Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Úlcera venosa: por que você deve ter atenção com feridas na perna

Feridas na perna que não cicatrizam rapidamente podem se tornar uma úlcera venosa. Veja os sintomas e riscos

Úlcera venosa: por que você deve ter atenção com feridas na perna
Úlcera venosa: por que você deve ter atenção com feridas na perna - Foto: Shutterstock

As feridas por si só já acendem um sinal de alerta. Isso porque elas são a porta de entrada para bactérias e outros microrganismos, que podem trazer prejuízos à saúde. Mas, além disso, quando a ferida está nos membros inferiores e não cicatriza, corre risco de se tornar uma úlcera venosa.

A úlcera venosa, também conhecida como úlcera de estase ou úlcera varicosa, é uma ferida que ocorre geralmente na perna ou no tornozelo, que não cicatriza ou que cicatriza muito lentamente, explica a Dra. Cristienne Souza, cirurgiã vascular da Venous.

“Essa condição ocorre devido à insuficiência venosa crônica, que é a dificuldade de retorno do sangue dos membros inferiores para o coração”, comenta a especialista.

O risco é maior quando envolve determinadas doenças

Segundo ela, a relação com doenças cardíacas não é direta, pois as úlceras venosas são principalmente associadas a problemas no sistema venoso e não ao sistema cardíaco. 

“Contudo, fatores de risco cardiovascular, como hipertensão, diabetes e obesidade, podem contribuir indiretamente para a insuficiência venosa, aumentando o risco de desenvolvimento de úlceras venosas”, aponta a cirurgiã.

A médica lembra que o risco de úlcera venosa pode ser maior em pacientes com diabetes. Isso porque o diabetes pode causar danos aos vasos sanguíneos e nervos (neuropatia diabética), afetando a circulação e a sensibilidade, principalmente nos pés e pernas. 

Além disso, a redução da sensibilidade nos pés, faz com que feridas passem despercebidas e se agravem. Vale destacar ainda que o diabetes também afeta a capacidade de cicatrização do corpo, tornando qualquer ferida ou lesão mais suscetível a complicações e a se transformar em uma úlcera.

Primeiros sinais de úlcera venosa

Conforme a Dra. Cristienne Souza, é importante observar as alterações causadas pela insuficiência venosa crônica antes do aparecimento de feridas. Segundo ela, esses sinais são:

  • Inchaço crônico;
  • Dor;
  • Sensação de peso nas pernas;
  • Escurecimento da pele das pernas (dermatite ocre);
  • Eczema venoso (dermatite de estase);
  • Veias varicosas proeminentes. 

“À medida que a condição avança, pode-se notar a formação de uma ferida aberta, que pode ou não exsudar fluido. Diante desses sinais, é importante procurar um médico especialista, como um cirurgião vascular, para uma avaliação adequada e início do tratamento”, alerta. 

De acordo com a cirurgiã vascular, as medidas iniciais podem incluir cuidados locais com as feridas, antibióticos (se houver sinais de infecção), uso de meias de compressão e, dependendo da causa subjacente, procedimentos cirúrgicos minimamente invasivos para melhorar a circulação venosa.

Prevenção

“É importante enfatizar o tratamento precoce da insuficiência venosa crônica como parte crucial do manejo para prevenção da úlcera venosa. Isso inclui manter um peso saudável, praticar exercícios regularmente para melhorar a circulação sanguínea, evitar ficar em pé ou sentado por períodos prolongados, e usar meias de compressão e tratar a causa basal (que pode ser varizes e/ou doença da safena)”, destaca. 

Além disso, também é importante para os pacientes monitorarem suas pernas e pés regularmente para detectar quaisquer sinais de problemas o mais cedo possível, o que pode melhorar significativamente o prognóstico.

Advertisement

Você também vai gostar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia

Emagrecer

Diversos fatores levam ao ganho de peso. Conhecê-los é fundamental para conseguir emagrecer definitivamente

Dor

Diversos sintomas podem atingir o joelho, uma articulação naturalmente sobrecarregada. Entenda se os “estalos” exigem atenção