicos e aeróbicos são capazes de aumentar a temperatura corporal, revertendo as dores musculares e nas articulações.

Os agasalhos também são essenciais. O médico explica que, por mais óbvio que possa parecer, é importante estar bem protegido neste período, principalmente em extremidades como mãos e pés, auxiliando na melhora da circulação sanguínea.

"Compressas quentes e massagens também podem ajudar no alívio da dor", finaliza o Dr. Carlos Gorios, ortopedista.

Consultorias: Dra. Nicolle Queiroz, cardiologista, coordenadora do programa de residência médica em Clinica medica da Universidade de santo amaro. Diretora clínica na clínica Nicolle Queiroz e Dr. Carlos Gorios, ortopedista do Hospital Geral de Carapicuíba (HGC).

Leia também