Connect with us

O que você está procurando?

Alimentação

Montar dieta pelo ChatGPT vale a pena mesmo? Entenda

Dentre suas inúmeras funções, o ChatGPT também é capaz de elaborar dietas personalizadas. No entanto, elas podem não ser seguras

Montar dieta pelo ChatGPT vale a pena mesmo? Entenda
Montar dieta pelo ChatGPT vale a pena mesmo? Entenda - Foto: Shutterstock

O ChatGPT revolucionou a relação dos internautas com a inteligência artificial. Cada dia mais se tornou comum o uso da ferramenta para diferentes funcionalidades do dia a dia. Seja para o trabalho ou até para a elaboração de dietas personalizadas. Mas, será que a plataforma é eficiente ao ponto de criar um plano alimentar seguro e eficiente?

Segundo um estudo recente, publicado em maio deste ano na revista Nutrition, a resposta é não. “Os resultados indicaram que, embora a maioria das dietas projetadas pelo ChatGPT fossem precisas, o processo poderia construir dietas que prejudicariam um indivíduo com restrições alimentares”, informa a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, diretora e professora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).

Conforme a especialista, os erros consistiam principalmente em calorias imprecisas em dietas, refeições, alimentos específicos ou tamanhos de porções. “Uma das recomendações incluía leite de amêndoas para paciente com alergia a nozes e castanhas, o que poderia criar um grande problema”, afirma.

“Em casos de alergias alimentares, dietas especificamente elaboradas são essenciais. Isso porque a inclusão de um único tipo de alimento proibido pode causar choque anafilático, e a prevalência de alergias alimentares tem aumentado nas últimas décadas entre adultos e crianças”, alerta a médica nutróloga.

Analisando a segurança contra alergias

O estudo usou casos hipotéticos de indivíduos com alergias alimentares para investigar a precisão e a segurança de ‘robô-dietas’. Isto é, dietas construídas usando os modelos de aprendizado profundo implementados no ChatGPT. 

Os pesquisadores usaram 14 alérgenos alimentares compreendendo: cereais com glúten, aveia, trigo, cevada e centeio; crustáceos como caranguejos, camarões e lagostas; peixe; ovos; moluscos; amendoim; leite e derivados; nozes de árvores; sésamo; mostarda; tremoço; salsão; e compostos contendo enxofre. 

O indivíduo hipotético com alergia alimentar era uma mulher de 30 anos. Isso porque as alergias alimentares são mais prevalentes em mulheres do que em homens, e as mulheres geralmente estão mais interessadas em novas dietas. 

Quatro níveis de restrição foram usados como instruções para o ChatGPT construir uma dieta, e estes incluíram: 

  • a) Dieta para uma alergia alimentar com restrições de quantidade;
  • b) Dieta para duas alergias alimentares com restrições de quantidade;
  • c) Dieta para uma alergia alimentar com um padrão de energia normocalórica (igualdade no consumo e gasto de calorias); 
  • d) Dieta para uma alergia alimentar com baixo valor energético.

Segundo a nutróloga, a avaliação dos pesquisadores relatou que a segurança era a característica mais fraca de uma dieta de eliminação construída com ChatGPT. “No caso da recomendação do leite de amêndoa em uma dieta sem nozes, isso poderia ter levado a consequências graves, pois a alergia a nozes é uma das formas mais graves de alergia alimentar”, relata. 

Outras falhas

Além disso, para as dietas com restrições calóricas especificadas, os pesquisadores tiveram como objetivo verificar se a dieta elaborada pelo ChatGPT poderia formular uma dieta com recomendações específicas de nutrientes. 

“As dietas robóticas continham apenas uma sugestão geral de consultar um profissional de saúde para supervisão, mas não consistiam em advertências sobre restrições calóricas. Adicionalmente, foi incluído um suplemento dietético atípico em uma dieta não estritamente restritiva. Nenhum suplemento pode ser ingerido sem a recomendação de um profissional”, argumenta a especialista.

O ChatGPT também não conseguiu construir uma dieta para duas solicitações de um menu sem soja e, em outros casos, os valores energéticos de refeições específicas ou de todo o menu foram calculados incorretamente. “O cálculo incorreto das calorias pode impactar diretamente no objetivo do paciente. Se ele quiser emagrecer e consumir mais calorias do que gasta, invariavelmente ele irá aumentar o peso”, explica a médica.

Além disso, para as restrições relacionadas a necessidades energéticas específicas, os valores calóricos de várias refeições não foram ajustados nas dietas da ferramenta. “Os cardápios também foram ineficientes em sugerir tamanhos de porções, com quantidades impraticáveis ou altamente específicas, sem inclusão de receitas ou informações adicionais sobre temperos ou condimentos e sugestões de alimentos gerais, como peixes ou frutas vermelhas, sem recomendações específicas”, diz a Dra. Marcella.

O que pareceu dar certo no ChatGPT

No entanto, as dietas elaboradas pelo ChatGPT seguiram algumas diretrizes dietéticas, como aumentar o consumo de frutas e vegetais em cada refeição e preferir aves e peixes em vez de carne vermelha. As dietas da ferramenta também incluíam notas de advertência, como ler atentamente os rótulos dos alimentos e a presença de gergelim ou outros ingredientes de nozes em alimentos comuns, garantindo escolhas alimentares seguras.

Embora as ferramentas de inteligência artificial que usam modelos de linguagem grandes sejam facilmente acessíveis e forneçam um recurso acessível ao público, aceitar os resultados dessas plataformas sem avaliações adequadas pode representar riscos à saúde. “O melhor a fazer é buscar ajuda de um médico nutrólogo”, finaliza a Dra. Marcella Garcez.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse