Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Na linha de frente: 7 em cada 10 trabalhadores da saúde são mulheres

Dados da OMS mostram que as mulheres são a maioria dos trabalhadores da saúde em todo o mundo. Nos cargos de liderança, elas são 25%

Na linha de frente: 7 em cada 10 trabalhadores da saúde são mulheres
Na linha de frente: 7 em cada 10 trabalhadores da saúde são mulheres - Foto: Shutterstock

O Dia Internacional da Mulher é a oportunidade perfeita para destacar o espaço que o público feminino vem conquistando em diferentes frentes. No cuidado da vida, por exemplo, elas são maioria. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as mulheres representam 70% da força de trabalho na área da saúde. 

São médicas, fisioterapeutas, enfermeiras e tantas outras profissionais que estão na linha de frente dos esforços para cuidar de pacientes todos os dias. Além dissso, elas desenvolvem pesquisas que permitem o avanço da área. Dentro de hospitais, elas mudam o perfil de cargos de liderança ao unir os múltiplos talentos, a curiosidade e a valorização do olhar humanizado.

A presença feminina nos serviços de saúde

A pesquisadora e fisioterapeuta Cristina Baena faz parte dos 25% de posições de liderança ocupadas por mulheres dentro de unidades de saúde. Ela coordenou um projeto de pesquisa interdisciplinar que envolveu mais de cinquenta pesquisadores dos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat, de Curitiba (PR), em parceria com a PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e outras instituições nacionais e internacionais, que buscou compreender o comportamento da Covid-19 na fase aguda e após a alta hospitalar. 

Para a pesquisadora, a participação feminina na ciência traz contribuições que vão além da promoção de saúde, bem-estar e justiça social genuína. “Cada conquista fortalece a importância de continuarmos a inspirar mulheres para a carreira científica, mudar estereótipos da profissão e dar visibilidade às suas realizações”, afirma.

Os contextos sociais e culturais são diversos, mas há muitas semelhanças nas inspirações e dificuldades encontradas por mulheres que trabalham com saúde ao redor do globo. Para a médica Lídia Zytynski Moura, a vontade de trilhar novos caminhos de conhecimento foi a força motriz para uma mudança temporária de país com toda a família para realizar o pós-doutorado em insuficiência cardíaca no segundo maior hospital de ensino da Harvard Medical School, o Brigham and Women’s Hospital, nos Estados Unidos. 

“É a combinação de conhecimento acumulado, pesquisas científicas e curiosidades que permite darmos novos passos. E as mulheres de hoje são assim: elas têm olhos que brilham, são pragmáticas, têm agilidade e conseguem ser doces e técnicas ao mesmo tempo”, descreve a coordenadora do setor de cardiologia dos hospitais Universitário Cajuru e Marcelino Champagnat, que fazem parte da frente de saúde do Grupo Marista.

Na linha de frente da Covid-19

Já a enfermeira Vanessa Ramos perdeu a conta de quantos pacientes atendeu em duas décadas como profissional da linha de frente do sistema de saúde. Em meio a tantos desafios, ela destaca que o maior de todos foi o enfrentamento da Covid-19. 

“Durante a pandemia, em cada turno de trabalho tínhamos nossas vidas transformadas por presenciar de perto histórias de luta e altas emocionantes. Foi necessário montar uma força-tarefa e passar por um aprendizado rápido que uniu os profissionais da assistência e de gestão”, relata a coordenadora das unidades de internação do Hospital Marcelino Champagnat.

Mais espaço para elas

E com mais representatividade nos números gerais, a próxima luta poderá ser por mais equidade também nos cargos de liderança. Hoje, inúmeras profissionais da saúde se destacam com trajetórias brilhantes, inspirando outras a acreditarem, persistirem e não desistirem de trilhar caminhos igualmente bem-sucedidos. Mas não é preciso fazer uma longa viagem no tempo para perceber que é recente na história a presença feminina em postos de liderança e em áreas de destaque. 

Como lembra Lídia, que durante sua trajetória acadêmica viu poucas figuras femininas em cargos de gestão. “A minha geração tem tentado soltar as amarras e deixar um importante ensinamento para as mulheres que estão chegando: é possível fazer e alcançar o que se quer, sem precisar seguir velhos modelos”, declara ela, que também é diretora do eixo de saúde humana da Escola de Medicina e Ciências da Vida, na PUCPR.

“A proporção de pós-graduandas é maior que a de homens. Mas nos papéis de liderança elas ainda são a minoria”, observa Cristina Baena, que é coordenadora da pós-graduação em Ciências da Saúde, na PUCPR. 

Próximos passos para as mulheres da saúde

Para mudar esse cenário, a pesquisadora acredita que é preciso considerar as habilidades emocionais da mulher como gestora, sem deixar de prever momentos que são característicos da sua vida, sobretudo a maternidade. “É possível ser mulher, mãe e pesquisadora, mas é preciso um grupo de apoio, pois sozinha é muito difícil”, conta Cristina, que, ela mesma, encarou a criação de um filho enquanto realizava mestrado, doutorado e pós-doutorado.

“A presença feminina na gestão de hospitais é importante, porque elas trazem para dentro das instituições olhares detalhistas e abordagens cuidadosas”, reforça Vanessa. Igualdade de gênero e diversidade no corpo de trabalho têm sido temas cada vez mais discutidos dentro e fora das unidades de saúde. 

Apesar das barreiras que ainda são enfrentadas diariamente, algumas profissionais estão otimistas e acreditam que o futuro da liderança será feminino. “Foco no objetivo e na autenticidade são pontos importantes para meninas que querem conquistar igualdade de possibilidade profissional. De tijolo em tijolo, é possível construir a base para uma sociedade cada vez mais próspera e igualitária”, finaliza Cristina Baena.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse