Connect with us

O que você está procurando?

Medicamentos

“Cabeça de Ozempic”: o remédio pode deixar a cabeça maior? Entenda

Diversos famosos apareceram com o tamanho da cabeça desproporcional em relação ao corpo após perder peso, o que tem sido atribuído ao Ozempic

“Cabeça de Ozempic”: o remédio pode deixar a cabeça maior? Entenda
“Cabeça de Ozempic”: o remédio pode deixar a cabeça maior? Entenda - Foto: Shutterstock

O termo “cabeça de Ozempic” viralizou nas redes sociais após circularem imagens de celebridades que apareceram mais magras, mas com a cabeça desproporcionalmente maior em relação ao corpo. 

O nome do medicamento tem sido usado por seu poder de acelerar a perda de peso. Apesar disso, não se sabe se essas celebridades tomaram Ozempic para emagrecer. Ainda assim, surgiu a dúvida se este seria um efeito colateral do remédio.

Vale lembrar que o Ozempic é um medicamento indicado para o tratamento do diabetes tipo 2. No entanto, seu princípio ativo – a semaglutida – foi inclusive aprovado pelas agências reguladoras, como a Anvisa no Brasil, para o tratamento da obesidade. Daí o seu uso para controle de peso.

O efeito “cabeça de Ozempic” é real?

O médico pós-graduado em nutrologia Dr. Rodrigo Neves explica que o emagrecimento rápido, especialmente quando induzido por medicamentos, pode resultar em perdas significativas de gordura corporal, inclusive no rosto. 

“Contudo, a estrutura óssea da cabeça não muda, o que pode levar a uma percepção de desproporcionalidade. Este efeito é mais uma questão de percepção visual devido à rápida perda de peso do que um efeito direto do medicamento sobre o tamanho ou forma da cabeça”, diz o médico.

O que fazer quando a desproporção incomoda

Ele destaca ainda que o fenômeno não é incomum, mas a extensão da desproporcionalidade varia de pessoa para pessoa. Nesses casos, é possível considerar as seguintes abordagens:

  • Paciência e ajuste de percepção: com o tempo, a pessoa pode se ajustar à sua nova aparência, e a percepção de desproporcionalidade pode diminuir;
  • Mais perda de peso ou tonificação: em alguns casos, continuar a perder peso ou focar na tonificação pode ajudar a alcançar um equilíbrio visual mais proporcional;
  • Consultoria estética: para questões de autoimagem significativas, consultar um profissional de saúde estética ou um cirurgião plástico pode ser uma saída. Os profissionais podem fornecer opções para alterar a aparência de forma que melhore a proporção percebida.

“É importante notar que a percepção de desproporcionalidade pode também indicar uma dificuldade de ajuste à nova imagem corporal. Se isso se tornar uma fonte de estresse ou desconforto significativos, procurar o apoio de um profissional de saúde mental pode ser útil”, destaca o especialista.

Rodrigo acrescenta que a perda de peso traz muitos benefícios para a saúde além da aparência. Isto é, quando feita de forma saudável e sob supervisão médica. O especialista cita, por exemplo, melhora na pressão arterial, níveis de açúcar no sangue, e redução do risco de doenças crônicas. 

“Embora a estética possa ser um fator motivacional para a perda de peso, é importante manter o foco nos benefícios para a saúde a longo prazo. Ajustar a percepção de si mesmo e aceitar mudanças no corpo pode levar tempo, e apoio profissional pode ser benéfico nesse processo”, finaliza o médico.

Advertisement

Você também vai gostar

Doenças

Também conhecida como hipertensão, a pressão alta atinge 32,5% da população adulta brasileira, o que representa 36 milhões de pessoas. Além disso, mais de...

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar