Connect with us

O que você está procurando?

Medicamentos

Dia da Imunização: 9 mitos sobre as vacinas

Infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz aponta impactos das fakes news na adesão vacinal. Veja 9 mitos sobre as vacinas

Dia da Imunização: 9 mitos sobre as vacinas
Dia da Imunização: 9 mitos sobre as vacinas - Foto: Shutterstock

Hoje é o Dia Nacional da Imunização (09/06), data que busca conscientizar a população sobre a importância das vacinas. Além disso, lembra a todos da necessidade de manter o calendário atualizado, reduzindo a probabilidade de contrair doenças como poliomielite, rubéola, caxumba, sarampo, tétano, Covid-19 e gripe.

No entanto, segundo o Dr. Filipe Piastrelli, infectologista e coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, a adesão à vacinação entre adultos ainda enfrenta desafios, especialmente devido à hesitação vacinal, gerada muitas vezes pela desinformação, e ao medo de reações adversas, que são geralmente raras e leves.

O médico lembra que os imunizantes são uma das principais estratégias de saúde pública, responsáveis por aumentar a expectativa de vida e reduzir significativamente a incidência de mortalidade causadas por doenças infecciosas. 

No Brasil, o Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde, oferece durante o ano, 20 vacinas para a prevenção de doenças em todas as etapas da vida, desde a infância até a terceira idade, incluindo a gestação.

Em 2019 a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) levantou dados sobre o impacto das fake news na cobertura vacinal. 54% dos que responderam à pesquisa consideram as vacinas totalmente seguras, 45% sentem alguma insegurança, e 39% são hesitantes.

Sabendo disso, o médico esclarece alguns mitos sobre os imunizantes com intuito de aumentar a adesão à imunização e a confiança do público. Confira:

Vacinas causam autismo

Mito: Essa é uma das alegações mais infundadas e perigosas sobre o tema. Diversos estudos rigorosos já comprovaram que não existe qualquer relação entre a vacina contra sarampo, caxumba e rubéola (SCR) e o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Essa teoria teve origem em um estudo fraudulento publicado em 1998 que foi posteriormente retirado pela própria revista científica.

Só crianças precisam ser vacinadas

Mito: A imunização é importante para pessoas de todas as idades. Existem vacinas recomendadas para adultos e adolescentes, além de doses de reforço em algumas campanhas infantis. Manter a carteira de vacinação atualizada é essencial para garantir a proteção contra doenças.

As vacinas são inseguras e podem causar efeitos colaterais graves

Mito: Como qualquer medicamento, os imunizantes podem ter efeitos colaterais. No entanto, a maioria desses efeitos são leves e transitórios, como dor no local da aplicação, febre ou mal-estar. Reações graves são extremamente raras. A segurança das vacinas é rigorosamente monitorada por autoridades de saúde em todo o mundo.

Vacinas enfraquecem o sistema imunológico

Mito: Pelo contrário, elas fortalecem o sistema imunológico para reconhecer e combater organismos específicos causadores de doenças. Isso ajuda a proteger o indivíduo de manifestações graves e suas complicações.

As doenças preveníveis por vacinas não são mais um problema sério

Mito: Doenças como sarampo, rubéola e poliomielite ainda representam um risco à saúde pública, especialmente em países com baixas taxas de vacinação. Surtos dessas doenças podem ocorrer se cobertura vacinal da população não for suficiente.

É melhor contrair a doença naturalmente do que tomar a vacina

Mito: Doenças preveníveis por vacinas podem ser graves, levando a complicações, sequelas e até mesmo à morte, se não estiver vacinado. Portanto, a imunização é uma forma mais segura e eficaz de se proteger contra esses males. 

Os imunizantes contêm substâncias nocivas, como mercúrio e formaldeído

Mito: Essa alegação é falsa. Isso porque não há evidência de que a quantidade usada dessas substâncias seja prejudicial à saúde, uma vez que são utilizadas apenas para conservar e melhorar a eficácia dos imunizantes.

Eu já tive a doença, então não da vacina

Mito: Mesmo contraindo uma doença prevenível por vacina, ainda é importante se vacinar. Algumas pessoas podem não desenvolver imunidade completa após a infecção natural, e a vacina ajuda a garantir a proteção contra a doença.

As vacinas são uma conspiração da indústria farmacêutica para lucrar

Mito: As vacinas são desenvolvidas e testadas de acordo com padrões científicos rigorosos. Seu objetivo é proteger a saúde pública, e não gerar lucro. A comunidade científica internacional reconhece os imunizantes como uma das maiores conquistas da medicina moderna.

Filipe lembra que tanto o público quanto os profissionais de saúde devem buscar informações sobre os imunizantes em fontes confiáveis e baseadas em evidências científicas.

“Sites como o do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Imunizações oferecem as informações mais precisas. Além disso, profissionais de saúde melhor informados têm maior probabilidade de recomendar vacinas da forma correta, além de combater a desinformação entre seus pacientes”, afirma.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Ricas em vitaminas e proteínas, as sementes de cânhamo são consideradas um superalimento graças aos impactos positivos no organismo

Sem categoria

Diversos fatores podem levar ao surgimento da dermatite seborreica, como a má higienização, uso de alguns produtos e até mesmo o frio

Doenças

As hepatites virais (principalmente B e C) causam cerca de 375 milhões de casos pelo globo, e podem evoluir para formas graves

Beleza

O “banho premium plus” é mais uma tendência de autocuidado que viralizou nas redes sociais. Veja quais são as recomendações de especialistas