Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Fadiga e falta de equilíbrio: conheça os sintomas da esclerose múltipla

A esclerose múltipla atinge principalmente adultos jovens e requer um diagnóstico precoce para a efetividade do tratamento

Fadiga e falta de equilíbrio: conheça os sintomas da esclerose múltipla
Fadiga e falta de equilíbrio: conheça os sintomas da esclerose múltipla - Foto: Shutterstock

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica rara que tem como alvo o sistema nervoso central, atingindo principalmente adultos jovens, entre 18 e 55 anos. A doença é autoimune, e se caracteriza pela desmielinização da bainha de mielina. Isto é, o envoltório das células nervosas (axônios) por onde passam os impulsos elétricos que controlam as funções do organismo. 

Esse dano gera interferências nessa transmissão e diversas consequências para os pacientes, como alterações na visão, no equilíbrio e na capacidade muscular. Devido à variedade de sintomas, é comum confundir a doença com diversas condições médicas. Isso, porém, atrasa o diagnóstico precoce, que hoje ainda é essencial para a efetividade do tratamento.

Sinais da esclerose múltipla

Para o neurologista e presidente do Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (BCTRIMS), Dr. Alfredo Damasceno, por mais que a doença seja complexa, alguns sintomas podem despertar um sinal de alerta para esclerose múltipla.

“Os sintomas variam amplamente de acordo com a localização e extensão das lesões no sistema nervoso central. No entanto, existem alguns sintomas-chave que são frequentemente associados à EM e que podem ajudar a distingui-la de outras doenças”, explica o especialista. Dentre esses sinais, ele destaca:

  • Fadiga;
  • Problemas de coordenação e equilíbrio;
  • Dificuldades de visão, como visão turva ou visão dupla;
  • Problemas de sensibilidade, como dormência ou formigamento em partes do corpo.

No vídeo, contamos um pouco mais sobre os sinais que indicam a doença:

Importância da detecção precoce da doença

Ainda sem cura, a identificação precoce da doença não é uma tarefa simples, mas desempenha um papel fundamental no tratamento. “Devido à sua natureza autoimune e progressiva, é essencial realizar um diagnóstico precoce para que o tratamento possa ser mais eficaz e, em alguns casos, reduzir a progressão ao longo do tempo, resultando em sintomas mais leves e permitindo que o paciente mantenha sua rotina de atividades”, enfatiza o especialista.

Por esse motivo, é altamente recomendado que, ao sentir qualquer um dos sintomas, o paciente procure imediatamente auxílio médico a fim de realizar exames que possam confirmar ou descartar a presença da esclerose múltipla.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse