Connect with us

O que você está procurando?

Beleza

7 hábitos terríveis para a pele que você deve evitar no inverno

A estação por si só já é um grande problema para a saúde da pele, porém há diversos erros que se tornam frequentes com o frio

7 hábitos terríveis para a pele que você deve evitar no inverno
7 hábitos terríveis para a pele que você deve evitar no inverno - Foto: Shutterstock

O inverno é, naturalmente, uma estação ruim para a saúde da derme. Isso porque o clima frio diminui nossa hidratação, deixando a pele ressecada. Então, mesmo se não fizermos nada de errado na rotina de skincare, ainda teremos que combater esse problema. 

Para piorar a situação, durante os meses frios é comum cometer alguns erros que podem acabar custando caro. Pensando nisso, a dermatologista Dra. Paola Pomerantzeff, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), aponta quais os principais maus hábitos que podem danificar a saúde da pele e explicam como evitá-los. Confira:

1. Não passar protetor solar

Mesmo na estação mais fria do ano, a radiação ultravioleta causa fotoenvelhecimento e possíveis manchas. “O fotoenvelhecimento inclui flacidez e, além disso, pode causar câncer de pele a longo prazo. Portanto, mesmo no inverno dentro de casa, o uso do protetor solar é fundamental, já que a radiação ultravioleta atravessa vidros e tecidos finos (cortinas) e pode atingir a pele da mesma forma”, explica a Dra. Paola Pomerantzeff.

2. Esquecer dos hidratantes e cremes reparadores

No inverno, com as temperaturas mais baixas e o ar mais seco, a pele tende a ficar mais ressecada. “Ela pode, inclusive, ficar avermelhada e com descamação. Isso porque nossa pele passa a produzir menor quantidade de oleosidade natural’. Esse ressecamento deve ser compensado pela hidratação intensa”, orienta a dermatologista. 

Também está fora de questão esquecer o creme para área dos olhos, ainda mais nesse período em que os resfriados tendem a deixar o rosto mais “fadigado”. E, ainda sobre a hidratação, não devemos jamais esquecer a pele dos pés, mãos e do corpo no geral, alerta Paola. 

“Nosso corpo tem menos glândulas sebáceas que o nosso rosto e por isso resseca ainda mais. Pescoço e colo podem e devem receber o mesmo hidratante e protetor da face. Assim como as mãos. Já no restante do corpo devemos usar um hidratante corporal que deve ser aplicado após o banho, diariamente. Os pés podem ser hidratados com cremes específicos (ainda mais potentes, quando necessário)”, explica a especialista.

3. Abusar dos retinóides

Os retinóides são excelentes para tratar a pele e prevenir o fotoenvelhecimento, segundo a dermatologista. “Eles promovem renovação celular, uniformização da tonalidade e melhora da textura. Como causam fotossensibilidade da pele, o outono e inverno são excelentes épocas para serem utilizados”, afirma a médica. 

No entanto, é importante destacar que eles costumam ressecar a pele. “Se forem usados sem orientação, de forma exagerada, podem levar ao ressecamento extremo inclusive com irritação e vermelhidão da pele. O ideal é procurar orientação dermatológica para saber qual a concentração do ativo e frequência ideais para a sua pele”, adverte a dermatologista. 

4.Tomar banhos muito quentes

Você certamente adora tomar um banho quente durante o inverno. Porém, altas temperaturas, no estilo “sauna”, podem fazer muito mal à pele. “Isso porque a água quente retira a barreira de proteção da pele, o manto lipídico – ainda mais se houver exagero no uso de sabonete. Portanto, o ideal é um banho morno e rápido! Você pode demorar na hidratação após o banho, isso sim”, diz a Dra. Paola.

5. Beber pouca água durante o dia

No frio, muitas pessoas não sentem sede e acabam diminuindo a ingestão de água. “Isso é muito ruim. Devemos manter a hidratação hídrica de pelo menos 2 litros de água por dia. Se o nosso organismo fica desidratado, retira água da periferia (até mesmo da pele) para compensar. Com isso nossa pele acaba desidratada e sem viço. Os lábios também podem ficar mais ressecados”, alerta a dermatologista.

6. Consumo excessivo de bebidas alcoólicas

É comum aumentar o consumo de vinhos e até destilados no inverno, mas o excesso de bebidas alcoólicas é perigoso e leva à desidratação do organismo como um todo. O resultado é uma pele desidratada e sem viço. 

Além disso, o excesso de álcool leva a um processo inflamatório na pele com a possibilidade de envelhecimento precoce (surgimento de rugas, flacidez e diminuição do colágeno). 

“Mas não precisamos ficar 100% sem bebida alcoólica. Uma taça de vinho tinto por dia está liberada desde que acompanhada de um copo de água. Dessa maneira mantemos a hidratação, e ingerimos antioxidantes naturais do vinho (resveratrol) e relaxamos. Os antioxidantes do vinho são capazes de combater os radicais livres da pele. Nossa pele agradece”, afirma Paola.

7. Alimentação desregulada

No inverno, as pessoas costumam ingerir mais doces, porém a pele pode pagar o preço por isso. “Alimentos com alto índice glicêmico levam ao processo conhecido como glicação. Nesse processo as fibras de colágeno sofrem alterações maléficas. O resultado é uma pele mais flácida e enrugada”, adverte a dermatologista. 

Segundo ela, uma alternativa é comer chocolate 70% cacau. “Esse chocolate tem menor índice de açúcar e gordura e apresenta alta concentração de cacau que é um poderoso antioxidante natural. Ele faz bem para nossa pele, desde que consumido com moderação”, explica. Paola finaliza destacando que dá para usar a alimentação também a favor da pele.

Advertisement

Você também vai gostar

Notícias

O ritmo e a frequência da pulsação fornecem informações sobre a saúde cardíaca. Aprenda a checar em casa

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse