Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Teste do pezinho: por que o exame é indispensável após o nascimento?

O Dia Nacional do Teste do Pezinho (06/06) é uma oportunidade para destacar a importância do exame, capaz de detectar doenças precocemente

Teste do pezinho: por que o exame é indispensável após o nascimento?
Teste do pezinho: por que o exame é indispensável após o nascimento? - Foto: Shutterstock

O teste do pezinho é um exame feito a partir do sangue coletado do calcanhar do bebê – indispensável após qualquer nascimento. Isso porque ele permite identificar doenças graves que não apresentam sintomas ao nascer. Sem o diagnóstico precoce e o tratamento rápido, essas condições podem causar sérios danos à saúde, inclusive retardo mental grave e irreversível.

Segundo a médica pediatra do Hospital Icaraí, Dra. Kelly Costa, o teste do pezinho é um assunto de extrema importância na triagem neonatal, pois é capaz de detectar precocemente diversas doenças genéticas, metabólicas e infecciosas que podem afetar o desenvolvimento e a qualidade de vida da criança. Por isso, o exame tem um dia dedicado à sua relevância: Dia Nacional do Teste do Pezinho (06/06).

Como funciona o teste do pezinho

“A escolha de realizar o teste através do pé do bebê tem uma explicação simples: a vascularização da região é muito boa, facilitando a obtenção da amostra sanguínea necessária para o exame. Além disso, o calcanhar é uma região menos sensível, o que minimiza o desconforto para o bebê durante a coleta”, explica a médica.

A análise das amostras colhidas no teste do pezinho é realizada em laboratórios especializados, acrescenta a especialista. “Diversos estados e países têm programas de triagem neonatal que determinam quais doenças investigar. Geralmente, o exame é composto por diferentes etapas, sendo as mais comuns a triagem básica, que envolve a detecção de doenças como fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito e fibrose cística. Além disso, há a triagem ampliada, que inclui outras enfermidades mais raras”, afirma.

O teste do pezinho pode indicar a presença dessas doenças antes mesmo de surgirem os sintomas. Para Kelly isso é fundamental, pois permite o início precoce do tratamento, evitando complicações graves ou até mesmo o óbito. “O diagnóstico precoce também possibilita orientar os pais sobre os cuidados específicos a adotar para o desenvolvimento saudável do bebê”, destaca.

A pediatra ressalta que a realização adequada do teste do pezinho é fundamental para garantir sua eficácia. A coleta correta da amostra, o armazenamento adequado e a análise precisa são aspectos cruciais. Isso porque, caso haja algum erro no processo, é possível que resultados falsos negativos ocorram, levando a um diagnóstico tardio e prejudicando a saúde da criança.

Alerta

“Apesar de ser um exame simples e de baixo risco, é importante que os pais estejam cientes dos possíveis desconfortos que o bebê pode sentir durante a coleta da amostra sanguínea, como um leve incômodo ou choro momentâneo. No entanto, é um procedimento rápido e os benefícios superam qualquer desconforto temporário”, tranquiliza a pediatra.

Em resumo, o teste do pezinho é uma ferramenta essencial para a saúde e o bem-estar dos recém-nascidos. Através dessa análise prévia do sangue colhido do calcanhar do bebê, é possível identificar precocemente doenças que podem ter um impacto significativo em sua vida, reforça Kelly.

“Portanto, é fundamental que os pais entendam a importância desse exame e o realizem de maneira adequada, seguindo as orientações médicas, para garantir o melhor início de vida possível para seus filhos”, conclui.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia