Connect with us

O que você está procurando?

Dor

Existe cirurgia para enxaqueca? Veja como tratar a condição

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Existe cirurgia para enxaqueca? Veja como tratar a condição
Existe cirurgia para enxaqueca? Veja como tratar a condição - Foto: Shutterstock

Além de desconfortável, a enxaqueca é um problema bastante comum. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a condição atinge cerca de 324 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, 15% da população sofre com as dores de maneira crônica.

No geral, quem convive com enxaqueca não costuma ter uma vida fácil: as crises podem durar até 72 horas, causando dor intensa, náuseas, vômitos e sensibilidade à luz ou ao som. 

Buscando um tratamento para a enxaqueca

De acordo com o cirurgião plástico Dr. Paolo Rubez, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University, por muito tempo não houve tratamento definitivo para o problema. 

Segundo ele, os medicamentos para controle da dor já instaurada e os profiláticos, para prevenção, eram as melhores alternativas para pacientes diagnosticados com migrânea. “Atualmente, entretanto, existem novas opções de tratamentos que aumentam as chances de uma cura para enxaqueca, incluindo a toxina botulínica e a cirurgia da enxaqueca”, afirma.

Segundo o médico, o primeiro passo para identificar o melhor tratamento para o caso é procurar um neurologista. O médico deve fazer o diagnóstico correto do tipo de cefaleia de acordo com o relato do paciente, além de exames. 

“Posteriormente, o médico poderá indicar qual o tratamento mais indicado para o caso, considerando chances de sucesso e riscos associados de acordo com o quadro clínico do paciente”, diz o especialista. 

4 diferentes tratamentos para a condição 

Paolo aponta quatro tipos de tratamento que podem ajudar quem sofre com enxaqueca. Confira:

Medicamentoso

Uma das formas mais recorrentes de tratar a cefaleia é com medicamentos. No caso de crises de enxaqueca já instauradas, é comum o uso de analgésicos simples e anti-inflamatórios e com valor bastante acessível. No entanto, eles devem ser ter prescrição médica, visto que a automedicação pode agravar o quadro. 

Entre os medicamentos profiláticos (de prevenção) estão opções como antidepressivos, antipsicóticos e betabloqueadores. Eles também devem ser prescritos pelo médico de acordo com a recorrência das crises, causa da cefaléia e quadro clínico geral do paciente.

Alternativo

Mais pacientes têm procurado a acupuntura como uma opção de tratamento baseada nas técnicas da medicina tradicional chinesa. O resultado pode ser positivo por estimular e tirar a tensão de diferentes pontos que contribuem para aumentar o relaxamento. Essa opção, entretanto, deve acompanhar outros tratamentos prescritos pelo médico.

Toxina botulínica

Desde 2011, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), autorizou o uso de toxina botulínica A como alternativa preventiva para as crises da enxaqueca crônica. 

“A substância, já usada nos tratamentos faciais de rugas, promove a paralisia temporária dos músculos, evitando a transmissão da dor para o sistema nervoso central e reduzindo as ocorrências de crises”, diz o Dr. Paolo, que também realiza a técnica. 

Segundo ele, a aplicação da substância deve ser realizada a cada três meses para que os efeitos continuem, pois o organismo absorve a substância, eliminando os efeitos dela após esse período.

Cirurgia para enxaqueca: quem pode fazer?

Conforme o especialista, o único tratamento definitivo para a condição consiste na cirurgia para enxaqueca. Paolo explica que a migrânea pode ser causada pela compressão que determinados nervos sofrem ao longo de seus trajetos. Ao serem irritados pelas estruturas adjacentes, eles liberam neurotransmissores que provocam dor e geram as crises. 

O objetivo da cirurgia, portanto, é descomprimir e liberar os ramos desses nervos. “Assim, com a cirurgia é possível combater a enxaqueca que tem origem em quatro pontos principais da cabeça, sendo que para cada tipo de dor, considerando sua origem, existem técnicas específicas”, diz o médico. 

Após realizada a cirurgia de enxaqueca, as chances de o paciente voltar a ter crises são muito menores. Por isso, os especialistas consideram esse método como o definitivo. 

“A cirurgia para enxaqueca pode ser feita em qualquer paciente que tenha diagnóstico de migrânea (enxaqueca) feito por um neurologista, e que sofra com duas ou mais crises severas de dor por mês que não conseguem ser controladas por medicação”, diz o cirurgião plástico.

Além disso, pacientes que sofrem com efeitos colaterais das medicações para dor ou que tenham intolerância a estas medicações, ou ainda em pacientes com grande comprometimento em sua vida pessoal ou profissional, podem realizar a cirurgia. 

O Dr. Paolo Rubez enfatiza que as cirurgias são realizadas em ambiente hospitalar e sob anestesia geral e em alguns casos sob anestesia local. “A duração da cirurgia, para cada nervo, é de cerca de uma a duas horas, e o paciente tem alta no mesmo dia, ou no dia seguinte, para casa”, finaliza.

Advertisement

Você também vai gostar

Doenças

Tomar a vacina e evitar mudanças bruscas de temperaturas estão entre as medidas essenciais para evitar doenças do outono e inverno

Doenças

Alto número de casos de dengue no Brasil assusta a pais e responsáveis por crianças e recém-nascidos, que são mais suscetíveis à doença

Doenças

Nem só de espirros é feita a alergia a ácaros. Conheça outros sinais do problema e como combatê-lo diretamente na raiz

Doenças

A cantora Halsey deu a entender em postagem no Instagram que está enfrentando lúpus. Conheça os sintomas da condição que não tem cura