Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Saúde Mental

Saúde mental e infância: psicanalista alerta importância de cuidar dos pequenos

Segundo psicanalista, os cuidados com a saúde mental ainda na infância se refletem por toda a vida, permitindo uma vida adulta mais feliz

Saúde mental e infância: psicanalista alerta importância de cuidar das crianças
Saúde mental e infância: psicanalista alerta importância de cuidar das crianças - Foto: Shutterstock

Estamos no Janeiro Branco, campanha de cuidado e atenção com a saúde mental. E, quando falamos de bem-estar emocional, é comum pensarmos apenas nas questões da vida adulta. No entanto, é preciso ter atenção com o tema desde a infância, alerta a psicanalista Dra. Andrea Ladislau.

“É preciso construir uma sociedade mais equilibrada emocionalmente, e isso só é possível se começarmos a derrubar os tabus e preconceitos com a saúde mental desde cedo”, destaca a especialista. 

Segundo ela, é preciso levar conhecimento sobre o tema. Isto é, introduzir os cuidados e autocuidados com a mente e o corpo para as crianças, assim como são introduzidos esportes e outras atividades.

Cuidado na infância, impacto na vida adulta

Ter atenção com a saúde mental desde a infância não é à toa, pois o impacto se estende por toda a vida. Isso porque, segundo a profissional, a valorização da saúde mental das crianças é fundamental para termos adultos saudáveis e equilibrados emocionalmente. 

“O equilíbrio emocional das crianças, certamente, será um claro sinalizador de que na vida adulta ela terá muito mais coerência e clareza de seus sentimentos e de seus desejos”, diz a psicanalista. 

Por isso é tão importante desde cedo, estimular a criança a gerenciar suas emoções, ter autocontrole de seus sentimentos e verbalizar/externar o que sente. “Neste sentido, o Janeiro Branco é uma ótima oportunidade para introduzir o ensinamento sobre a saúde mental e as diversas questões relacionadas à psique”, afirma Andrea. 

Sinais de alerta para observar nos pequenos

A psicanalista destaca que algumas alterações comportamentais das crianças acionam o sinal de alerta demonstrando que algo está em desequilíbrio em sua saúde mental. Confira os sintomas para se ter mais atenção:

  • Ansiedade;
  • Depressão infantil;
  • Aceleração e hiperatividade acima do normal;
  • Inquietações;
  • Distúrbios de sono;
  • Alterações de humor neurótico;
  • Aumento de fobias, angústia, medo excessivo;
  • Choro sem explicação;
  • Alterações bruscas de humor;
  • Oscilação de apetite;
  • Irritabilidade;
  • Agressividade incomum;
  • Descontrole do sono;
  • Enurese (xixi na cama) constante. 

Como cuidar da saúde mental das crianças

A Dra. Andrea Ladislau revela que existem várias formas de cuidar da saúde mental dos pequenos e promover esse cuidado desde a infância. “Uma delas é através da abertura de diálogo que permita que eles percebam e identifiquem suas emoções e sentimentos e que tenham maior liberdade para expressar suas dores”, indica. 

Além disso, introduzir a terapia na rotina da criança também auxilia a lidar com sentimentos como: medo, angústia, raiva, insegurança, entre outros. “De forma que eles sejam esclarecidos, pontuados e que essa criança entenda sua importância e seu papel dentro do núcleo familiar a que ela está inserida”, explica a profissional. 

Esta também é uma forma de aumentar sua autoestima e propiciar a clareza para que ela consiga posicionar-se diante dos desafios da vida e das relações interpessoais que ainda vai desenvolver. “O equilíbrio emocional e o gerenciamento das emoções fazem parte do processo de amadurecimento infantil que é propiciado por uma saúde mental saudável”, reforça Andrea.

Advertisement

Você também vai gostar

Insônia

Alguns mitos e desinformações atrapalham a rotina de sono dos recém-nascidos, o que é um desafio para a família e também para o bebê

Alimentação

Especialista em nutrologia explica as diferenças entre a doença celíaca, a intolerância ao glúten e a alergia ao trigo. Saiba os sintomas

Dor

Ortopedista explica que nem sempre uma dor no joelho exige correção cirúrgica. No entanto, em alguns casos o paciente deve passar por cirurgia

Beleza

Dermatologista explica técnica slow care, focada na beleza natural e na saúde integral do paciente