Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Notícias

Brasileiras procuram congelamento de óvulos cada vez mais tarde; entenda

Pesquisa mostrou que mulheres buscam congelar seus óvulos aos 37 anos em média. Idade indicada é de até 35 anos

Brasileiras procuram congelamento de óvulos cada vez mais tarde; entenda
Brasileiras procuram congelamento de óvulos cada vez mais tarde; entenda - Foto: Shutterstock

Uma pesquisa encomendada pela farmacêutica Organon e realizada pelo Instituto Ipsos revelou que a média de idade em que as mulheres passam a considerar a possibilidade de congelar seus óvulos para o futuro é de 37 anos. 

No entanto, especialistas em reprodução assistida recomendam que o procedimento seja feito antes dos 35 anos. Isso porque este é o período em que a mulher possui óvulos em maior quantidade e melhor qualidade.

“A idade ideal para o congelamento de óvulos é antes dos 35 anos. Após essa idade, a reserva ovariana assim como a qualidade dos óvulos começa a diminuir, o que pode afetar as chances de sucesso do procedimento”, afirma o diretor médico da Organon, Dr. Luiz Lucio.

Questões respondidas pelo estudo

O levantamento foi realizado entre julho e agosto de 2023, com 600 mulheres de todas as regiões do Brasil, de 18 a 45 anos. Os resultados apontaram que 70% das entrevistadas já ouviram falar sobre métodos para engravidar

Quando perguntadas sobre quais tratamentos tinham conhecimento, com a possibilidade de múltiplas escolhas, 85% citaram inseminação artificial, 77% fertilização in vitro, 72% congelamento de óvulos e 41% indução da ovulação. 

No entanto, quando estimuladas a dar mais detalhes sobre fertilização, 32% não souberam explicar. Entre as mulheres de 18 a 24 anos, o percentual de conhecimento sobre os tratamentos cai para 57%.

Quanto aos tratamentos que as mulheres consideram utilizar futuramente, o congelamento de óvulos é o mais popular, com 23% das entrevistadas afirmando que têm essa intenção. Em seguida, aparecem inseminação artificial (20%), indução da ovulação (19%) e fertilização in vitro (19%).

“Estes dados oferecem uma visão abrangente dos desafios enfrentados pela população feminina em sua jornada reprodutiva. É importante que elas tenham acesso a informações confiáveis sobre esses tratamentos, para que possam tomar decisões conscientes sobre o seu futuro reprodutivo”, disse Lucio.

Profissionais de saúde e fontes de informação

Os profissionais de saúde têm um papel significativo na orientação das mulheres. A pesquisa revela que 53% dos médicos abordaram o tema da inseminação artificial, seguido por 38% que discutiram fertilização in vitro e congelamento de óvulos. Já a indução da ovulação foi mencionada por 32% dos entrevistados; 7% afirmaram que nenhum desses tópicos foi abordado por seus médicos.

Amigos e familiares desempenham um papel crucial, sendo citados por 51% das entrevistadas como a principal fonte de informação. Médicos vêm logo em seguida, representando 49%, enquanto o universo digital também se destaca, com 46% mencionando o Instagram e 39% recorrendo a sites especializados.

Advertisement

Você também vai gostar

Insônia

Alguns mitos e desinformações atrapalham a rotina de sono dos recém-nascidos, o que é um desafio para a família e também para o bebê

Alimentação

Especialista em nutrologia explica as diferenças entre a doença celíaca, a intolerância ao glúten e a alergia ao trigo. Saiba os sintomas

Dor

Ortopedista explica que nem sempre uma dor no joelho exige correção cirúrgica. No entanto, em alguns casos o paciente deve passar por cirurgia

Beleza

Dermatologista explica técnica slow care, focada na beleza natural e na saúde integral do paciente