Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Beleza

Entenda por que não é uma boa ideia utilizar comida no cabelo

Utilizar alimentos para tratar o cabelo pode promover mais riscos do que benefícios. Especialista explica como cuidar dos fios

Entenda por que não é uma boa ideia utilizar comida no cabelo
Entenda por que não é uma boa ideia utilizar comida no cabelo - Foto: Shutterstock

Receitas com produtos alimentícios para tratar o cabelo podem parecer algo inusitado para  algumas pessoas. Mas, para outras, trata-se de técnica comum para trazer mais saúde e beleza aos fios. No entanto, este hábito pode trazer mais problemas do que benefícios reais.

Seja vinagre para dar brilho, mel para hidratar, abacate para fortalecer… Segundo o dermatologista Gustavo Martins, embora os tratamentos capilares com receitas caseiras possam conferir benefícios momentâneos, como brilho e maciez, eles não estão realmente tratando os fios.

“Ao aplicar alimentos nos cabelos sem passarem por um processamento adequado, podemos até obter alguns resultados superficiais. Porém, o cabelo não está recebendo um tratamento tão efetivo quanto quando usamos cosméticos”, explica o especialista. 

Um dos motivos para a popularização das receitas caseiras nos cabelos é o custo, já que produtos tradicionais de cuidados capilares podem representar um investimento considerável. Contudo, é importante destacar que as marcas perceberam essa demanda e passaram a oferecer produtos acessíveis, que tratam os cabelos de forma efetiva, deixando-os hidratados, fortes e bonitos.

Mais riscos do que benefícios

O profissional ressalta que a utilização de alimentos nos cabelos pode trazer riscos à saúde capilar. Por exemplo, o vinagre, amplamente utilizado para dar brilho aos fios, pode ressecá-los e causar dermatite devido à sua acidez. 

Além disso, o acúmulo de resíduos de alimentos não removidos completamente durante a lavagem pode deixar os cabelos opacos. Ingredientes comuns, como mel e abacate, podem até promover a proliferação de bactérias e fungos nos cabelos. Isso porque eles são difíceis de remover completamente durante a lavagem.

Segundo o dermatologista, também é um equívoco pensar que ingredientes naturais, como abacate ou mel, presentes em shampoos e máscaras, agirão da mesma forma que quando aplicados diretamente nos fios. Isso ocorre porque as moléculas têm tamanhos diferentes e não penetram da mesma maneira. 

Para ele, utilizar comida nos cabelos é um desperdício e pode gerar mais problemas do que benefícios reais. “É um mito acreditar que os alimentos tratam profundamente os fios ou os recuperam. Na realidade, qualquer produto aplicado nos cabelos apenas disfarça os danos, pois nossos fios são matéria morta”, destaca. 

Como cuidar verdadeiramente do cabelo

Conforme o profissional, é mais recomendado ingerir esses alimentos, aproveitando seus benefícios nutricionais, em vez de desperdiçá-los aplicando diretamente nos fios. “Afinal, a beleza capilar vem do que ingerimos e é refletida através de uma alimentação equilibrada e de um cuidado capilar adequado, com produtos desenvolvidos especificamente para tratar os fios de maneira efetiva”, finaliza.

Ele lembra ainda que a saúde capilar está diretamente ligada à alimentação e à ingestão de água. Ou seja, o que ingerimos é fundamental para a saúde dos fios, não apenas o que aplicamos externamente.

Para potencializar os tratamentos capilares de forma ”caseira”, Gustavo sugere o uso de óleos vegetais, como o de semente de uva, ou ingredientes como glicerina e queratina vegetal.

Advertisement

Você também vai gostar

Dor

Ortopedista especialista em joelho e quadril explica como o ácido hialurônico pode atuar em quadros iniciais de desgaste das articulações

Saúde Mental

Mesmo em um mundo conectado, há cada vez mais pessoas solitárias. Veja como combater os efeitos da solidão

Alimentação

A alimentação tem relação direta com a saúde, especialmente no combate ao câncer. Conheça 5 alimentos para evitar a doença

Câncer

A colonoscopia é o principal exame para diagnosticar o câncer de intestino, e é recomendada mesmo na ausência de sintomas