Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Lipoaspiração no joelho: os riscos da cirurgia feita por Luana Andrade

Modelo de 29 anos faleceu após sofrer paradas cardiorrespiratórias decorrentes de procedimento estético

Lu Andrade fez uma lipoaspiração no joelho
Lu Andrade fez uma lipoaspiração no joelho - Foto: reprodução Instagram

Luana Andrade, conhecida como Lu Andrade, faleceu nesta terça-feira (07), aos 29 anos de idade. A modelo ficou conhecida publicamente após participar do reality Power Couple da TV Record. De acordo com informações confirmadas pela assessoria de imprensa da influenciadora, a morte ocorreu após complicações em uma lipoaspiração no joelho. Lu sofreu paradas cariorespiratórias e não resistiu. O procedimento foi realizado ontem, no Hospital São Luiz, unidade do Itaim, em São Paulo.

Riscos de uma lipoaspiração no joelho

É comum associar diferentes áreas na lipoaspiração, como abdômen, coxas, costas, flancos e axilas. Contudo, isso não implica necessariamente em um maior risco para o paciente.

“A lipoaspiração é uma cirurgia como qualquer outra. Não existe cirurgia isenta de riscos, nem procedimento médico que não envolva algum tipo de risco, especialmente quando se trata de um procedimento cirúrgico. Este necessariamente envolve uma técnica invasiva que requer anestesia, seja ela local ou geral”, explica Eduardo Teixeira, membro do Colégio Brasileiro de Cirurgia Plástica.

“Pelo que se sabe, essa cirurgia foi realizada em um hospital com recursos. A paciente aparentemente era saudável, e pelo que consta, não temos acesso ao prontuário ou a qualquer informação específica. Foi feito um pré-operatório adequado, no entanto, infelizmente, ocorreu essa fatalidade, o que nos consterna. De fato, cirurgias plásticas, incluindo a lipoaspiração, podem apresentar intercorrências e, ocasionalmente, complicações fatais”, completa o Dr. Diovane Ruaro, cirurgião plástico, presidente do Colégio de Cirurgia Plástica (CBCP).

“O risco considerado é a condição de saúde da pessoa durante a cirurgia. Os riscos também estão associados ao volume que será lipoaspirado. Existe um limite de segurança, que é 7% do peso da pessoa. Por exemplo, se alguém pesa 60 quilos, é seguro retirar até 4,2 litros de gordura”, diz o professor Ricardo Cavalcanti, chefe da divisão de cirurgia plástica e reparadora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO.

Possíveis causas de uma parada cardiorrespiratória

“Existem várias questões, por exemplo, relacionadas à anestesia. Pode ocorrer um choque anafilático, perda excessiva durante a lipoaspiração – às vezes é retirada uma quantidade excessiva de gordura – ou até mesmo uma perfuração. No entanto, tudo o que eu vou mencionar é especulativo. Acredito que alergias ou algum aspecto da anestesia são problemas que normalmente podem levar a uma parada cardíaca durante a lipoaspiração, não apenas na lipoaspiração, mas em qualquer cirurgia. Qualquer complicação anestésica pode levar a uma parada cardíaca”, explica o Dr. Cavalcanti.

Quem não deveria se submeter a uma lipoaspiração?

“Há quem comente sobre a idade da paciente, 29 anos, afirmando que a lipoaspiração não é para pessoas tão jovens. No entanto, a lipoaspiração não é exclusiva para pessoas mais velhas ou com sobrepeso. É uma cirurgia para pacientes de qualquer idade que desejam tratar gordura localizada”, afirma Teixeira.

“Pessoas com condições de saúde precárias ou obesidade, que é uma outra condição, não são adequadas para a cirurgia. Para pessoas obesas, a lipoaspiração não é a opção correta; elas precisam perder peso para atingir um peso ideal antes de realizar o procedimento”, finaliza o Dr. Cavalcanti.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias

Doenças

Casos de AVC e infarto aumentam entre 20% e 30% respectivamente durante o clima frio. Veja como se proteger no inverno