Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Dor pós herpes-zóster: médica revela como tratar o problema

Pacientes acometidos com herpes-zóster podem ter ainda neuralgia pós-herpética (NPH), condição que causa dor crônica

Dor pós herpes-zóster: médica revela como tratar o problema
Dor pós herpes-zóster: médica revela como tratar o problema - Foto: Shutterstock

Além dos desafios já característicos da herpes-zóster, os pacientes acometidos com a doença ainda têm que lidar com outro problema: a neuralgia pós-herpética (NPH). Isto é, uma dor extremamente desagradável que surge nas regiões do corpo acometidas pelo herpes.

O que é a neuralgia pós-herpética (NPH)

A médica intervencionista em dor e autora do livro “Existe vida além da dor”, Dra. Amelie Falconi explica que a NPH é a complicação de longo prazo mais comum da reativação do vírus varicela-zoster, que culmina no surgimento do herpes-zóster, doença caracterizada por  bolhas na pele, eritemas e inflamação local. 

Conforme Amelie, a NPH se manifesta como dor crônica que persiste por mais de três meses após os primeiros sintomas do herpes-zóster. “Além da dor, que pode variar de intensidade e duração, a NPH apresenta outros sintomas, tais como: sensibilidade ao toque, formigamento, coceira e queimação na área afetada”, explica.

Embora seja fácil diagnosticar a NPH devido à sua apresentação clínica e associação com o episódio de herpes-zóster, a Dra. Amelie pondera que o tratamento da condição é, geralmente, desafiador. “Isso porque, muitas vezes, o controle da dor não é satisfatório”, diz. Inclusive, estudos já demonstraram que menos da metade dos pacientes com NPH alcançam redução significativa dos sintomas, aponta a especialista.

Nesse sentido, ganha ainda mais importância o controle adequado dos sintomas de NPH no início do quadro, destaca a médica. O objetivo é, sobretudo, prevenir o agravamento da condição e seu desdobramento em dor crônica. 

Tratando o problema antes que ele se torne crônico

Segundo ela, para evitar a cronificação da NPH, é fundamental o tratamento antiviral precoce, com a medicação correta e em doses adequadas. “O ideal é iniciar o tratamento em até 24h ou 48h após o aparecimento das lesões”, diz.

O tratamento específico da dor desde o início das lesões também pode ser uma ótima ferramenta para evitar que a dor se torne crônica. “Além disso, principalmente naqueles pacientes com maior risco de evoluírem com dor crônica, é importante considerar a possibilidade de procedimentos intervencionistas minimamente invasivos também no início da dor aguda”, sugere.

Quando a dor já está instalada, medicações multimodais e procedimentos intervencionistas são provavelmente a melhor abordagem. A médica intervencionista em dor explica ainda que os tratamentos não invasivos tradicionais incluem medicamentos orais e tópicos, sendo que algumas sociedades recomendam antidepressivos, gabapentinoide (anticonvulsivantes) e o adesivo de lidocaína (anestésico) a 5% como primeira linha de tratamento. “O uso de opióides para combater a NPH também pode ser necessário pela intensidade da dor ”, diz.

Prevenção da herpes-zóster

Claro que uma forma ainda mais eficiente de combater a dor é prevenir a contaminação pelo vírus. “A prevenção se concentra na identificação de populações em risco de contrair o herpes-zòster e na administração de uma vacina”, explica a Dra. Amelie.

Conforme a médica, os fatores de risco bem estabelecidos para um episódio de herpes-zóster que progride para NPH incluem:

  • Idade;
  • Imunossupressão grave;
  • Presença de uma fase prodrômica (que precede o aparecimento de sintomas);
  • Dor intensa durante surto de zóster;
  • Alodinia (dor que não ocorreria em situações normais);
  • Envolvimento oftálmico e diabetes mellitus.

A respeito da vacinação, a Dra. Amelie destaca que o procedimento está disponível na rede particular, sendo administrada em duas doses. “Apesar de ser uma vacina particular, ela deve ser estimulada para os pacientes com mais de 50 anos ou pacientes com menos que já tiveram zóster”, alerta.

Além da vacinação, a especialista orienta que para evitar o desenvolvimento de herpes-zóster e consequentemente da NPH, a pessoa deve manter um sistema imunológico saudável. 

“Ajuda nesse sentido manter um estilo de vida saudável, caracterizado por uma dieta equilibrada, exercícios regulares e controle do estresse”, diz. Também é de grande valia para a prevenção da doença, especialmente se estiver com o sistema imunológico comprometido, evitar contato próximo com pessoas que têm catapora.

Advertisement

Você também vai gostar

Sem categoria

O glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Entenda a importância do diagnóstico precoce

Saúde Bucal

A cárie oculta costuma surgir em locais onde a escova de dentes e o fio dental não alcançam. Veja como identificar o problema

Beleza

A rinoplastia é uma das cirurgias plásticas mais feitas no Brasil, mas ainda é cercada de muitos mitos e tabus

Dor

Ortopedista aponta que a dor pode surgir no quadril sem percebermos, e irradiar para o joelho, causando bastante desconforto