Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Peso não é suficiente para mostrar crescimento do feto; entenda

Obstetra explica que, para identificar restrições no desenvolvimento do feto, é preciso analisar também tamanhos da cabeça e abdômen do bebê

Peso não é suficiente para mostrar crescimento do feto; entenda
Peso não é suficiente para mostrar crescimento do feto; entenda - Foto: Shutterstock

O acompanhamento pré-natal é indispensável em qualquer gestação. Neste momento, a mãe tem suporte de uma equipe de profissionais responsáveis por acompanhar cada detalhe do desenvolvimento do feto. Por isso, essa também é a fase em que se descobre malformações congênitas e possíveis problemas com o bebê. Um desses problemas que costuma assombrar as mães é a restrição de crescimento intrauterino. A condição definida como uma taxa de crescimento abaixo do normal para o potencial de uma criança específica, de acordo com sua raça e sexo.

A restrição pode aumentar significativamente o risco de morbidade e mortalidade em comparação a bebês com crescimento intrauterino adequado. Por isso deve ser motivo de atenção. A médica obstetra Dra. Bruna Pitaluga relata que alguns profissionais da saúde que acompanham gestantes estabelecem o peso do feto como critério principal e único para diagnosticar possíveis sinais de restrição de crescimento. “No entanto, esse indicador, analisado isoladamente, pode gerar uma interpretação errônea do verdadeiro status do crescimento fetal”, alerta.

Conforme a especialista, para uma análise mais segura, recomenda-se o uso de um outro indicativo associado ao peso. Isto é, a relação entre circunferência encefálica e circunferência abdominal. De 70% a 80% das restrições de crescimento são assimétricas, indica a médica. Ou seja, há uma diferença entre o tamanho da cabeça (circunferência cefálica fica nos parâmetros de normalidade) e o abdome do feto (circunferência abdominal fica pequena). Por isso, segundo ela, prestar atenção nessa relação é um bom critério para o diagnóstico da restrição.

Por que só o peso não é o suficiente para indicar restrição de crescimento do feto?

De acordo com a Dra. Bruna, essas alterações costumam ocorrer após 28 semanas de gestação. “Neste período começa a existir uma demanda metabólica por parte do bebê para que haja crescimento fetal visando ao ganho ponderado de dois quilos, aproximadamente, amadurecimento do sistema nervoso central e neurodesenvolvimento adequado”, explica.

No entanto, nesta fase alguns fetos não conseguem alcançar o seu potencial de crescimento e desenvolvimento, e, com o intuito de priorizar a sobrevivência do cérebro, passam a não armazenar energia no fígado. “Dessa forma, a circunferência abdominal começa a diminuir e por isso o peso não é o principal fator determinante para o diagnóstico de restrição de crescimento intrauterino”, esclarece a obstetra.

Bruna destaca que se existe uma boa correlação entre circunferência abdominal e circunferência cefálica e o peso está adequado, essa criança está em pleno desenvolvimento. “Mas se não existe uma boa correlação entre circunferência abdominal e circunferência encefálica, mesmo o peso estando adequado, não se iludam: isto é uma restrição de crescimento assimétrica”, afirma.

“Pequeno para idade gestacional”

É importante destacar também, segundo a médica obstetra, a diferença entre restrição de crescimento intrauterino e o conceito denominado “pequeno para idade gestacional” (PIG). “Realmente não se trata da mesma coisa. Como dito, a restrição se caracteriza quando uma criança não atinge o seu potencial de crescimento. Já uma criança considerada pequena para idade gestacional é aquela cujo peso, ao nascer, é menor do que o percentil 10 daquela determinada idade gestacional, conforme as normas populacionais dos gráficos de crescimento”, esclarece.

O percentil fetal é uma medida estatística que, a grosso modo, indica se o bebê é pequeno, médio ou grande em relação a outros bebês com a mesma idade. A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que seja considerada como referência de peso esperado os percentis 10 e 90. A Dra. Bruna explica que o termo pequeno para idade gestacional é utilizado para o peso do nascimento. “Então, se uma determinada criança nasceu, após um período gestacional de 38 semanas, e seu peso medido ficou abaixo do percentil 10, ela pode ser considerada pequena para idade gestacional”, diz.

Advertisement

Você também vai gostar

Doenças

Mais de 65 milhões de pessoas possuem catarata em todo o mundo, a maioria idosos, e a única forma de tratar a condição é...

Notícias

Colocado através de cirurgia, o implante coclear é indicado para pacientes com perda auditiva severa à profunda

Notícias

Compressões na coluna vertebral podem pode afetar a funcionalidade dos nervos, levando a sensação de formigamento nas mãos e nos dedos

Doenças

A sarcopenia diminui a massa muscular, a força e, com isso, a qualidade de vida de pessoas idosas - especialmente as sedentárias