Connect with us

O que você está procurando?

Beleza

Bioestimulador de colágeno ou botox? Saiba como escolher

Especialista explica que a escolha entre o bioestimulador de colágeno e o botox depende dos objetivos do paciente com o procedimento

Bioestimulador de colágeno ou botox? Saiba como escolher
Bioestimulador de colágeno ou botox? Saiba como escolher - Foto: Shutterstock

Os procedimentos estéticos nunca saem de moda, e agora eles estão cada vez mais populares graças às diferentes opções disponíveis no mercado. Um exemplo é o caso do bioestimulador de colágeno, que bate de frente com o botox. Mas, afinal, qual deles é a melhor opção? Isso vai depender do seu objetivo.

Bioestimulador de colágeno

Os bioestimuladores de colágeno são substâncias que ajudam a rejuvenescer a pele, deixando-a mais firme e jovem. Eles funcionam estimulando as células do corpo a produzirem mais colágeno, uma proteína já produzida pelo corpo que dá sustentação e elasticidade à pele, explica a Dra. Marianna Macêdo, cirurgiã-dentista especialista em harmonização facial.

“Com o passar do tempo, a produção natural de colágeno diminui e a pele fica mais flácida e com rugas. Os bioestimuladores de colágeno ajudam a combater esse processo, estimulando a produção de colágeno pelo corpo e restaurando a firmeza e elasticidade da pele”, detalha. 

Segundo ela, os resultados começam a aparecer com 1 mês após a aplicação, sendo no 3º mês o seu efeito máximo. “Seus efeitos são duradouros e podem ser mantidos com sessões de manutenção anuais. São exemplos de marcas de Bioestimuladores de colágeno o Sculptra, Radiesse e Rennova Elleva”, aponta. 

Qual a diferença para o botox?

Marianna explica que o bioestimulador é um tratamento estético que estimula a produção de colágeno na pele, melhorando a firmeza, a elasticidade e a hidratação. Já o botox, por outro lado, age relaxando os músculos faciais, suavizando linhas de expressão tanto de rugas estáticas quanto dinâmicas. É o caso, por exemplo, dos famosos pés de galinha, ruguinha do bravo, rugas da testa entre outros. 

Ambos são tratamentos estéticos, mas possuem mecanismos de ação diferentes e podem servir para casos diferentes. “O bioestimulador é indicado para pessoas que desejam melhorar a qualidade da pele e tratar a flacidez, enquanto o botox é indicado para pessoas que desejam suavizar as linhas de expressão”, afirma a especialista.

Cuidados antes e depois do procedimento

Antes do procedimento de bioestimulador, é importante seguir alguns cuidados, salienta a cirurgiã dentista. Ela recomenda, por exemplo, evitar o uso de medicamentos sem consultar previamente seu especialista, evitar a exposição solar direta na área de tratamento e evitar o consumo de álcool. 

“Já após o procedimento, é importante tomar alguns cuidados, como a massagem pós-aplicação que é importante para garantir uma correção com aparência natural. Além disso, evite exposição à luz solar até que o inchaço e a vermelhidão iniciais tenham desaparecido”, indica. 

Além disso, recomenda-se a utilização de protetor solar e não tomar nenhum medicamento sem consultar previamente seu especialista. É possível utilizar maquiagem e cosméticos algumas horas após o tratamento.

Resultados ainda mais satisfatórios

Segundo Marianna, é possível associar o bioestimulador a outros tratamentos estéticos, como o Ultraformer, por exemplo. Este é um equipamento de ultrassom não invasivo usado para tratamentos estéticos de rejuvenescimento e flacidez da pele, que estimula a produção de colágeno. “O bioestimulador associado ao ultraformer tem seus resultados potencializados em até 6 vezes”, estima a profissional.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias

Doenças

Casos de AVC e infarto aumentam entre 20% e 30% respectivamente durante o clima frio. Veja como se proteger no inverno