Connect with us

O que você está procurando?

Beleza

Chip da beleza: há algum benefício? Veja os efeitos colaterais

Médico endocrinologista explica que o chip da beleza pode proporcionar benefícios ao organismo se for implantado da maneira correta

Chip da beleza: há algum benefício? Veja os efeitos colaterais
Chip da beleza: há algum benefício? Veja os efeitos colaterais - Foto: Reprodução Instagram (@flay)

Recentemente, a cantora e ex-BBB Flay revelou em uma entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, ter se arrependido de implantar o seu “chip da beleza”. Segundo o relato, sua maior tristeza foi ter a pele repleta de espinhas após o uso do dispositivo.

Ela aproveitou a oportunidade para alertar sobre a falta de informações dos médicos em relação ao dispositivo repleto de hormônios. De acordo com a cantora, ela não recebeu avisos ou orientações na época, ressaltando a importância de levar a informação para a TV para evitar que outras pessoas acabem com o mesmo problema. 

Chip da beleza

O chip da beleza tem ganhado cada vez mais destaque. O dispositivo promete melhorar a aparência e o bem-estar de seus usuários. No entanto, é essencial entender os riscos e as precauções antes de aderir a essa tendência. 

O médico nutrólogo e endocrinologista Dr. Ronan Araujo esclarece que o chip da beleza é um pequeno implante hormonal inserido sob a pele. O dispositivo libera hormônios no organismo de maneira controlada. 

O implante é uma alternativa para tratar diversas condições, como déficits hormonais, diminuição do desejo sexual, indisposição, endometriose, sangramento uterino aumentado, cólicas menstruais, melhora da qualidade de vida, entre outras doenças. 

Além disso, também pode auxiliar na melhora da aparência da pele, cabelos e unhas, e auxiliar na perda de peso e no ganho de massa muscular. Portanto, o termo “chip da beleza” não seria o mais adequado. Isso porque, com a indicação correta, o dispositivo oferece outros benefícios além daqueles puramente estéticos, aponta o médico.

Efeitos colaterais

Porém, é importante destacar que o chip da beleza não é uma solução mágica, pois seu uso envolve riscos e responsabilidades. Embora o implante hormonal seja uma opção para muitas pessoas que buscam equilibrar seus sistemas hormonais, é importante entender que nem todos os organismos se adaptam bem a ele.

“É um controlador hormonal que precisa ser administrado de forma adequada. Caso contrário, em vez de ajudar a equilibrar os hormônios, pode desequilibrá-los e trazer efeitos adversos”, alerta o especialista.

Por isso, Ronan destaca que é necessário consultar um médico endocrinologista capacitado para avaliar se o uso do chip é realmente necessário. Além disso, o profissional deve indicar as dosagens adequadas para o seu organismo. “Afinal, cada indivíduo é único e tem necessidades específicas, sendo fundamental uma abordagem personalizada”, ressalta.

Contraindicações e cuidados

O chip da beleza possui algumas contraindicações. Algumas condições médicas, como problemas hormonais pré-existentes, por exemplo, podem tornar o tratamento inadequado ou mesmo perigoso. Por isso, é vital discutir suas condições de saúde e histórico médico com um profissional qualificado antes de decidir pelo uso do implante hormonal.

“O implante hormonal pode trazer benefícios para a saúde e a aparência de algumas pessoas, mas é fundamental entender as contraindicações e buscar o acompanhamento de um profissional capacitado para administrar a dosagem segura para o seu organismo. Ao tomar as precauções necessárias e seguir as orientações médicas, o implante hormonal pode se tornar um aliado no processo de busca por um estilo de vida mais saudável e equilibrado”, finaliza o Dr. Ronan.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias

Doenças

Casos de AVC e infarto aumentam entre 20% e 30% respectivamente durante o clima frio. Veja como se proteger no inverno