Cresce a procura por congelamento de óvulos na pandemia; entenda

Especialista diz que a partir dos 40 anos diminui as chances de sucesso da inseminação in vitro

"Procura por congelamento de óvulos aumentou mais de 50% neste primeiro semestre", diz especialista
"Procura por congelamento de óvulos aumentou mais de 50% neste primeiro semestre", diz especialista - Shutterstock

por Julia Natulini
Publicado em 15/08/2021 às 14:00
Atualizado às 14:00

COMPARTILHEFacebook Saúde em DiaPinterest Saúde em Dia

A pandemia mudou os planos de todo mundo, literalmente. Mas não se trata apenas de viagens adiadas ou de passeios cancelados, muitas pessoas acabaram postergando o desejo de ter filhos. De acordo com a Dra. Adriana de Góes, ginecologista e especialista em reprodução humana, a procura por congelamento de óvulos aumentou mais de 50% neste primeiro semestre, em relação a 2020.

“Ano passado, as famílias estavam com mais medo de sair de casa e também havia o fator econômico do País, ainda muito incerto. Agora, as mulheres que sonham em ser mãe decidiram procurar pelo congelamento de óvulos até que a Covid-19 não seja mais um risco. Atualmente, mais da metade da minha agenda é reservada para esse procedimento”, revela a doutora, que avalia que, além do desejo de adiar a gravidez, existe também uma demanda represada.

Embora a variante Delta não apresente um risco maior para as gestantes, as novas cepas da Covid-19 trazem um cenário de incertezas em relação à pandemia. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), as grávidas têm maior risco de desenvolver a forma grave da doença que são consideradas grupo de risco.

“Ainda há uma série de estudos sendo realizada para entender melhor a ação do vírus no corpo da gestante, mas se elas apresentam comorbidades como obesidade e diabetes, a preocupação é ainda maior”, explica a Dra. Adriana.

As chances de um parto prematuro também aumentam nas gestantes infectadas pela Covid-19. “Como a grávida já tem uma limitação respiratória pelo grande volume uterino no terceiro trimestre doenças com acometimento respiratório, como é o caso do coronavírus, agravam a situação. Além disso, o quadro de infecção durante uma gestação, também já é um fator para prematuridade”, afirma.

Para fazer o congelamento de óvulos, são necessários exames que ajudem o médico a avaliar a saúde reprodutiva da mulher. Quanto antes o procedimento for feito, melhor, garante a profissional. Isso porque a qualidade dos óvulos diminui progressivamente com o avanço da idade. Calcula-se que, a partir dos 40 anos, um terço das mulheres já sejam inférteis.

Gravidez na pandemia

Embora o medo da pandemia e o próprio desejo de adiar uma gravidez tenham levado muitas mulheres às clínicas em busca de congelamento dos óvulos, a paciente deve avaliar com o seu médico os benefícios do tratamento e as consequências de um adiamento da gestação. Isso porque nem todas as mulheres têm o tempo a seu favor.

É importante considerar que as chances de sucesso da inseminação in vitro diminuem para mulheres a partir dos 40 anos, e esperar talvez não seja uma opção. “As mulheres que não possuem esse tempo e querem engravidar podem e devem iniciar o tratamento o quanto antes, pois existe naturalmente uma janela de oportunidades. Por isso, digo às pacientes que é seguro tentar uma gravidez agora, mesmo com a pandemia, apesar da necessidade de um cuidado redobrado”, finaliza Adriana de Góes. 

Fonte: Adriana de Góes, ginecologista e especialista em reprodução humana e fertilização in vitro, inseminação artificial e trombofilias (CRM-SP96001). 

Leia também