Connect with us

O que você está procurando?

Notícias

Sintomas, riscos e tratamentos de varizes na região pélvica

Varizes são veias dilatadas que podem aparecer na região pélvica, apresentando uma série de riscos à saúde

Sintomas, riscos e tratamentos de varizes na região pélvica
Sintomas, riscos e tratamentos de varizes na região pélvica - Foto: Shutterstock

As varizes são um problema comum que atinge sobretudo as mulheres. Elas surgem principalmente nos membros inferiores (pernas), mas também podem aparecer em outras partes do corpo, como na região pélvica.

A cirurgiã vascular e angiologista da Venous Camila Helena explica que as varizes pélvicas são dilatações das veias na região pélvica. Geralmente estão associadas à síndrome de congestão pélvica, causada por refluxo ou obstrução de vasos gonadais ou pélvicos. “São mais comuns em mulheres, especialmente aquelas em idade fértil”, afirma.

Sintomas e riscos da condição

Os principais sintomas, conforme a especialista, incluem: 

  • Dor pélvica crônica, que pode piorar após longos períodos em pé ou durante a menstruação;
  • Sensação de peso ou desconforto na região pélvica;
  • Dor durante ou após as relações sexuais (dispareunia);
  • Varizes visíveis na região genital ou nas pernas.

Além disso, a condição pode evoluir com alteração do fluxo menstrual e surgimento de incontinência urinária.

A especialista alerta ainda que as varizes pélvicas podem trazer riscos e complicações. Os sinais de alerta incluem:

  • Dor pélvica persistente e intensa;
  • Aumento significativo do calibre e quantidade de varizes na região pélvica;
  • Agravamento dos sintomas durante a menstruação ou após longos períodos em pé;
  • Sintomas que interferem na qualidade de vida e nas atividades diárias.

“Se não tratadas, podem levar a complicações como trombose venosa profunda, tromboflebite e varicorragia, que é o sangramento decorrente de uma variz estourada”, alerta a médica.

Isso ocorre, geralmente, pois as veias mais superficiais e dilatadas tendem a ser mais sensíveis, podendo se romper. Além disso, varizes pélvicas podem se comunicar com as varizes dos membros inferiores, sendo uma causa de recorrência das varizes após o tratamento, acrescenta Camila.

Tratamento 

O tratamento das varizes pélvicas pode variar conforme a gravidade dos sintomas. As opções incluem:

  • Medicações: analgésicos e anti-inflamatórios, remédios para melhorar o fluxo venoso e reduzir a sensação de peso, uso de contraceptivos ou terapia de reposição hormonal e até mesmo antidepressivos e anticonvulsivantes para um melhor controle da dor;
  • Escleroterapia: uso de esclerosantes para fechar as veias dilatadas;
  • Embolização: procedimento minimamente invasivo que bloqueia o fluxo sanguíneo nas veias afetadas;
  • Cirurgia: em casos graves, pode ser necessário remover ou ligar as veias afetadas.

“Nem todos os pacientes precisam de cirurgia. Isso porque a escolha do tratamento depende da severidade dos sintomas e da resposta às abordagens menos invasivas”, diz a profissional.

Camila salienta a importância de procurar um especialista em doenças venosas para uma avaliação adequada se houver suspeita de varizes pélvicas. O diagnóstico geralmente envolve exames de imagem como ultrassonografia do abdome e pelve, ressonância magnética, tomografia ou em últimos casos, quando se pensa no tratamento, o cateterismo venoso. 

“A detecção precoce e o tratamento adequado podem prevenir complicações e melhorar significativamente a qualidade de vida das pacientes”, finaliza a médica.

Advertisement

Você também vai gostar

Alimentação

Ricas em vitaminas e proteínas, as sementes de cânhamo são consideradas um superalimento graças aos impactos positivos no organismo

Sem categoria

Diversos fatores podem levar ao surgimento da dermatite seborreica, como a má higienização, uso de alguns produtos e até mesmo o frio

Doenças

As hepatites virais (principalmente B e C) causam cerca de 375 milhões de casos pelo globo, e podem evoluir para formas graves

Beleza

O “banho premium plus” é mais uma tendência de autocuidado que viralizou nas redes sociais. Veja quais são as recomendações de especialistas