Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Dia Mundial do Coração: conheça os principais inimigos da saúde cardíaca

De fatores socioeconômicos ao tabagismo, cardiologista aponta quais aspectos mais prejudicam a saúde do coração

Dia Mundial do Coração: conheça os maiores inimigos da saúde cardíaca
Dia Mundial do Coração: conheça os maiores inimigos da saúde cardíaca - Foto: Shutterstock

Hoje é o Dia Mundial do Coração (29/09), oportunidade para promover a importância de prevenir as doenças cardiovasculares, que representam a principal causa de morte no Brasil. A data também é uma chance de expor os fatores que mais colocam a saúde cardíaca em risco.

De acordo com o Dr. Cláudio Vieira Catharina, médico cardiologista e gestor da unidade coronariana do Hospital Icaraí (RJ), diversos fatores contribuem para o cenário brasileiro de saúde pública. Ele destaca, por exemplo, a desigualdade social, questões do baixo desenvolvimento socioeconômico e um modelo de dieta e estilo de vida que não permitem o controle dos fatores de risco às doenças cardiovasculares.

Dentre os aspectos fisiológicos que colocam a saúde do coração em risco, Cláudio aponta a hipertensão, colesterol, obesidade, sedentarismo, diabetes, qualidade ruim do sono e tabagismo. “É preciso considerar também a privação do lazer e dificuldades sócio econômicas. Todos estes fatores estão fortemente presentes no nosso dia a dia”, afirma.

Como combater os inimigos do coração

O cardiologista lembra que a doença cardiovascular é multifatorial, e tem forte relação com nossos hábitos pouco saudáveis. Segundo ele, a base para uma melhor condição cardíaca inclui a educação para um estilo de vida e alimentação associada a fatores socioeconômicos.

Portanto, preservar a saúde do coração é uma conduta que exige uma série de iniciativas. Conforme Cláudio Catharina, é necessário o entendimento coletivo social da gravidade do problema. Além disso, incentivar a população a mudar o nosso modelo de estilo de vida, o que inclui hábitos alimentares e sedentarismo. 

“Tudo isso aliado à medidas de melhor distribuição da renda entre os brasileiros. Gerando mais bem estar, maior nível cultural e possibilidade à melhoria de qualidade de vida”,  enfatiza o médico.

Do ponto de vista individual, o cardiologista recomenda começar o cuidado com a saúde cardiovascular desde a infância. Isto é, estimulando se atividades que evitem o sedentarismo, criando um hábito alimentar saudável e formando cidadãos comprometidos com o bem estar do próximo. “Espiritualidade, bem estar comunitário, alimentação saudável e vida ativa são os principais fatores de saúde cardiovascular”, ressalta Catharina.

“No nosso cenário atual, de grande adversidade, a rotina de avaliação pode iniciar em pessoas obesas desde a juventude. Em adultos supostamente saudáveis, com conhecidos hábitos indesejáveis ou fatores de risco cardiovascular, a avaliação clínica pode ser iniciada na migração da segunda para a terceira década de vida”, informa o especialista.

O médico pede atenção especial para aqueles com histórico familiar de doença cardíaca precoce e com a doença familiar dos lipídios. Estes devem passar por avaliação cardiológica ainda jovens.

E existem modos de prevenir a pressão alta! Confira no vídeo:

Advertisement

Você também vai gostar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia

Emagrecer

Diversos fatores levam ao ganho de peso. Conhecê-los é fundamental para conseguir emagrecer definitivamente

Dor

Diversos sintomas podem atingir o joelho, uma articulação naturalmente sobrecarregada. Entenda se os “estalos” exigem atenção