Connect with us

O que você está procurando?

Doenças

Parada cardíaca: o que é, causas e consequências

A parada cardíaca é muito associada ao infarto do miocárdio, mas diversos outros eventos podem levar à cessação dos batimentos do coração

Parada cardíaca: o que é, causas e consequências
Parada cardíaca: o que é, causas e consequências - Foto: Shutterstock

Em novembro de 2022, a cantora Gal Costa sofreu um infarto agudo no miocárdio aos 77 anos, o que a levou a uma parada cardíaca, causando seu óbito.  O infarto é a causa mais comum da parada, mas muitos outros fatores podem levar à cessação dos batimentos cardíacos.

“A parada cardíaca normalmente deve-se a algum evento que leva o indivíduo a uma arritmia grave, o que põe em risco de vida”, explica o Dr. Fábio Argenta, médico cardiologista, sócio-fundador e diretor médico da Saúde Livre Vacinas.

Segundo ele, essa arritmia pode ou não ser reversível, conforme a expertise dos indivíduos de saúde (socorristas e bombeiros) que fazem esse primeiro atendimento, além da rapidez que esse socorro ocorre. Ou seja, nem sempre uma parada cardíaca pode levar à morte.

“Já o ataque cardíaco refere-se ao infarto agudo do miocárdio que, em muitas das vezes, resulta em parada cardíaca levando a uma arritmia chamada fibrilação ventricular”, diz o especialista. Nesses casos, se não for realizada a cardioversão em questão de minutos, a pessoa pode chegar ao óbito. 

“Então, o ataque cardíaco, nada mais é que o infarto do miocárdio. E, infelizmente, metade dos indivíduos que têm um ataque do miocárdio, não conseguem chegar vivos ao hospital. Destes que chegam, se não tiverem um atendimento adequado com trombolítico e medicações específicas, podem vir a óbito também”, explica o cardiologista.

O que pode levar a uma parada cardíaca?

No caso de indivíduos com idade menor que 35 anos, a parada cardíaca costuma ser consequência de doenças estruturais do coração, que normalmente são congênitas. É o caso, por exemplo, da miocardiopatia hipertrófica do ventrículo esquerdo, da displasia arritmogênica do ventrículo direito, entre outras. 

Sem o diagnóstico e com um grande esforço por parte do indivíduo, que se submete a atividade física mais intensa, há a chance de desencadear episódios cardíacos a partir dessas patologias. O paciente pode então sofrer uma arritmia grave e que pode levar a parada cardíaca e morte. 

“Por isso, antes de fazer atividade física mais intensa, mesmo que de forma amadora, é importante fazer a consulta cardiológica”, alerta o cardiologista. 

Já nos indivíduos com idade de 35 anos ou mais, a principal causa que pode levar a parada cardíaca é o infarto agudo do miocárdio, em seguida a doença aterosclelotica, que é a formação de placa de gordura nas artérias coronárias. 

Esses quadros também são consequência de outras comorbidades que somam para levar a pessoa ao infarto. É o caso, por exemplo, de hipertensão arterial e/ou diabetes, especialmente os casos não controlados.

A parada cardíaca causa algum sintoma prévio?

A parada cardíaca não costuma dar sintomas quando deve-se a doenças estruturais nos indivíduos mais jovens. Por isso, durante um esforço mais intenso, é comum a pessoa ter uma arritmia e morte súbita, explica o cardiologista. 

Já a parada cardíaca secundária, nos indivíduos com mais de 30/40 anos, secundária a doença transclerotica, pode dar alguns sinais. O principal sintoma tem o nome de angina, ou seja, o pré-infarto, que é uma dor torácica intensa

O desconforto atinge o lado esquerdo do peito e por vezes até mesmo a região do estômago, e pode ou não se irradiar para o braço esquerdo, às vezes para os dois braços e também para a região do pescoço. 

“Essa dor cessa quando o indivíduo pára de fazer aquele esforço. Isso é o que chamamos de angina, o ‘aviso’ do infarto”, salienta o médico.

A dor é resultado de uma coronária que tem um entupimento de gordura, mas ainda não fechou por completo. Quando ocorre o fechamento completo, em que essa placa rompe e há uma oclusão completa, ocorre o infarto agudo do miocárdio. “Muitas vezes acontece sem aviso prévio, sem esses sintomas”, diz o especialista. 

Prevenção

Os episódios cardíacos podem e devem ser prevenidos através da consulta cardiológica de rotina, salienta o Dr. Fábio Argenta. “Quem tem histórico familiar de doença cardiovascular, como, por exemplo, colesterol, diabetes e hipertensão, já deveria com a idade entre 10 e 18 anos fazer a primeira consulta”, recomenda. 

Caso não tenham eventos genéticos importantes, a consulta pode ser depois dos 18 anos de idade. Nessa consulta, que inclui exame físico e eletrocardiograma, o cardiologista irá tanto fazer o diagnóstico de alguma patologia, quanto certificar-se que o indivíduo está apto para a atividade física de forma segura.

Quando necessário, o médico especialista poderá dispor de outros exames, como Fábio explica abaixo:

  • Ecocardiograma, que avalia doenças estruturais;
  • Holter 24 horas, que avalia de forma ainda mais completa certas arritmias;
  • Mapa de 24 horas, quando se quer fazer um diagnóstico mais preciso da pressão arterial;
  • Teste ergométrico, que avalia doenças sistêmicas do coração;
  • Ressonância e tomografia cardíaca

No que tange à prevenção, é indicada a adoção de um estilo de vida saudável. Isto é, na alimentação, não abusar do sal, evitar o excesso de comida saturada e, além disso, manter atividade física regular, por pelo menos 30 minutos e 5 vezes na semana. É importante também evitar a obesidade, o excesso do consumo de bebida alcoólica e o tabagismo, orienta o médico cardiologista.

Advertisement

Você também vai gostar

Medicamentos

Anfetamina prescrita para TDAH é frequentemente usada como um estimulante. Conheça os riscos do Venvanse

Fitness

Especialista em fisiologia do exercício aponta as principais diferenças entre crossfit, musculação, treino funcional e calistenia

Emagrecer

Diversos fatores levam ao ganho de peso. Conhecê-los é fundamental para conseguir emagrecer definitivamente

Dor

Diversos sintomas podem atingir o joelho, uma articulação naturalmente sobrecarregada. Entenda se os “estalos” exigem atenção