Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Dia Nacional do Surdo: surdez tem cura?

Otorrinolaringologista explica que existem diferentes tipos de surdez, o que impacta diretamente na chance de cura da condição

Dia Nacional do Surdo: surdez tem cura?
Dia Nacional do Surdo: surdez tem cura? - Foto: Shutterstock

Hoje é celebrado no Brasil o Dia Nacional do Surdo (26/09), data que lembra a inauguração da primeira escola para surdos no país em 1857. Esta também é uma oportunidade para promover informações sobre a surdez, condição que atinge mais de 9 milhões de brasileiros.

Muita gente pensa que a surdez é uma deficiência de nascença, sem possibilidade de cura. Assim, a única solução para transpor a limitação comunicativa imposta por ela seria por meio do aprendizado da linguagem de sinais. De fato, há muitos casos que são, sim, de nascença e de difícil recuperação. E a linguagem de sinais, claro, é uma aliada importantíssima em termos de comunicação.

Diferentes tipos de surdez

No entanto, esse universo é bem mais amplo do que se imagina. Isso porque existem diferentes tipos de surdez – e alguns deles podem surgir ao longo da nossa vida. Da mesma forma, também podem ser reversíveis a depender do caso, conforme explica a Dra. Bruna Assis, otorrinolaringologista do Hospital Paulista.

“Tudo depende do local da lesão que afeta o sistema auditivo. Esse é o grande desafio que os médicos têm: realizar o diagnóstico adequado, para depois buscar um tratamento que possa restaurar a audição ou, ao menos, melhorar a qualidade de vida do paciente”, esclarece.

Bruna destaca que o ouvido é dividido em três partes: externa, média e interna. Conforme o local, os problemas de surdez ou perdas de audição podem variar, assim como os tratamentos indicados. Dessa forma, cabe aos médicos avaliarem se:

  • A surdez é por condução. Ou seja, acontece quando o problema ocorre no ouvido externo e/ou médio, que tem como função conduzir o som até o ouvido interno;
  • A surdez neurossensorial. Ou seja, ocorre quando há uma lesão no ouvido interno, impedindo que essas células levem o estímulo do som do ouvido interno até o cérebro;
  • Condição mista. Quando combina duas lesões, simultaneamente. Exemplo: uma lesão tanto no ouvido externo e/ou médio como no ouvido interno;
  • A surdez é central. Ou seja, causada por variações na compreensão da informação sonora.

Esse último caso, segundo a especialista, é considerado o mais desafiador. “É o tipo mais complexo de perda auditiva, por envolver todo o processamento, interpretação dos sons e a capacidade mental do paciente. A causa do problema pode não estar propriamente no ouvido ou em uma de suas estruturas”, explica.

Nos demais casos, contudo, a médica afirma que há chances bem maiores de recuperação, mesmo que seja com a ajuda de instrumentos, a exemplo do aparelho auditivo.

Conscientização

Neste mês, aliás, o assunto é o tema central da campanha “Setembro Azul” ou “Setembro Surdo”, que desde 2011 mobiliza a comunidade médica de todo o país. O objetivo é chamar a atenção para as lutas e conquistas da comunidade surda no Brasil e no mundo, além de conscientizar o público sobre a importância do diagnóstico e tratamento dessa disfunção.

“É muito importante que tenhamos o cuidado de manter o paciente surdo ou com dificuldade auditiva inseridos à sociedade. O isolamento, principalmente do idoso, pode contribuir para o desenvolvimento de doenças como depressão, demência e Alzheimer. Portanto, é fundamental sempre procurar atendimento, nesses casos.”

Existe prevenção?

Além da conscientização, a médica destaca que também é possível adotar medidas de prevenção à surdez. A especialista ainda recomenda avaliações de rotina com o médico otorrino para manter uma audição saudável.

“Apesar de existirem fatores genéticos envolvidos no processo da evolução da perda auditiva, alguns hábitos de vida podem reduzir riscos. Por exemplo: evitar a exposição a ruídos intensos por longos períodos. O mesmo vale para as doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e dislipidemia (doença que se caracteriza por anomalias nos níveis de lipídios no sangue, principalmente do colesterol total e dos triglicérides)”, afirma a médica.

Advertisement

Você também vai gostar

Sem categoria

O glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo. Entenda a importância do diagnóstico precoce

Saúde Bucal

A cárie oculta costuma surgir em locais onde a escova de dentes e o fio dental não alcançam. Veja como identificar o problema

Beleza

A rinoplastia é uma das cirurgias plásticas mais feitas no Brasil, mas ainda é cercada de muitos mitos e tabus

Dor

Ortopedista aponta que a dor pode surgir no quadril sem percebermos, e irradiar para o joelho, causando bastante desconforto