Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

AVC hemorrágico aos 13 anos: entenda o caso de Arthur Singer

Adolescente de 13 anos tinha má formação congênita e sofreu um AVC hemorrágico sem apresentar qualquer sintoma

AVC hemorrágico aos 13 anos: entenda o caso de Arthur Singer
AVC hemorrágico aos 13 anos: entenda o caso de Arthur Singer - Foto: Reprodução Instagram (@arthursingeroficiall)

O ator e cantor Arthur Singer morreu na última quinta-feira (6), vítima de um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico. O adolescente participou em 2021 do reality show musical Canta Comigo Teen, da Record, e também atuou nos musicais The Pilgrims e Matilda. 

Meire Adriane, mãe de Arthur, contou ao Gshow que os médicos identificaram que ele havia nascido com uma má formação no cérebro. “Má formação essa que nunca foi detectada porque o meu filho nunca reclamou de dor de cabeça e a gente só procura fazer uma tomografia, uma ressonância, quando nós temos uma queixa”, detalhou.

O que é o AVC hemorrágico?

O AVC hemorrágico é resultado de uma ruptura de uma artéria ou de uma veia do cérebro. Isso provoca o extravasamento de sangue para dentro do tecido cerebral, explica o Dr. Victor Hugo Espíndola, neurocirurgião e especialista em doenças cerebrovasculares.

Segundo ele, a forma hemorrágica representa 20% dos casos de acidente vascular cerebral. O AVC isquêmico, por outro lado, é responsável pela grande maioria dos episódios (80%). Nos casos isquêmicos, uma artéria fica obstruída, deixando determinada região do cérebro sem sangue (isquemia cerebral). 

As principais causas do AVC hemorrágico são um pico hipertensivo, os aneurismas cerebrais e as malformações arteriovenosas, que é o caso de Arthur Singer, explica o neurocirurgião. 

“A má formação arteriovenosa ainda é uma doença congênita, ou seja, se desenvolveu durante o período embrionário. Ela tem três sintomas principais: dores de cabeça, epilepsia e o AVC hemorrágico, que é o sangramento”, afirma o médico.

Má formação congênita e a importância de se manter alerta

Vitor lembra que, muitas vezes, essas malformações podem ser assintomáticas, que provavelmente foi o que aconteceu com o Arthur. “Ou seja, o paciente era assintomático previamente, nunca teve nem dor de cabeça, nem crise compulsiva e infelizmente foi só descobrir quando ela sangrou fazendo o AVC hemorrágico”, diz. 

Conforme o especialista, nesses casos, não há muita saída.”Isso porque a gente só tem o hábito de pedir exames de imagem pros pacientes, sobretudo em crianças, quando elas são sintomáticas”, justifica. 

O profissional aproveita para destacar que, normalmente, os AVCs em crianças podem ter uma uma apresentação diferente do adulto, e normalmente as causas são outras. “Em idosos, por exemplo, os AVCs são decorrentes de comorbidades como hipertensão e diabetes, que vão levar à formação de placa de gordura ou a aneurismas cerebrais. Já em crianças, as causas são as doenças congênitas”, explica. 

“Na menor suspeita que o paciente pode tá tendo um AVC, tem que procurar rapidamente o hospital mais próximo. Isso porque tem tratamento e, quanto mais rápido for, maiores são as chances do paciente sair com recuperação do quadro”, ressalta Vitor.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse