Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Além do estresse: conheça outras funções do cortisol no organismo

O cortisol é essencial para nossa sobrevivência e desempenha um papel fundamental em diversas funções do corpo

Além do estresse: conheça outras funções do cortisol no organismo
Além do estresse: conheça outras funções do cortisol no organismo - Foto: Shutterstock

O nosso corpo é como uma orquestra, e o cortisol é o maestro que rege a música. Ele é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais, localizadas acima dos rins, que desempenha um papel central na resposta do organismo ao estresse, bem como em muitos outros processos importantes.

De acordo com o Dr. Antônio Ribas, médico, especialista em emagrecimento, hipertrofia e performance humana, o cortisol é conhecido como o “hormônio do estresse” porque é liberado em situações estressantes.

Portanto, quando você enfrenta uma situação desafiadora, como uma apresentação importante ou uma emergência, as glândulas suprarrenais liberam cortisol no seu corpo. “Isso prepara você para a ação, aumentando a energia, a atenção e a resistência”, diz o médico.

Outras funções do cortisol no organismo

Contudo, ele não está associado apenas ao estresse, já que desempenha diversas outras funções essenciais, conforme detalha o especialista:

  • Regulação do metabolismo: o cortisol ajuda a controlar o açúcar no sangue, a gordura e o metabolismo das proteínas. Isso é fundamental para manter o equilíbrio energético do seu corpo;
  • Função anti-inflamatória: em situações de lesão ou inflamação, o cortisol age como um anti-inflamatório natural, reduzindo a inflamação e aliviando os sintomas;
  • Suporte ao sistema imunológico: em níveis normais, o cortisol ajuda a regular o sistema imunológico, mantendo-o equilibrado e evitando respostas imunológicas excessivas;
  • Ritmo circadiano: o cortisol segue um padrão diurno, com níveis mais elevados pela manhã e mais baixos à noite, o que ajuda a regular o nosso ritmo circadiano, influenciando o sono e o despertar.

Impactos do desequilíbrio do cortisol

O cortisol é essencial para a nossa sobrevivência, e diversos problemas podem ocorrer quando seus níveis estão desequilibrados. “O estresse crônico, por exemplo, pode levar a níveis elevados de cortisol, o que tem impactos negativos na saúde, como aumento de pressão arterial, ganho de peso, problemas de sono e estado depressivo”, alerta o Dr. Antônio.

Relação com a depressão

Vale reforçar que, quando enfrentamos situações de estresse, o corpo libera cortisol para ajudar a lidar com o desafio. Isso é parte de uma resposta natural de “lutar ou fugir” que prepara o corpo para reagir rapidamente a ameaças percebidas. No entanto, em pessoas com depressão, esse sistema de resposta ao estresse pode estar desregulado.

“A relação entre o cortisol e a depressão está relacionada ao fato de que, em algumas pessoas com o transtorno, os níveis de cortisol podem estar cronicamente elevados. Isso pode acontecer devido a várias razões”, diz o médico. Ele cita, por exemplo:

Desregulação do eixo HPA: em alguns casos de depressão, o eixo HPA pode estar hiperativo, levando a uma produção excessiva de cortisol. Isso pode resultar em uma constante sensação de estresse no corpo.

Diminuição da sensibilidade dos receptores de cortisol: em outros casos, mesmo que os níveis de cortisol estejam elevados, os receptores de cortisol nas células do corpo podem se tornar menos sensíveis a esse hormônio, o que significa que o corpo não responde adequadamente aos seus efeitos reguladores.

“Essa elevação crônica do cortisol e a desregulação do sistema de resposta ao estresse podem contribuir para os sintomas da depressão, como fadiga, alterações no sono, perda de interesse em atividades, entre outros. Além disso, o cortisol em excesso pode afetar o funcionamento do cérebro e influenciar negativamente o humor e a função cognitiva”, destaca o médico.

No entanto, o especialista ressalta que a relação entre cortisol e depressão é complexa, principalmente porque a depressão é uma condição multifatorial que não pode ser atribuída apenas aos níveis de cortisol. “Trata-se de uma interação entre fatores genéticos, ambientais e psicológicos”, explica.

Como manter bons níveis de cortisol no organismo

Gerenciamento de estresse: uma das chaves para manter níveis saudáveis de cortisol é o gerenciamento eficaz do estresse. Isso pode incluir técnicas de relaxamento, como meditação, ioga, exercícios de respiração e a prática da atenção plena (mindfulness). Portanto, encontrar maneiras de lidar com o estresse é fundamental para manter o equilíbrio hormonal.

Exercícios físicos: a prática regular de exercícios físicos pode ajudar a equilibrar os níveis de cortisol. Atividades físicas, como caminhadas, corridas, natação e musculação, por exemplo, podem ajudar a reduzir o estresse e melhorar o bem-estar geral.

Sono de qualidade: garantir uma boa qualidade de sono é essencial para o equilíbrio hormonal. Tente manter uma rotina de sono consistente, evite cafeína e eletrônicos antes de dormir, e crie um ambiente propício para o descanso.

Alimentação saudável: uma dieta equilibrada com alimentos ricos em nutrientes é fundamental. Evite o consumo excessivo de cafeína e açúcar, e opte por alimentos ricos em fibras, proteínas magras, vitaminas e minerais.

Redução do consumo de álcool e tabaco: o consumo excessivo de álcool e o tabagismo podem afetar negativamente os níveis de cortisol. Reduzir ou eliminar esses hábitos pode ser benéfico para a sua saúde hormonal.

Manter relacionamentos saudáveis: ter apoio social e relações interpessoais positivas podem ajudar a reduzir o estresse e manter níveis equilibrados de cortisol. Procure o apoio de amigos e familiares quando necessário.

Tempo para atividades prazerosas: é essencial reservar um tempo para fazer atividades que lhe tragam prazer e relaxamento. Isso pode incluir hobbies, passeios ao ar livre ou qualquer coisa que o ajude a se desconectar do estresse cotidiano.

Cada organismo é um

O especialista lembra que os níveis de cortisol podem variar de pessoa para pessoa e podem ser influenciados por fatores genéticos. Além disso, o objetivo não é necessariamente eliminar o cortisol, mas sim manter um equilíbrio saudável e apropriado para o seu corpo. 

“Se você acredita que seus níveis de cortisol estão fora do equilíbrio e isso está afetando sua saúde, é fundamental buscar orientação de um profissional de saúde, como um endocrinologista, para avaliação e orientação adequada”, destaca Antônio.

Advertisement

Você também vai gostar

Saúde Mental

Professor de yoga ensina 5 exercicios eficazes no combate dos sintomas de ansiedade, bem como de outros problemas de saúde mental

Notícias

Especialista destaca a importância e detalha como é feito o check-up auditivo, quais exames inclui e quando fazer

Fitness

Sexóloga aponta 6 impactos positivos da prática regular de atividade física na saúde e no bem-estar sexual feminino

Beleza

Tanto a pele quanto as unhas exigem cuidados redobrados durante o inverno. Especialista dá dicas de como manter o autocuidado diário