Connect with us

O que você está procurando?

Covid

Covid-19: aumento dos testes positivos sinaliza nova onda

Europa, China e Estados Unidos já enfrentam nova onda de Covid-19. Primeiro caso de subvariante BQ.1 da Ômicron foi registrado no Rio

Covid-19: aumento dos testes positivos sinaliza nova onda
Covid-19: aumento dos testes positivos sinaliza nova onda - Foto: Shutterstock

O Brasil registrou, neste domingo, 6 mortes por Covid-19, elevando para 688.425 o total de vidas perdidas para o coronavírus. Com isso, a média móvel é de 39 óbitos por dia. O país também teve 737 novos casos nas últimas 24 horas, totalizando 34.892.871 de casos desde o começo da pandemia. 

Entre 8 e 29 de outubro, o Brasil saltou de 3% para 17% de novos diagnósticos confirmados para o vírus em relação ao total, segundo levantamento do Instituto Todos pela Saúde. De acordo com o Dr. Bernardo Almeida, mestre em doenças infecciosas pela UFPR (Universidade Federal do Paraná) e Diretor Médico da Hilab, a taxa de positividade dos testes é um indicador precoce que sinaliza mudança de tendências. 

Uma nova onda já tem causado impacto na Europa, na China e nos Estados Unidos. A China, aliás, registrou o maior número de infecções por covid-19 em seis meses. O país contabilizou 5,6 mil novos casos da doença, quase metade deles na província de Guangdong. O aumento ocorre apesar das restrições impostas no país. 

O aumento nos casos está associado ao surgimento de duas novas subvariantes da Ômicron, a BQ.1 e a XBB. O Rio de Janeiro confirmou o primeiro caso da variante BQ.1 no último sábado (5). A circulação da subvariante na cidade foi detectada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) por meio de sequenciamento genético.

Segundo o médico infectologista, a tendência de elevação ou queda de casos é o resultado de uma equação complexa. Tudo depende da cobertura vacinal, da queda da proteção e do surgimento de novas variantes capazes de escapar da proteção imunológica. “Há outros fatores que influenciam, como a intensidade de circulação prévia do vírus, padrão de interação social da população e de viagens, entre outros”, afirma. 

Prevenção

Conforme o Dr. Bernardo, a principal medida preventiva é atualizar o esquema vacinal – para quem ainda não o fez. “Para quem quiser minimizar ainda mais a possibilidade de infecção, pode ser incluído o uso de máscaras de qualidade, especialmente em ambientes fechados, pouco ventilados e com aglomeração, ou reduzir o número de interações”, acrescenta o médico. 


“É fundamental que pessoas sintomáticas usem máscaras e realizem testes para afastar a possibilidade de Covid-19 e, idealmente, de influenza, que está também circulando mais intensamente”, destaca.

Advertisement

Você também vai gostar

Emagrecer

Quem está se propondo a perder peso muitas vezes recupera o antigo número na balança. Conheça algumas dicas para emagrecer de forma definitiva

Doenças

Médica aponta que 50% das pacientes com lipedema também apresentam varizes. Veja como iniciar o tratamento das condições

Doenças

Também conhecida como hipertensão, a pressão alta atinge 32,5% da população adulta brasileira, o que representa 36 milhões de pessoas. Além disso, mais de...

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa