Connect with us

O que você está procurando?

Dor

Dor no joelho: problema crônico pode surgir na menopausa

Além dos fogachos, da ansiedade e da diminuição de lubrificação, as mulheres na menopausa ainda podem encarar dor no joelho

Dor no joelho: problema crônico pode surgir na menopausa
Dor no joelho: problema crônico pode surgir na menopausa - Foto: Shutterstock

Dores, rigidez e inchaço ao redor das articulações são sintomas comuns de dores na menopausa. À medida que a mulher se aproxima do climatério, seu corpo passa por mudanças hormonais drásticas que podem afetá-la de várias maneiras, especialmente nas articulações. Assim, é comum o surgimento de sintomas como dor no joelho.

Isso porque a menopausa representa uma transição significativa na vida da mulher, e o rápido declínio dos hormônios sexuais circulantes (estrogênio e progesterona), pode levar a alterações fisiológicas complexas. “Quedas nos níveis hormonais podem explicar parcialmente o aumento na prevalência de osteoartrite (isto é, inflamação das articulações)”, alerta o Dr. Lafayette Lage, médico ortopedista.

A culpa é dos hormônios

O médico explica que existem receptores de estrogênio nas articulações. Esse hormônio age como um “protetor”, prevenindo que as articulações inflamem. 

“Ao passo que os níveis de estrogênio diminuem durante a perimenopausa  (o primeiro estágio da menopausa), as articulações podem inchar e ficar doloridas o que pode afetar a qualidade da cartilagem e causar, por exemplo, a osteoartrose (processo degenerativo das articulações)”, explica. 

Ainda conforme o especialista, outros efeitos secundários desse déficit hormonal seria a queda da densidade óssea facilitando o surgimento da osteopenia inicialmente e, posteriormente, a osteoporose.

Tratamento e prevenção

Tanto a prevenção quanto o tratamento para amenizar as dores no joelho envolvem uma rotina de disciplina e promoção da qualidade de vida. Entre as principais recomendações do ortopedista, estão:

Exercícios de fortalecimento muscular, o que inclui a prática de atividades físicas que fortaleçam os músculos ao redor do joelho com o objetivo de estabilizar a articulação.

Manutenção do peso, pois evitar a obesidade é fundamental para reduzir a carga nas articulações, principalmente nos joelhos.

Níveis adequados de cálcio e vitamina D, por isso é muito importante lembrar de tomar sol pelo menos 15 minutos por dia, pois a luz solar estimula a fabricação de vitamina D pela pele. A suplementação pode ser uma saída para quem não consegue atingir os níveis adequados.

Gestão do estresse, uma vez que o estresse pode contribuir de forma potencial para dores nas articulações. Práticas como meditação, yoga, tai chi entre outras atividades, podem ser benéficas na diminuição do estresse sendo ótimas para as articulações em geral.

Atividades de baixo impacto, como as já citadas no item anterior e tentar associar com natação ou ciclismo. As caminhadas são aconselháveis para as pessoas que não possuem nenhum desvio em varo ou valgo dos joelhos. 

“Se for caminhar em subidas e descidas as patelas precisam estar bem alinhadas. A cartilagem não tem inervação e não dói. Não espere ela doer. Faça uma avaliação médica antes”, destaca o médico. 

Medicamento e tratamentos específicos, já que em alguns casos é necessário introduzir medicamentos para aliviar a dor, geralmente de uso temporário para diminuir o processo inflamatório inicial. 

Buscando ajuda profissional

O Dr. Lafayette Lage destaca a importância de identificar a causa específica das dores nos joelhos em mulheres na fase da menopausa e buscar a orientação de um profissional da área da saúde. 

“O médico deve obter uma história detalhada do paciente, realizar um exame físico completo e, quando necessário, exames de imagem podem ser necessários para obter o diagnóstico mais preciso”, diz ele.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Entenda como uma dieta bem elaborada pode auxiliar o descanso adequado e a recuperação do seu organismo

Notícias

O método Roma IV é a principal forma de identificar constipação em crianças, mas pesquisadores apontam forma mais eficiente

Saúde Mental

Profissional aponta as cinco feridas emocionais mais comuns e sugere formas de lidar com as consequências na vida adulta

Notícias

Neurocientista revela que beijamos muito mais com o cérebro do que com a boca. Entenda o que acontece durante o beijo