Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Doenças respiratórias são frequentes no outono; saiba porquê

Na estação, a temperatura e a umidade tendem a cair, o que proporciona o cenário perfeito para a proliferação de doenças respiratórias

Doenças respiratórias são frequentes no outono; saiba porquê
Doenças respiratórias são frequentes no outono; saiba porquê - Foto: Shutterstock

O outono chegou e, com ele, alguns problemas de saúde se tornam mais frequentes. Isso porque, com a queda das temperaturas e o clima seco, a imunidade pode ficar mais frágil. Com isso, o organismo fica mais vulnerável para algumas doenças, principalmente, alergias e síndromes respiratórias, como gripes e resfriados. 

O infectologista e diretor médico da Hilab, Dr. Bernardo de Almeida, explica que o outono é um período de transição entre as doenças mais prevalentes do verão e as do inverno. “Desta forma, vemos ainda casos de arboviroses na fase final de sua onda sazonal e o início das doenças respiratórias virais. Porém, há uma série de fatores a serem considerados”, pontua.

O perfil epidemiológico do Brasil mudou

O especialista lembra que o Brasil é um país continental, com regiões situadas em latitudes diferentes, que criam padrões climáticos distintos. “Não podemos negligenciar também as mudanças climáticas que fazem com que os patógenos se proliferem em ambientes onde não eram endêmicos anteriormente. Por exemplo, o Rio Grande do Sul está vivenciando um aumento nos casos de dengue sem precedentes”, destaca. 

Outro aspecto que impacta é a introdução do SARS-CoV-2 ao rol dos vírus respiratórios em 2020, acrescenta o médico. Segundo ele, as iniciativas adotadas para controlar a pandemia de Covid-19 acabou alterando significativamente a epidemiologia de outras várias doenças infectocontagiosas.

“A redução das interações sociais – mais intensa entre 2020 e 2021 – também causou uma redução nos casos de influenza e vírus sincicial respiratório. Por consequência, quando ocorreu a volta à normalidade, entre 2021 e 2022, esses vírus encontraram um contexto maior de susceptibilidade, provocando ondas epidemiológicas fora de época, como o surto de influenza H3N2, cepa Darwin, que ocorreu em pleno verão”, justifica Bernardo. 

Ele esclarece ainda que esse padrão ocorreu com os demais vírus respiratórios que causam resfriado, como o rinovírus. As arboviroses também sofreram alterações no seu padrão, com ondas atípicas quanto ao início, fim e intensidade.

Doenças respiratórias

As doenças respiratórias se tornam mais comuns no outono por conta da queda na temperatura média, com as chegadas das primeiras frentes frias do ano, associada à queda da umidade relativa do ar e redução do índice pluviométrico, explica o infectologista. 

“Há outras doenças típicas, não infecciosas, mas que geram impacto devido à queda da umidade relativa que são agressivas às mucosas e aumentam a incidência de alergias e intensificam os sintomas das infecções respiratórias em geral. Há aumento na incidência de sinusite, por exemplo”, acrescenta.

Prevenção

As arboviroses são mitigadas principalmente no enfrentamento ao vetor, o Aedes Aegypti Portanto, a maneira de evitar a contaminação é evitar que a água parada sirva de local para reprodução do mosquito. “A redução das chuvas naturalmente são catalisadores positivos na redução do índice de infestação do Aedes”, tranquiliza o médico — lembrando que, com o fim do verão, é comum que as chuvas diminuam. 

O infectologista aponta as principais formas de prevenção:

  • Higienização das mãos;
  • Etiqueta da tosse (tecido ou braço à frente da boa durante tosse ou espirro);
  • Uso de máscaras por sintomáticos respiratórios;
  • Manter o ambiente bem ventilado. 

“Idealmente, deve ser realizado teste para afastar a possibilidade de COVID-19 e influenza, que possuem maior impacto”, destaca.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Consumir açúcar refinado aumenta os níveis de gordura no corpo e o risco de desenvolver doenças como diabetes. Saiba como substituir o produto

Dor

15% dos brasileiros sofrem com enxaqueca, condição que pode ser tratada de diferentes formas. Veja quais terapias podem ajudar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia