Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Doenças

Pré-eclâmpsia: saiba as causas da hipertensão gestacional

Médica obstetra explica que o sistema imunológico tem relação direta com o surgimento da pré-eclâmpsia, além de outras condições

Pré-eclâmpsia: saiba as causas da hipertensão gestacional
Pré-eclâmpsia: saiba as causas da hipertensão gestacional - Foto: Shutterstock

A pré-eclâmpsia, ou hipertensão gestacional, pode acontecer em qualquer gestante durante a segunda metade da gravidez ou até seis meses após o parto. A condição é grave, e é responsável por 10% a 15% das mortes maternas diretas em todo o mundo. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Rede Brasileira de Estudos sobre Hipertensão na Gravidez (RBEHG) estimam que a doença cause 80 mil mortes maternas e 500 mil mortes fetais anualmente.

Para a médica obstetra Dra. Bruna Pitaluga, a pré-eclâmpsia é a doença mais cruel da gestação. “Resultado de informações metabólicas equivocadas, com alterações de todos os sistemas do corpo humano envolvidos, a pré-eclâmpsia pode ser considerada o oposto da gestação. Se esta é o equilíbrio, aquela é o desequilíbrio completo”, afirma.

Conforme a especialista, o sistema imunológico exerce papel fundamental na gestação. Isso porque, em conjunto com o sistema endócrino, ele fornece informações para que, após o encontro entre o óvulo e o espermatozóide, o embrião se implante no útero e o corpo da mãe receba o bebê de forma controlada e programada. “Quando o sistema imunológico está desequilibrado, essa resposta acontece de forma errada e a placenta não se implanta adequadamente”, explica.

O que pode causar a pré-eclâmpsia?

Por isso, condições que atrapalham o perfeito funcionamento do sistema imunológico são fatores de risco para a pré-eclâmpsia e, portanto, precisam de acompanhamento e tratamento durante o pré-natal. Segundo a médica, a idade gestacional e materna avançada, por exemplo, é um fator de risco. “Já é sabido que acima de 40 anos de idade existem alterações relacionadas à produção de hormônios esteroides, à microbiota e ao sistema imunológico”, comenta.

A obesidade e o sobrepeso também podem acarretar a doença, por serem pró-inflamatórios e desequilibrarem o sistema imunológico. Assim como diabetes gestacional ou pré-gestacional e hipertensão crônica, que costumam estar relacionadas a inflamações do corpo. “Na prática clínica, inclusive, é muito comum detectarmos a existência de uma hipertensão sobreposta em casos de pré-eclâmpsia”, relata a médica obstetra.

Do mesmo modo, segundo a Dra. Bruna, doenças autoimunes são fatores de risco para pré-eclâmpsia, porque desencadeiam alterações de sinalizações do sistema imunológico. “A correlação entre doenças autoimunes e a pré-eclâmpsia já foram demonstradas por trabalhos multicêntricos, revisões sistemáticas e meta-análises e pela prática clínica, principalmente entre profissionais que estão acostumados a realizarem acompanhamento pré-natal de alto risco”, afirma. 

Outro fator desencadeante de pré-eclâmpsia, de acordo com a médica obstetra, é a fertilização in vitro (FIV). “Uma mulher que engravida após uma fertilização assistida não apresenta uma sinalização metabólica igual a quem tem uma gestação ‘normal”, fisiológica”, diz. 

A médica obstetra explica que não é apenas a técnica que contribui para a pré-eclâmpsia, mas também o perfil de quem se submete a ela. “Normalmente, são pacientes acima dos 40 anos, que, em razão da idade, apresentam doenças metabólicas crônicas, como diabetes gestacional e hipertensão”, esclarece.

Outros fatores que aumentam o risco da doença

A médica obstetra lista ainda outros fatores que também podem aumentar o risco de pré-eclâmpsia. São eles:

  • Primiparidade (primeira gestação);
  • Doenças renais;
  • Intervalos de gestação muito curtos ou muito longos;
  • Casos de pré-eclâmpsia entre parentes de primeiro grau
  • Pré-eclâmpsia em gestações anteriores;
  • Placentas muito grandes;
  • Restrição de crescimento intrauterino;
  • Alteração no exame de ultrassom com Doppler;
  • Alterações de fatores angiogênicos.

Tratamento

Como a doença está atrelada à inflamação do corpo, seu tratamento consiste em medidas anti-inflamatórias, aponta Bruna. Um exemplo é a utilização do fármaco AAS (ácido acetilsalicílico), que atua controlando alguns fatores com ciclo-oxigenase A2 (uma enzima inflamatória). “Para que melhores resultados com essa terapia sejam alcançados deve ser feita sua prescrição antes de 16 semanas de gestação e na dose de pelo menos 100mg (150mg tem sido avaliado em estudos mais recentes)”, indica.

Contudo, o melhor tratamento continua sendo a prevenção, destaca a obstetra. Por isso, Bruna sugere às mulheres que, antes de engravidarem, percam peso, controlem doenças autoimunes, o ciclo circadiano e, principalmente, as deficiências de vitaminas e minerais, como vitamina D e magnésio. “A saúde da mulher e de seu bebê dependem dessas atitudes”, diz. Por fim, a médica ressalta que as gestantes devem buscar sempre o aconselhamento médico antes de adotarem qualquer medida.

Advertisement

Você também vai gostar

Câncer

Estudo de Harvard mostrou que pelo menos 4,6% do total dos casos de câncer terão alguma relação com o excesso de peso e a...

Dor

Ortopedista especialista em joelho e quadril explica como o ácido hialurônico pode atuar em quadros iniciais de desgaste das articulações

Saúde Mental

Mesmo em um mundo conectado, há cada vez mais pessoas solitárias. Veja como combater os efeitos da solidão

Alimentação

A alimentação tem relação direta com a saúde, especialmente no combate ao câncer. Conheça 5 alimentos para evitar a doença