Connect with us

O que você está procurando?

Saúde da Mulher

Carnaval: 8 dicas para cuidar da saúde íntima durante o feriado

Esta época do ano expõe a saúde feminina a maiores riscos, seja pelas mudanças na rotina ou pelo calor e a umidade. Saiba como se cuidar no Carnaval

Carnaval: 8 dicas para cuidar da saúde íntima durante o feriado
Carnaval: 8 dicas para cuidar da saúde íntima durante o feriado - Foto: Shutterstock

Para quem vai aproveitar o Carnaval de 2023, deve estar preparado para uma programação intensa de viagens, festas e bloquinhos. Essa rotina geralmente exige certa adaptação para o corpo conseguir lidar com a bebedeira, o calor excessivo e todas as consequências associadas a uma aglomeração gigantesca de pessoas. 

Por isso, a folia requer uma atenção maior em relação à saúde, principalmente para as mulheres. “Além de acontecer no verão, a estação mais quente do ano, quando a proliferação de fungos e bactérias íntimas é maior, por si só, a data também é um alerta para o contágio e disseminação das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)”, adverte a Dra. Evelyn Prete, ginecologista e obstetra. Esta época do ano é o cenário perfeito para o surgimento de infecções e desconfortos ginecológicos, como os corrimentos e a famosa candidíase.

De acordo com o ginecologista  Dr. Marcelo Ponte, isso acontece porque no verão, devido ao calor e ao contato com ambientes mais úmidos, a região íntima feminina tende a passar por um desequilíbrio. Isso favorece a proliferação de fungos e bactérias. “É muito comum que nesta época do ano, a região íntima fique mais abafada e úmida. Esse se torna o cenário ideal para o surgimento das infecções ginecológicas”, afirma. 

Os especialistas dão dicas – ainda mais valiosas para o público feminino – de como curtir o Carnaval sem deixar a saúde íntima de lado.

1 – Se for utilizar o banheiro químico, tenha cuidado

Durante o Carnaval e, em especial, nos bloquinhos de rua, é comum ingerir mais líquido ao longo do dia. Por isso é inevitável visitar o banheiro com mais frequência. No entanto, a maioria das festas e blocos carnavalescos acontecem nas ruas e/ou em espaços amplos, o que dificulta o acesso a um banheiro limpo.

“Segurar o xixi por muito tempo propicia o desenvolvimento de infecções do trato urinário. Além disso, nesta época, é comum a utilização de banheiros químicos, os quais não dispõem de higienização adequada pela infraestrutura e volumosa utilização”, afirma Evelyn. Segundo a médica, caso o banheiro químico seja a única opção, a recomendação é evitar ao máximo sentar no vaso sanitário. Além disso, sempre levar na bolsa álcool em gel, toalhas higiênicas e, até mesmo, acessórios específicos para urinar em pé, como o urinol feminino.

2 – Evite fantasias apertadas e desconfortáveis para pular o Carnaval

Arrumar-se para as festas e bloquinhos de carnaval é uma das atividades mais empolgantes para as foliãs. Porém, é preciso tomar algumas precauções para aproveitar a festa com mais conforto, indica Evelyn. “Outro cuidado que não pode ser esquecido é a escolha de roupas leves e largas na hora de montar o look. Shorts, saias e calças mais justas abafam a região íntima. Por isso proporcionam o ambiente ideal para a proliferação de fungos e bactérias, principalmente, quando usados por um longo período”, explica a médica.

O Dr. Marcelo reforça a importância de deixar a região íntima ventilada. “Para manter a região mais arejada possível, é recomendado que se use calcinhas com tecidos mais respiráveis como o algodão. Vale a pena também optar por peças mais leves e que permitam uma maior ventilação no local, como as saias e os vestidos”, afirma.

3 – Não compartilhe roupas íntimas

Por mais que o hábito de emprestar roupas seja mais comum entre as mulheres, durante o Carnaval é importante evitar essa prática, principalmente com peças íntimas. “As roupas podem ser poderosos vetores para a transmissão de fungos e bactérias. Eles, por sua vez, são responsáveis por diversas doenças, como vaginose bacteriana, candidíase vaginal, cervicite, entre outras. Por isso, deve-se sempre utilizar peças próprias, principalmente, as que possuem contato direto com a vulva, como calcinhas, biquínis e maiôs, para evitar a transmissão e contaminação”, explica Evelyn.

4 – Cuidados redobrados com a higiene íntima 

A ginecologista e obstetra reforça que a região íntima feminina é mais propensa para a proliferação de fungos e bactérias, pois é um ambiente quente e úmido. Portanto, o cuidado com os hábitos de higiene devem ser redobrados, especialmente, nos dias de folia e calor

“Busque sempre fazer uso de sabonetes neutros e produtos próprios para a vulva. Além disso, ao lavar as calcinhas, biquínis e maiôs, peças que ficam em contato direto com a região íntima, também é aconselhável a utilização de produtos específicos e próprios para essa finalidade”, sugere a médica. 

5 – Saiba lidar com a menstruação nesse Carnaval

Outro ponto de atenção e desconforto para muitas mulheres, ainda mais em dias de festa e visitas às praias e piscinas, é a menstruação. Se você estiver “naqueles dias” durante o Carnaval, a ginecologista aconselha redobrar os cuidados íntimos. 

“Neste caso, tanto o absorvente interno como o externo podem ser prejudiciais para a saúde vaginal nos dias mais quentes e, sobretudo, para quem for à praia ou piscina, em decorrência do abafamento e retenção da umidade, além da necessidade das trocas recorrentes”, aconselha. Segundo ela, optar por coletores menstruais, calcinhas e biquínis absorventes, que possuem o material adequado, são as melhores opções para aproveitar os dias de sol e folia sem crise. 

6 – Não abuse dos absorventes e protetores diários nesse Carnaval

Atrelado à dica anterior, o Marcelo recomenda não abusar dos absorventes e protetores diários no feriado. “O uso destes protetores todos os dias ou durante períodos longos, podem abafar no local, não permitindo que a vagina respire da maneira adequada, aumentando a proliferação de fungos e bactérias, podendo causar infecções”, aponta o ginecologista. 

O ginecologista também alerta para o uso dos absorventes durante os dias mais quentes. “A troca do absorvente deve ser feita sempre que necessário, porém, nos dias de calor mais intenso, é recomendado que a troca seja feita em até quatro horas”, destaca o profissional.

7 – Cuide da sua imunidade

“Essa é uma das causas da candidíase, principalmente os casos de repetição”, afirma o médico. O Dr. Marcelo explica que, no período de festas e férias, as mulheres tendem a descuidar da alimentação e hidratação, o que pode baixar as defesas naturais do corpo, facilitando o caminho para infecções.

“Além dos cuidados físicos, neste período, é preciso também manter este cuidado de dentro para fora. Ter uma alimentação equilibrada, beber bastante água e evitar o consumo excessivo de industrializados e álcool, são pontos chaves para manter a imunidade alta e as infecções ginecológicas bem longe”, destaca.

8 – Proteja-se sempre!

Mesmo que o Carnaval seja uma época propícia para conhecer novas pessoas e ter experiências memoráveis, a prevenção e o autocuidado devem ser levados a sério em qualquer época do ano, alerta Evelyn. “Ainda que muitas mulheres façam o uso de métodos contraceptivos para evitar uma gravidez indesejada, como pílulas, DIU, entre outros, o preservativo é o único método anticoncepcional que previne doenças e infecções sexualmente transmissíveis”, ressalta a ginecologista.  

Outra dica é preferir lubrificantes à base de água, que é próprio para uso feminino, visto que outros produtos à base de silicone podem causar inflamações e corrimentos. “O Carnaval é uma das melhores épocas do ano para se divertir, porém, é preciso saber como se proteger apropriadamente para, assim, aproveitar a data com segurança e sem dores de cabeça depois”, finaliza Evelyn.

Advertisement

Você também vai gostar

Sem categoria

O glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Entenda a importância do diagnóstico precoce

Saúde Bucal

A cárie oculta costuma surgir em locais onde a escova de dentes e o fio dental não alcançam. Veja como identificar o problema

Beleza

A rinoplastia é uma das cirurgias plásticas mais feitas no Brasil, mas ainda é cercada de muitos mitos e tabus

Dor

Ortopedista aponta que a dor pode surgir no quadril sem percebermos, e irradiar para o joelho, causando bastante desconforto