Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Beleza

Harmonização facial tem riscos? Biomédica responde

Uma série de intercorrências podem atrapalhar a recuperação do paciente após a harmonização facial. Qualificação profissional é indispensável

Harmonização facial tem riscos? Biomédica responde
Harmonização facial tem riscos? Biomédica responde - Foto: Shutterstock

Já faz algum tempo que a harmonização facial se popularizou como um dos procedimentos mais queridinhos entre os famosos. Celebridades como Gretchen, Joelma, Gabi Martins, Wesley Safadão e Alok recorreram à técnica para realçar traços do rosto, o que levou a harmonização facial a se popularizar também fora dos holofotes.

Apesar disso, a técnica se tornou tema de bastante debate entre especialistas e entidades de saúde. A biomédica esteta e especialista em procedimentos estéticos, Dra. Duda Rodrigues, alerta sobre os riscos da harmonização facial e a necessidade de buscar profissionais qualificados. 

“Procedimento estético é sério, requer indicações e tem seus prós e contras. Por isso, tudo deve ser muito bem avaliado por um profissional especializado. O paciente precisa entender que nem sempre o desejo dele é possível se tornar realidade, por isso é feito uma avaliação individual e estudado caso a caso”, conta a especialista.

Intercorrências da harmonização facial

Especialistas apontam alguns efeitos adversos da harmonização facial, como intoxicações anestésicas, anafilaxia, alergias, manchas, infecções, cicatrizes permanentes, hematomas, cegueira irreversível, necrose e acidente vascular cerebral (AVC), com risco de morte. 

Apesar do crescente número de intercorrências após o procedimento, atualmente existem diversas técnicas seguras capazes de diminuir os problemas decorrentes da harmonização, afirma a biomédica. 

O importante, do ponto de vista profissional, é se capacitar para estar apto a aplicar a técnica. “Cabe ao profissional respeitar o que seu Conselho permite. Mas é preciso estudar muito, é preciso se especializar”, destaca Duda. 

Segundo ela, as intercorrências na harmonização facial são um sinal de alerta tanto para profissionais quanto para os pacientes. Isso porque significam que o procedimento apresentou uma evolução desfavorável, e que algo precisa ser feito para voltar o tratamento para normalidade. 

Dentre os fatores que podem aumentar o risco de intercorrências, a biomédica destaca:

  • Falta de domínio dos medicamentos e material cirúrgico ou teoria do procedimento;
  • Falha no diagnóstico do paciente;
  • Falha na antissepsia da região trabalhada;
  • Agulha com inclinação errada durante a aplicação, entre outros. 

“Apesar de serem eventos considerados normais ou esperados, muitos tipos de intercorrências podem ser evitadas ou minimizadas se o profissional tiver alguns cuidados e se paciente seguir rigorosamente os cuidados após o procedimento”, comenta a Dra. Duda Rodrigues. 

O papel do profissional

Conforme a biomédica, em casos de intercorrência, a primeira providência é atender o paciente e tranquilizá-lo, informando o que está acontecendo e quais os próximos passos para resolver o problema. Além disso, é necessário saber também sobre o quadro e entender porque ocorreu. “Dessa forma o profissional saberá tratar da melhor forma possível”, afirma.

“Hoje em dia muitas pessoas buscam fazer o tratamento, mas poucos profissionais sabem dar solução a essas intercorrências. Eu tenho me preocupado muito com isso, em saber cuidar de fato da saúde do paciente, de promover a autoestima e diminuir ao máximo os riscos de qualquer intercorrência”, conclui a especialista. 

Advertisement

Você também vai gostar

Dor

Ortopedista especialista em joelho e quadril explica como o ácido hialurônico pode atuar em quadros iniciais de desgaste das articulações

Saúde Mental

Mesmo em um mundo conectado, há cada vez mais pessoas solitárias. Veja como combater os efeitos da solidão

Alimentação

A alimentação tem relação direta com a saúde, especialmente no combate ao câncer. Conheça 5 alimentos para evitar a doença

Câncer

A colonoscopia é o principal exame para diagnosticar o câncer de intestino, e é recomendada mesmo na ausência de sintomas